Licitação em São Paulo: menos linhas para o centro e novo monitoramento

licitação São Paulo

Secretário de Transportes, Jilmar Tatto, explica as propostas para licitação dos serviços de ônibus em São Paulo.

Nova licitação de São Paulo prevê menos linhas até o centro e sistema renovado de monitoramento de frota
Jilmar Tatto diz que um dos objetivos do novo modelo é evitar sobreposições de linhas em corredores
ADAMO BAZANI – CBN
Além da implantação do Bilhete Único Mensal, pelo qual o passageiro por R$ 140,00 pode usar quantos ônibus forem necessários num mês, e da construção de 150 corredores exclusivos para ônibus, outro desafio do prefeito Fernando Haddad para a mobilidade urbana na Capital Paulista é a licitação do sistema municipal de transportes.
O sistema conta com cerca de 15 mil ônibus e só no ano passado, transportou 2 bilhões 915 milhões 095 mil e 482 usuários em 1331 linhas, das quais, 849 por regime de concessão e 482 de permissão.
A SPTrans – São Paulo Transportes, gerenciadora do sistema, e a Secretaria Municipal de Transportes realizaram na manhã desta sexta-feira, dia -1 de fevereiro de 2013, uma audiência pública para discutir a licitação do sistema.
Um dos objetivos anunciados pelo secretário de transportes, Jilmar Tatto, é racionalizar o sistema e diminuir a quantidade de linhas na região central de São Paulo, mas sem “reduzir a oferta para o passageiro”.
Entre as metas estão:
– Redução de sobreposições de linhas nos corredores estruturais de transportes.
– Redução no número de linhas que vão para o centro da cidade.
– Criação de linhas perimetrais, que ligam bairros e regiões, sem necessidade de passar pelo centro de São Paulo.
A infraestrutura básica do sistema não será modificada. Essa era a preocupação fundamental dos maiores empresários de ônibus que controlam boa parte das linhas em São Paulo, como José Ruas Vaz e Belarmino de Ascenção Marta.
A divisão de lotes deve continuar a mesma, mas as linhas perimetrais devem exigir alguma readequação operacional de parte destes lotes.
O secretário também afirmou que com a redução das sobreposições, a velocidade operacional dos corredores deve aumentar.
Hoje, no Expresso Tiradentes, antigo Fura Fila, a velocidade pode chegar a 25 km/h, mas na maior parte dos outros corredores, os ônibus têm um desempenho bem menor, em alguns casos não ultrapassando de 12 km/h.

licitação

licitação São Paulo

licitação São Paulo

Novo sistema de monitoramento e menos linhas para o centro de São Paulo são alguns dos pontos apresentados pela Prefeitura de São Paulo.

TECNOLOGIA:
Os transportes em São Paulo também devem contar com um novo sistema de monitoramento para controle da frota e das operações em tempo real.
Além de possibilitar uma melhor fiscalização, o sistema deve contribuir para que o passageiro tenha mais acesso às informações sobre os serviços, como localização mais precisa dos ônibus e a previsão mais correta de quando o ônibus deve passar pelo ponto.
Em relação a frota, as características vão continuar mistas: com minionibus, micro-ônibus, micrões (midionibus), ônibus convencional básico, ônibus padrão, articulado e ônibus biarticulado.
Todos, independentemente do porte, terão de apresentar equipamentos de acessibilidade para portadores de necessidades especiais.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

9 comentários em Licitação em São Paulo: menos linhas para o centro e novo monitoramento

  1. O que precisamos é MAIS linhas conectando a periferia direto ao centro. Hoje a situação é ridícula, qualquer viagem temos que fazer baldeações com imensa perda de tempo. Poderiam começar com a reativação de linhas como a Valo Velho – Bandeira e Jardim Jacira – Bandeira, além da Macedônia – Luz e Liviero – Parque Dom Pedro.
    Todos os bairros deveriam ter ligação direta por ônibus ao Centro. Os terminais deveriam ser apenas uma opção, ou então ser extintos.

    • Concordo.Sou morador da M’ Boi Mirim,bem famosa pelos protestos pela péssima situação do transporte da região.A situação é lastimável,na gestão do Kassab foi extinta praticamente todas as linha q ligava ao centro,deixando as linhas do Terminal Jd Angela superlotadas,sem falar no tempo gasto para fazer baldeações. Preferia como era antigamente linha Bairro-Centro,mas pelo visto a situação continuará a mesma

  2. ATENÇÃO PARA ESTA PARTE DA MATÉRIA – Todos, independentemente do porte, terão de apresentar equipamentos de acessibilidade para portadores de necessidades especiais, esquecerão do exceto para os ONIBUS da zona leste, que continuara a ser servida pela VIAÇÃO SUCATA (vulgo novo horizonte).

  3. esse secretario tem rabo preso com perueiros, ai inventou essa moda ai de mexer com o sistema estrutura,l e os minionibus porque num padroniza tudo com microes e onibus convencional,e as cooperativa porque num torna tudo empresas locais.

  4. Será que gilmar tatto terá coragem de tirar a novo horizonte (CONSORCIO LESTE 4) de SP?

  5. Paulo Roberto Bellini // 2 de fevereiro de 2013 às 22:45 // Responder

    Conitnuará tudo igual…inclusive a burrice do povo e safadeza de empresários e políticos…e não será de estranhar se as CooperPCC ganharem mais espaço ainda, com essa merdas de mini/midi…quem inventou isso não anda de ônibus…

    • Bellini, boa noite

      Olha o que foi dito no Post “Mais lotes de cooperativas e PMs vão ter de passar pelas catracas”

      “Mas na prática, a cidade de São Paulo terá apenas “três empresas” de ônibus.
      É que os serviços no município o sistema serão divididos em três áreas.
      Cada área será operada por uma SPE – Sociedade de Propósito Específico.
      “O modelo de consórcios operacionais foi bom, mas vai acabar, não serve mais. A prefeitura vai lidar apenas com três SPEs. Cada sociedade pode ser formada por quantas empresas ou consórcios o grupo que a constituir quiser, mas nós vamos lidar apenas com as SPEs”

      Estão tentando confundir o meio de campo; por favor qual será a previsão previsível das 3 empresas, SPE´s.

      Palpite; que tal utilizar a sua previsão somar e dividir por 3.

      O que você acha?

      Vai que cola…

      Abçs,

      Paulo Gil

  6. Amigos,
    Pelo Mapa publicado, teremos mais de 150 km de vias nos próximos 4 anos, então, acredito que o mapa não esclarece o que serão os 150km de corredores dos 150km de faixas preferenciais.
    Assim, nossos sonhos poderão ter um triste despertar .

  7. Onibus novos para a periferia., na região de Taipas e Perus só existem onibus sucateados, sujos e mal cuidados. Espero que com essa mudança mude isso também.

4 Trackbacks / Pingbacks

  1. Ônibus em São Paulo não são tão velhos desde 2006 – Diário do Transporte
  2. Gestão Doria contrata Fipe por R$ 5,9 milhões para consultoria aos editais de licitação dos ônibus – Diário do Transporte
  3. Confira as datas das audiências públicas da licitação dos ônibus nas prefeituras regionais – Diário do Transporte
  4. EXCLUSIVO: Atraso na licitação dos transportes já custou R$ 25 bilhões aos paulistanos – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: