Outra emenda parlamentar propõe mais R$ 85 milhões para o BRT do ABC

Promessa é que BRT tenha ônibus elétrico. Foto meramente ilustrativa

Já é segunda dotação sugerida no Orçamento para 2021. Há também uma proposta de R$ 200 milhões

ADAMO BAZANI

Mais uma proposta de emenda parlamentar ao projeto de lei do governador João Doria sobre o Orçamento do Estado para 2021 pretende ampliar os recursos para o projeto e construção do BRT ABC, um sistema que, se for mesmo como anunciado pela gestão, contará com ônibus rápidos de maior capacidade em corredores com estações fechadas de embarque e desembarque. As obras deveriam ter começado no primeiro semestre de 2020, de acordo com as estimativas iniciais.

O BRT foi escolhido, na versão da gestão João Doria, devido aos altos custos de implantação e operação, além da complexidade de obras, de um monotrilho que originalmente foi proposto para fazer a ligação entre São Bernardo Campo, Santo André, São Caetano do Sul e São Paulo. (Veja o histórico abaixo)

Desta vez a proposta de mais recursos é de autoria do deputado Thiago Auricchio e foi publicada oficialmente nesta sexta-feira, 06 de novembro de 2020. O parlamentar pede R$ 85 milhões para o projeto.

Na justificativa, Auricchio diz que o BRT passou a ser prioridade em relação a projetos de mobilidade para o ABC Paulista.

“Uma vez definido pelo Governo Estadual como o modal a ser adotado para melhorar o transporte da região do ABC, o BRT Metropolitano passou a ser prioridade para os moradores. Logo, para que essa prioridade se reverta em ações concretas, o orçamento estadual precisa estipular valor, ainda que inicial, compatível para a elaboração dos projetos básico e executivo, licenciamento ambiental, desapropriação e execução de obras”

Como mostrou o Diário do Transporte, na quinta-feira, 05 de novembro de 2020, foi publicada a proposta de emenda ao projeto de Orçamento de Doria de autoria do deputado Teonilio Barba que sugere R$ 200 milhões para o sistema.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/11/05/emenda-parlamentar-quer-transferir-r-200-milhoes-para-o-brt-abc/

Originalmente, João Doria, de forma simbólica, reservou R$ 10 (dez reais) para o BRT Metropolitano ABC-Paulista, o que gerou críticas na região que há décadas possui apenas duas ligações de transporte público de maior capacidade para a capital: a linha 10-Turquesa da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (Rio Grande da Serra/Brás) e o Corredor Metropolitano ABD de ônibus e trólebus operados pela Metra (São Mateus/Jabaquara e Diadema/Brooklin).

A votação do Orçamento e das emendas precisa ser concluída até o fim de dezembro.

Na mais recente ocasião em que falou sobre o tema, em 01º de outubro de 2020, em agenda pública, o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, afirmou que o projeto do BRT do ABC está em andamento, mas diferentemente das vezes anteriores, não arriscou anunciar uma data de apresentação do projeto.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/10/01/audio-secretario-baldy-diz-que-projeto-do-brt-para-o-abc-esta-em-andamento-mas-nao-confirma-data-de-inicio-das-obras/

As obras deveriam ter começado no primeiro semestre de 2020, conforme promessa do Governo do Estado de São Paulo aos prefeitos do Consórcio Intermunicipal ABC feita em setembro de 2019.

https://diariodotransporte.com.br/2019/09/12/https-diariodotransporte-com-br-2019-09-12-brt-do-abc-deve-ter-obras-iniciadas-no-primeiro-semestre-de-2020-e-ira-ate-o-sacoma/

Em 16 de outubro de 2020, a STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo formalizou a exclusão do da Concessionária do Monotrilho da Linha 18-Bronze S/A (Consórcio VemABC) do convênio para integração entre os diferentes sistemas de transportes da Grande São Paulo.

HISTÓRICO:

O BRT ABC foi escolhido como meio de transporte para substituir um monotrilho (linha 18-Bronze) entre as cidades de São Bernardo do Campo, Santo André, São Caetano do Sul e a zona Sudeste da capital da paulista.

