Metrô habilita chinesa BYD para fornecer trens do monotrilho da Linha 17

Obras da Estação Morumbi do Monotrilho Linha 17-Ouro

Consórcio da TTrans e Bom Sinal foi inabilitado na concorrência

ALEXANDRE PELEGI/ADAMO BAZANI

(((( PUBLICADO ORGINALMENTE ÀS 06H06 DO SÁBADO, 01º DE FEVEREIRO DE 2020  ))))

O Consórcio Signalling, que ofereceu a melhor proposta na Licitação Internacional da Linha 17-Ouro, realizada no dia 07 de outubro de 2019, foi inabilitado pela Companhia do Metrô de SP após análise das propostas e documentos. Relembre: Primeira mão: Consórcio Signalling oferece menor preço para fornecimento de trens em licitação da Linha 17-Ouro

O Consórcio é composto por duas empresas nacionais – Ttrans e Bom Sinal – e uma empresa suíça, a Molinari.

O único habilitado foi o Consórcio BYD SKYRAIL São Paulo, formado pelas chinesas BYD do Brasil Ltda; BYD Auto Industry Company Limited e BYD Signal & Communication Company Limited.

Além dos trens, a licitação engloba o fornecimento do sistema de sinalização, controle de trens e portas de plataforma.

Segundo a Companhia do Metrô, o processo administrativo encontra-se franqueado para vistas, a partir de segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020, na Rua Boa Vista, 175, 3º Andar.

A publicação está no Diário Oficial do Estado deste sábado, 1º de fevereiro de 2020.

Cabe recurso administrativo.

linha17_signalling


O proprietário da empresa T’Trans, Sidnei Piva de Jesus, que integra o Consórcio Signalling, havia informado em 18 de dezembro de 2019 ao Diário do Transporte que conseguira a garantia financeira  para o projeto da Linha 17-Ouro. Relembre: EXCLUSIVO: T’Trans consegue garantia financeira para linha 17 do monotrilho e diz ter três trens prontos

Itapemirim é palco de disputa entre sócios

Sidnei Piva é o atual diretor-presidente das empresas do Grupo da Viação Itapemirim. A empresa de ônibus foi fundada em 1946 por Camilo Cola e está em recupração judicial desde março de 2016. Em dezembro de 2016, as companhias do grupo passaram a ser contradas por novos sócios, entre os quais, Sidnei Piva de Jesus e Camila de Souza Valdívia. Camilo Cola alega que foi vítima de um “golpe” e que sua intenção não foi vender a empresa.

Sidnei controla a Itapemirim após decisão da justiça de São Paulo em dezembro de 2019 que destituiu da direção a sócia Camila de Souza Valdívia, após denúncias de má gestão e supostas fraudes.

Piva e Camila estão em rota de colisão e travam na justiça uma verdadeira queda de braços pela Itapemirim.

Postagens em redes sociais e aplicativos de mensagens por admiradores da empresa,que já foi a maior do setor rodoviário, funcionários e ex-funcionários acabam fomentando ainda mais esta disputa.

ANÁLISE DA CAPACIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA E AVALIAÇÃO TÉCNICA

Um dos critérios que inabilitou o Consórcio Signalling foi o da avaliação da capacidade econômico-financeira. A proponente não atendeu aos requisitos de qualificação econômico-financeira estabelecidos no edital de licitação no tocante ao patrimônio líquido mínimo:

Outro problema apontado pela análise do Metrô de São Paulo foi a não comprovação por parte do Consórcio Signalling do fornecimento de sistema de sinalização CBTC, com grau de automação UTO (Unattended Train Operation – operação sem a presença de um operador nos trens):


LINHA 17-OURO

O vencedor do certame será o responsável por fornecer 14 trens para a linha 17-Ouro do monotrilho.

A concorrência engloba também a instalação de portas de plataforma nas oito estações da linha e os equipamentos para o sistema de alimentação elétrica, aparelhos de mudança de via e de manutenção dos trens.

É a última etapa para a conclusão da linha que deveria ter sido entregue em 2014.

Já as obras de conclusão das estações do monotrilho, conforme divulgado pela Companhia de Metrô de São Paulo no dia 11 de setembro de 2019, serão assumidas pela Constran Internacional Construções S.A., como mostrou o Diário do Transporte, relembre: Metrô seleciona Constran para concluir obras de estações do monotrilho da linha 17 Ouro

O contrato envolve as obras civis remanescentes, acabamento, paisagismo, comunicação visual, instalações hidráulicas, implantação de ciclovia, recapeamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho e fabricação e lançamento das vigas que vão sustentar os trens leves que circulam com pneus.

