OUÇA: Doria confirma que vai privatizar CPTM e promete portas de plataforma nas estações da companhia de trens

Publicado em: 4 de janeiro de 2019

Condições das estações da CPTM foram criticadas por governador. Foto: Adamo Bazani (Diário do Transporte) / Clique para ampliar

Concessão das linhas se dará ao longo da gestão e modelo de negócio ainda será definido

ADAMO BAZANI

O governador de São Paulo, João Doria, confirmou na manhã desta sexta-feira, 04 de janeiro de 2019, que pretende conceder a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos à iniciativa privada durante seu mandato.

Em entrevista à Rádio Jovem Pan, Doria, disse que a concessão será total, ou seja, envolvendo todas as  estações.

“As estações [da CPTM] todas serão privatizadas. Ao serem concedidas, terão condições de monitoramento, de conforto e acessibilidade. As estações não são boas, aproveito para fazer aqui um registro de crítica às estações da CPTM. Elas estão distantes do padrão das estações do Metrô e terão ao longo dos quatro anos de nosso mandato o mesmo padrão das estações do Metrô e as portas de vidro [portas de plataforma] também que garantem mais segurança no acesso, no ingresso aos vagões e nas saídas também. [Além de] monitoramento eletrônico 24 horas, sem nenhuma área de sombra, além da segurança que tem de ser feita fisicamente nas estações ferroviárias, metroviárias e rodoviárias em São Paulo” – disse ao comentar a notícia sobre uma moradora em situação de rua, de 27 anos, que foi vítima de tentativa de estupro na estação Mooca da CPTM. A polícia pediu imagem das câmeras da estação, mas os equipamentos não estavam funcionando.

Ouça:

Apesar de ter citado somente estações  na entrevista, o intuito da nova gestão é conceder todo o sistema, incluindo as operações das linhas.

Não está definido se a concessão será de forma separada entre estações e operação ou se quem assumir as estações também será responsável por operar as linhas.

Como mostrou o Diário o Transporte no dia da posse de Doria, a concessão da CPTM terá desafios, como a diferença da lucratividade entre as linhas do sistema. Enquanto há ligações que se sustentam, como a 8-Diamante (Júlio Prestes – Amador Bueno) e 9 – Esmeralda (Osasco – Grajaú), outras dependem de subsídios ou repasses, como a 7 Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí) ou 10 – Turquesa (Brás – Santo André – Rio Grande da Serra).

O assunto gera impasse, o que impediu o avanço da questão ainda com Geraldo Alckmin no comando do Governo do Estado de São Paulo.

Uma das alternativas é que a iniciativa privada opere em forma de subsídio cruzado, ou seja, quem pegar uma linha lucrativa vai ter de levar também linhas com menos retorno financeiro, mas que são socialmente importantes.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/01/01/em-posse-doria-reforca-discurso-de-privatizacoes-e-conselhos-de-desenvolvimento-metropolitano-sao-oficializados/

Doria ainda disse que o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, deve logo dar uma definição sobre a continuidade das obras da linha 6-Laranja do Metrô (Vila Brasilândia – São Joaquim), que estão paradas desde 02 de setembro de 2016.

O ex-governador Márcio França decretou a caducidade do contrato com Consórcio Move São Paulo S.A, formado pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC, alvos das investigações sobre corrupção realizadas pela Operação Lava-Jato. As companhias, devido ao abalo de credibilidade, tiveram dificuldades de obter financiamentos e continuarem as obras.

Ainda na transição, Doria anunciou que uma das intenções é reverter a medida do antecessor e rival político.

Também como mostrou o Diário do Transporte, em 31 de dezembro, o Governo do Estado de São Paulo, por meio da STM – Secretaria de Transportes Metropolitanos publicou a liberação de R$ 12,93 milhões para o Metrô cuidar dos canteiros de obras paradas e fazer vigilância e manutenção preventiva das intervenções realizadas até agora na Linha 06-Laranja, fruto da primeira PPP – Parceira Público Privada integral na área de transportes que foi frustrada.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/12/31/metro-recebe-r-1293-milhoes-para-cuidar-de-obras-paradas-da-linha-06-laranja-do-metro/

Na entrevista, o governador recém-empossado, disse ainda que ao longo do seu mandato, os trens intercidades, que ligam diferentes municípios do interior, sairão do papel já com a iniciativa privada à frente.

