Presidente do Chile anuncia nova identidade do Transantiago, e promete “revolução no transporte público”

Publicado em: 12 de março de 2019

“Red Movilidad” integra metrô, ônibus e sistema de bicicletas compartilhadas

ALEXANDRE PELEGI

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, apresentou nesta terça-feira, 12 de março de 2019, a nova versão do sistema de transporte público de Santiago, que alterou seu nome de Transantiago para Red (rede, em português).

Em uma atividade realizada nesta manhã, o presidente ressaltou que é um projeto “que busca mudar a raiz e melhorar o sistema de transporte público, não apenas em nossa capital, mas em todas e cada uma das regiões do Chile“.

Piñera afirmou ainda que o sistema de transporte público tem que funcionar em rede para fornecer um serviço adequado a todos os habitantes. O Red, disse o presidente, integra metrô, ônibus e Metrotren. Além disso, a “Linha Zero” do Metrô também será integrada, o que corresponde às estações de bicicletas. Com isso, ele explicou que cerca de 70% dos habitantes poderão pedalar até as estações do metrô.

De acordo com o presidente, o Transantiago será gradualmente deixado para trás, pois “era uma má política pública, e todos nós sabemos disso“.

pinera_01_redes

Estamos mudando o modelo operacional e agora as empresas se dedicarão somente a administrar os ônibus e os territórios que lhes foram concedidos, porque haverá outras empresas, independentes das operadoras, que fornecerão os ônibus, e o Estado cuidará de fornecer as garagens e as estações de parada“, afirmou Piñera.

O presidente chileno estimou que este ano 700 novos ônibus entraram no sistema, 390 dos quais cumprem as novas normas ambientais e mais de 200 são elétricos, aumentando a frota para 6.500 ônibus.

São ônibus elétricos e ecológicos padrão Euro VI, com ar-condicionado, Wi-Fi, com tomadas USB para carregamento de celular, com assentos mais confortáveis e com acessibilidade adequada”, descreveu o mandatário.

O Presidente acrescentou ainda que o sistema Red Movilidad se expandirá gradualmente para as regiões, “e em todas as regiões do Chile chegaremos com ônibus elétricos”.

Piñera afirmou que o novo sistema vai acabar com a antiga prática de que os ônibus descartados na Região Metropolitana “iam morrer nas demais regiões do país“.

Veja matéria da TV Abierta sobre a solenidade desta terça-feira, 12 de março:

Relembre matérias recentes sobre o Transantiago:

1 de março de 2019 – Voith equipará novos ônibus da Mercedes-Benz vendidos para o Transantiago, no Chile, com transmissões DIWA.6

4 de fevereiro de 2019 – Transantiago estuda tecnologia mais moderna para coibir evasão no pagamento das tarifas

28 de janeiro de 2019 – Mercedes-Benz vende 500 ônibus para o BRT Transantiago

11 de janeiro de 2019 – Marcopolo fornece 342 ônibus para Transantiago

2 de outubro de 2018 – 60 dos 100 ônibus elétricos vendidos pela BYD para o Transantiago já estão prontos na China

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Marcos disse:

    A alguns meses eu postei aqui a possibilidade de integração de ônibus, metro e as bicicletas compartilhadas, e alguns idiotas me chamaram de louco!

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    VIVA EL CHILE !

    “Piñera afirmou ainda que o sistema de transporte público tem que funcionar em rede…”

    Eu também já postei aqui faz tempo, que o modelo do buzão tem de ser em rede; mas a fiscalizadora…

    ZZZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

    ACORDA SAMPA!

    Att,

    Paulo Gil

    1. Felipe disse:

      Chega ser engraçado ler comentários de brasileiros elogiando o sistema de lá, ainda mais depois de toda essa onda de protestos e vandalismo ocorrida em outubro de 2019 e jamais vistos em nenhuma parte do Brasil. Pergunte para qualquer Santiaguino sua opinião sobre o sistema de lá e verá que será pessima. É facil o Chile oferecer integração gratuita entre Metro e onibus quando o sistema de ônibus é um lixo total. E lá até os idosos pagam passagem! E por ultimo: a quantidade de subsídios para.manter o.sistema de lá funcionando é similar a quantidade necessária pra manter o sistema de SP funcionando, só que em SP há o dobro de ônibus e com qualidade INFINITAMENTE superior. More em Santiago e comprove que tudo o que falei é verdade. Ônibus completamente pixados por dentro e por fora, vidros de janelas faltando, janelas que não fecham, evasao de tarifa em algumas linhas na ordem de 50/50, e agressões constantes aos motoristas. É um exemplo para o Brasil, não?

Deixe uma resposta