SPTrans diz que 99,18% das linhas de ônibus transportaram passageiros sentados nesta sexta-feira (12)

Ônibus transportaram "lotação de banco" segundo gerenciadora

Paralisação da Pêssego Transportes pode ter impedido 100% das viagens sem usuários em pé

ADAMO BAZANI

Quase todas as viagens de ônibus municipais na manhã desta sexta-feira, 12 de junho de 2020, na capital paulista se deram com passageiros sentados, mesmo com a retomada de atividades nesta semana, como comércios de rua, imobiliárias e shoppings.

A informação é da SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora do sistema municipal de ônibus.

Segundo a empresa da cidade, 99,18% das linhas municipais transportaram apenas pessoas sentadas, conforme recomendação da SMT  – Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes para reduzir o risco de contágio pela Covid-19 nos ônibus municipais.

A situação só não foi melhor devido à paralisação de parte das linhas da empresa Pêssego Transportes Urbanos que opera o lote 05 do subsistema de Distribuição Local – D 5 (Área Operacional Leste 1) e surgiu da antiga Transcooper Leste.

Como mostrou o Diário do Transporte, nesta sexta-feira a paralisação na empresa chegou ao quinto dia e afetou dez linhas.

A SPTrans informou que obteve uma decisão judicial prevendo de R$ 100 mil por dia à Pêssego Transportes e ao Sindmotoristas caso não houvesse a prestação de 100% dos serviços programados nos horários de pico e de 90% nas demais horas.

Os trabalhadores reclamam de atrasos de pagamentos e contra parte da atual diretoria.

Entre as regiões atendidas pela companhia estão Itaquera, Cohab José Bonifácio, Cohab José Bonifácio, Aricanduva e Artur Alvim, entre outras.

As dez linhas transportaram 21,2 mil passageiros por dia útil, em média, na primeira semana de junho, segundo a SPTrans.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/12/pessego-transportes-entra-no-quinto-dia-de-paralisacao-parcial-mesmo-com-multa-diaria-de-r-100-mil/

Ainda de acordo com a gerenciadora dos transportes, a frota de ônibus na sexta-feira é de 11.828 veículos ou 92,31% da frota operacional para atender 1.266 linhas em operação e uma demanda de 1,3 milhão de pessoas registrada na quarta-feira desta semana.

Nesta semana, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, ameaçou demitir  o secretário de transportes Edson Caram, se houvesse ainda pessoas transportadas em pé.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/08/bruno-covas-diz-que-se-ate-sexta-feira-ainda-estiverem-passageiros-em-pe-nos-onibus-vai-demitir-secretario-de-transportes/

E na tarde desta sexta-feira, 12 de junho, Caram pediu demissão e Bruno Covas aceitou, de acordo com a prefeitura, como noticiou o Diário do Transporte

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/12/edson-caram-pede-demissao-e-bruno-covas-aceita/

Confira a nota completa da SPTrans:

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes e da SPTrans, esclarece que houve orientação para que as empresas concessionárias de ônibus realizem viagens sem exceder a capacidade máxima de passageiros sentados. A recomendação foi feita com base no escalonamento na entrada e saída dos trabalhadores dos comércios e serviços autorizados a funcionar novamente de forma presencial.  O objetivo é reduzir a disseminação do vírus.

A eficiência da recomendação de transportar passageiros sentados está em 99,18% das linhas municipais. A frota de ônibus na sexta-feira (12/06) é de 11.828 carros ou 92,31% da frota operacional para atender 1.266 linhas e uma demanda de 1,3 milhão de pessoas registrada na quarta-feira (10/06).

Em reunião na sede da SMT, na quarta-feira (10), com a presença de representantes das empresas concessionárias e do sindicato dos motoristas e trabalhadores do sistema, as partes reconheceram a impossibilidade de retorno de toda a frota neste momento, considerando o percentual de mão de obra afastada por integrar o grupo de risco de contágio da Covid-19.

Vale lembrar que a manifestação de funcionários da Pêssego Transportes continua prejudicando a operação das linhas de ônibus da empresa, sendo que 10 delas estão com a circulação interrompida nesta sexta-feira (12). Somadas, estas linhas transportaram 21,2 mil passageiros por dia útil, em média, na primeira semana de junho.

A SPTrans obteve liminar junto à Justiça do Trabalho, que determinou o retorno de 100% dos serviços operados pela Pêssego Transportes no horário de pico e 90% fora do pico, sob pena de multa de R$ 100 mil ao sindicato e à empresa operadora. A SPTrans entende como fundamental o retorno das linhas paralisadas, considerando o transporte público como serviço essencial, especialmente durante o período de quarentena, para evitar a aglomeração de pessoas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. MAURICEIA SOUZA disse:

    Eu fui em pé não tinha uma poltrona vazia e também tinha mais passageiros em pé além de mim.

Deixe uma resposta