Doria diz que há grupos econômicos interessados e que deve aproveitar o que chamou de “apetite chinês”, se referindo a empresas chinesas ligadas a produção e operação de ferrovias e ônibus elétricos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Ailton disse:

    Eu acho que não precisa disso, precisa acabar com os marretas.

    1. Dan disse:

      Acho que terá um PDV para os funcionários. E depois os que ficarem irão ter a opção de ou ir para a iniciativa privada ganhando menos ou ir pra rua.

  2. Giovanni Ricci disse:

    Para onde vão realocar 8000 funcionários concursados?
    Não precisaria privatizar tudo, bastaria demitir os funcionários comissionados que ganham muito era não fazem nada e admitir novos concursados qualificados.
    Quem for funcionario CPTM e votou no Doria deve estar completamente arrependido kkk

  3. Alfredo disse:

    Doria vendendo o estado, funcionários em perigo, não poderia ser pior, os empresários estão rindo de felicidade com um governo que quer se livrar de governar

    1. Lucas Portioli disse:

      Nenhum funcionário da CPTM votou no Dória, a não ser os que querem PDV. Márcio França era o nosso candidato, eu trabalho na CPTM.

  4. Rodrigo Zika! disse:

    Privatizar tudo acho desnecessário, o que precisa e de empresas que façam a manutenção correta, e a tecnologia diminua os intervalos dos trens, além de corrigir a velocidade em trechos que fiam lentos sem motivo algum, mais quanto as portas na plataforma concordo que deve ter, veremos o que isso vai dar, começou errado sr Dória.

  5. Tiagodetiagodeoliveira2018@gm disse:

    Sim. Eu. Sou a favor da .Privatização sim por que so assim para ter . um traspote melhor……..

    1. Carlos Lino de Santana disse:

      Concordo com vc muitos trechos da CPTM tem um perfil de via dos tempos da Maria Fumaça e os os desvios são muito curtos e o trem tem de fazer troca de via em velocidade reduzida para não descarrilar e o sistema de sinalização e muito arcaico isso tudo gera um grande investestimento ,coisa que quem assumir a ferrovia não vai fazer então sem esperanca de melhoras a curto prazo

  6. Euclides disse:

    Contra governo privatização não temos trem sorocaba Botucatu depois governo privatizou transporte carga entrego empresa de logística sucatiaarao malha ferroviária interior tudo setor empresário transporte turismo se da bem fim mundo para alguma empresa estatais até serve privatização setor ferroviário será rum olha como ferrovia não mudo nada só piorou no meu estado Rio janeiro

  7. Carlos Lino de Santana disse:

    Portas de plataforma e estações com padrão metrô em 4 anos e tem gente acreditando AFF !!!
    As linhas que pertencem a a CBTU podem ser privatizadas pelo estado?

  8. Jose disse:

    Sr. Doria, vc não sabe e nem conhece a Cptm, e muito menos deve andar de trem, pra estar falando tanta besteira.

  9. Ricardo disse:

    Muitos falando bobagem sem nem saber de nada, todos os funcionários serão alocados pela iniciativa privada, o que muda é que o estado n ira mais cuidar do serviço.CHEGA de dinheiro publico pra manter estado ineficiente e CORRUPTO !

  10. Francisco Arlindo Alves disse:

    Um exemplo de privatização é a Vale do Rio Doce. No transporte outro belo exemplo é o consórcio Via amarela. Aquela do desabamento da estação Pinheiros pelo qual ninguém não foi punido.

  11. Pingback: A CPTM e o regime de guerra urbana - LabCidade

Deixe uma resposta