Na alegação da gestão estadual, a substituição foi a escolha mais acertada diante do alto custo de implantação da linha 18-Bronze, que poderia se aproximar de R$ 6 bilhões ainda de acordo com cálculos do Governo do Estado, sendo R$ 1 bilhão somente em desapropriações.

A possibilidade de substituição do monotrilho pelo BRT já tinha sido levantada pela primeira vez pelo governador João Doria em março de 2019.

Em julho de 2019, Doria anunciou a troca do monotrilho por um BRT (ônibus rápidos em corredores), que, ainda segundo o anúncio, poderia ficar entre oito e 10 vezes mais barato que o monotrilho e com capacidade de transporte semelhante.

O projeto de BRT deveria ter sido apresentado no fim de 2019 e a promessa era de que as obras fossem iniciadas ainda no primeiro semestre de 2020, mas nada disso ocorreu.

A promessa do Governo do Estado de São Paulo chegou a ser feita aos prefeitos do Consórcio Intermunicipal ABC feita em setembro de 2019.

https://diariodotransporte.com.br/2019/09/12/https-diariodotransporte-com-br-2019-09-12-brt-do-abc-deve-ter-obras-iniciadas-no-primeiro-semestre-de-2020-e-ira-ate-o-sacoma/

O trajeto do BRT deve contemplar as cidades de São Bernardo do Campo, Santo André, São Caetano do Sul, São Paulo (até Terminal Sacomã). O monotrilho “pararia” antes, indo até a Estação Tamanduateí.

Diário do Transporte mostrou que a Secretaria dos Transportes Metropolitanos publicou o Extrato de Extinção de Contrato na edição do Diário Oficial do Estado de São Paulo em 06 de agosto de 2020. Sendo assim, a contratação com o Consórcio Vem ABC, que faria o monotrilho foi extinto formalmente.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/08/07/estado-de-sao-paulo-formaliza-nesta-quinta-06-extincao-de-contrato-do-monotrilho-da-linha-18-do-abc/

Em 16 de outubro de 2020, a STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo formalizou a exclusão do da Concessionária do Monotrilho da Linha 18-Bronze S/A (Consórcio VemABC) do convênio para integração entre os diferentes sistemas de transportes da Grande São Paulo.

Fazem parte do convênio a São Paulo Transporte S.A. (que gerencia os ônibus municipais da capital paulista), Companhia do Metropolitano de São Paulo- Metrô, CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, Concessionária da linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo (Via Quatro), Concessionária das linhas 5 de metrô e 17 de monotrilho  de São Paulo.

No dia 04 de novembro de 2020, o deputado Teonilio Barba apresentou emenda ao projeto de lei 627 do Executivo que fixa o Orçamento para 2021.

Originalmente, João Doria, de forma simbólica tinha reservado R$ 10 (dez reais) para o BRT Metropolitano ABC-Paulista, o que gerou críticas na região que há décadas possui apenas duas ligações de transporte público de maior demanda para a capital: a linha 10-Turquesa da trens da CPTM (Rio Grande da Serra/Brás) e o Corredor Metropolitano ABD de ônibus e trólebus operados pela Metra (São Mateus/Jabaquara e Diadema/Brooklin).

No dia 06 de novembro, foi publicada oficialmente proposta de emenda do deputado Thiago Auricchio que pede R$ 85 milhões para o projeto.

Na justificativa, Auricchio diz que o BRT passou a ser prioridade em relação a projetos de mobilidade para o ABC Paulista.

“Uma vez definido pelo Governo Estadual como o modal a ser adotado para melhorar o transporte da região do ABC, o BRT Metropolitano passou a ser prioridade para os moradores. Logo, para que essa prioridade se reverta em ações concretas, o orçamento estadual precisa estipular valor, ainda que inicial, compatível para a elaboração dos projetos básico e executivo, licenciamento ambiental, desapropriação e execução de obras”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta