Peças e equipamentos da CPTM terão custo zero agora para a ViaMobilidade, confirma STM

Alegação é que o acordo é para beneficiar o cidadão. Uso das plataformas 3 e 4 pela concessionária será por tempo indeterminado

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

A ViaMobilidade, concessionária das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda em São Paulo, não vai precisar por a mão no bolso no bolso para usar as peças e equipamentos que vão ser cedidos pela CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) para tentar melhorar a operação das linhas que, desde janeiro de 2022, quando começou a operação única da concessionária, têm registrado problemas consecutivos quanto à qualidade e até confiabilidade dos serviços.

A informação foi confirmada pela STM (Secretaria dos Transportes Metropolitanos) ao Diário do Transporte que questionou a pasta nesta sexta-feira, 27 de maio de 2022, sobre como seria este “empréstimo”.

Segundo a secretaria, por meio da assessoria de imprensa, não haverá cobrança por se tratar de uma colaboração para melhorar o atendimento ao cidadão.

Entretanto, ainda segundo a STM, a concessionária vai ter de posteriormente repor estes materiais à estatal.

Como mostrou a reportagem, a CPTM vai ceder as peças e equipamentos no âmbito de um acordo fechado entre o Governo do Estado e a concessionária.

Este acordo também prevê a criação de uma força-tarefa entre o poder público e a ViaMobilidade.

Além disso, pelo que foi combinado, a CPTM vai ceder, já a partir de segunda-feira, 30 de maio de 2022, mais duas plataformas da estação Barra Funda (as de números 3 e 4) para a linha 8 operada pela concessionária formada pelos Grupos CCR (gigante de concessões) e Ruas (ligado aos ônibus municipais da capital paulista).

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/05/26/governo-de-sp-e-viamobilidade-definem-acoes-para-melhorar-linhas-8-e-9-cptm-cede-plataformas-3-e-4-da-estacao-barra-funda/

Ainda de acordo com os esclarecimentos da STM ao Diário do Transporte nesta sexta-feira (27), estas peças e equipamentos que serão cedidos não farão falta neste momento à CPTM pelo fato de a estatal ter estoque, não afetando a operação e manutenção.

A STM ainda esclareceu que o uso das duas plataformas a mais na Barra Funda também não terá custo à concessionária e será por tempo indeterminado.

Na segunda-feira (30), o Ministério Público, que investiga os problemas nas linhas, deve ouvir mais representantes da ViaMobilidade e o presidente da Comissão de Monitoramento de Concessões e Permissões da Secretaria dos Transportes Metropolitanos, Paulo Shibuya, como antecipou o Diário do Transporte.

O MP não descarta, em último caso, pedir a anulação da concessão, mas isso só se as outras medidas possíveis não surtirem efeito.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/05/19/cptm-e-viamobilidade-divergem-em-depoimento-e-mp-vai-chamar-gestor-de-contrato-pela-stm/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Alexandre disse:

    Mais uma conta pro brasileiro pagar.

  2. Alessandro disse:

    Como é fácil pegar uma concessão de trilhos aqui em São Paulo.
    Negócio de pai para filho

  3. Reinaldo Souza disse:

    Boa noite aos senhores leitores, privatização não é o problema Via Mobilidade tem que operar o sistema por 30 anos. Venceu a licitação com dinheiro de multa recebida 1 semana antes do pregão, com este dinheiro pouco mais 1 bilhão pago pelo estado de SP, “pagou” a licitação que foi pouco mais de 800 milhões e ainda sobrou troco.
    Este é o país, chamado Brasil, agora a Cptm vai ceder os equipamentos e peças a custo zero a VIA Mobilidade, me pergunto… Está certo? Quando se governa para os interesses do empresário e não do cidadão tudo parece normal, mas não é acorda povo, ministério público de SP, existe?
    A alegação é que vai beneficiar o povo? A pergunta é… O povo ou a iniciativa privada?
    Não concordo com roubalheira, corrupção e má gestão, seja por má fé ou não. A grande verdade é que a conta quem vai pagar é o povo mais uma vez. A partir do momento que se tem o direito de operar o sistema de linhas 8 e 9, foi firmado um compromisso entre estado e VIA Mobilidade (CCR), CADÊ OS INVESTIMENTOS. Cadê os direitos do trabalhador, salário baixo e corte de benefícios, pouco treinamento e falta de experiência está sendo um dos principais motivos para tantos problemas nas linhas da VIA Mobilidade.
    Um equipamento simples de via permanente ultrapassa os 100mil facilmente, falando bem por baixo. É certo fazer caridade? A CCR vai dividir o faturamento com a CPTM? ACORDA POVO!
    ESTE SISTEMA ME ENOJA, COM CERTEZA NÃO É O EXEMPLO QUE QUERO DAR A MEUS FILHOS.

  4. Ângelo disse:

    Falou tudo que a maioria do povão deveria falar…👏👏👏👏👏👏👏

Deixe uma resposta