FALÊNCIA DA SCOMI

O Metrô de São Paulo havia informado no dia 11 de julho de 2019 que a licitação internacional seria para a compra de 14 trens e dos sistemas de sinalização para a linha 17-Ouro do monotrilho. Relembre: Metrô lança licitação para compra de trens, portas de plataforma e sistemas do monotrilho da Linha 17-Ouro

A Scomi, empresa da Malásia que iria fabricar as composições, entrou em processo de falência.

A concorrência engloba também a instalação de portas de plataforma nas oito estações da linha e os equipamentos para o sistema de alimentação elétrica, aparelhos de mudança de via e de manutenção dos trens.

Em nota, o Metrô explicou que o novo contrato vai substituir a contratação do Consórcio Monotrilho Integração (CMI).

Essa nova contratação vai substituir o Consórcio Monotrilho Integração (CMI), cujo acordo foi rescindido este ano pela atual gestão do Metrô, após constantes atrasos e redução no ritmo dos trabalhos pelo consórcio. Os problemas também levaram a aplicação de multas no valor de R$ 88 milhões, além da suspensão das empresas integrantes do consórcio de novas licitações e contratos com a administração estadual de São Paulo pelo período de dois anos.

A OBRA

A linha 17 Ouro do monotrilho deveria ter 17,7 quilômetros de extensão, com 18 estações entre Jabaquara, Aeroporto de Congonhas e região do Estádio do Morumbi. O valor orçado em junho de 2010 era de R$ 2,64 bilhões, sem valores futuros referente aos reajustes contratuais, aditivos e novas contratações necessárias para implantação dos empreendimentos.

O custo então passou para R$ 3,17 bilhões – cifra que não inclui as estações previstas no primeiro trecho, com extensão de 7,7 quilômetros.

Em junho de 2018, o valor para conclusão das obras foi projetado em R$ 3.74 bilhões, com previsão para a entrega de oito estações até dezembro de 2019, o que pode ser reformulado com a eventual saída da Scomi.

O monotrilho não deve num primeiro momento servir as regiões mais periféricas.  Assim, os trechos entre Jabaquara e a Aeroporto de Congonhas e entre depois da Marginal do Rio Pinheiros até a região do Estádio São Paulo-Morumbi, passando por Paraisópolis, estão com as obras congeladas.

Com este congelamento, não haverá as conexões prometidas com a linha 4 Amarela do Metrô na estação São Paulo – Morumbi, e nem com estação Jabaquara e da Linha 1 Azul do Metrô e Terminal Metropolitano de Ônibus e Trólebus Jabaquara, do Corredor ABD. Segundo o site do próprio Metrô, quando estiver totalmente pronto, este sistema de monotrilho atenderá 417,5 mil passageiros por dia.

Alexandre Peleg e Adamo Bazani, jornalistas especializados em transportes

 

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Quando será que “certos Governadores” haverão de ser mais econômicos em tempo de construção, quando uma cidade como a nossa se transforma do dia pra noite enquanto se demora 8,9,10 anos pra concluir uma obra de essencial importância, para a população? Essa demora, pelo que vejo e penso, é para cada vez mais seus construtores estarem mais interessados no lucro, pois ninguém quer prejuizo. Muitas delas ultrapassaram cotas de verbas, e hoje se mantém pelo maior dos cofres brasileiros, haja visto que desde priscas eras de Ademar, ou talvez, Prestes Maia, obras e obras aqui são de maior monta para elas,,,não bastasse escândalos divulgados, escancaradamente, em 1994 pela Revista Veja,,,,quando Orestes Quércia foi governador. Na sua gestão eu estava lá, eu vi absurdos como montanha gigantes de concreto onde hoje tem o Pq Villa Lobos, eu fui in loco ver as obras da futura sede da Eletropaulo (tão desnecessário), ali na Marginal Pinheiros-justamente a obra que faliu o Banespa, por conta da Camargo Correia(a placa estava lá-fotografei-a, e que posteriormente ficou abandonado, logo depois sendo vendido justamente ao banco espanhol que acabou criando sua sede espelhada, a preço de 1,2 bi…Portanto meus caros amigos, eu não acredito mais em nenhum governador do meu estado…eles são manipulados pelas grandes corporações..(vejam a obra ali na avenida Francisco Morato,,,,vai demorar e já foram 3 bilhões)

  2. Jens disse:

    Esse cidadão está usando a marca Itapemirim para alavancar recursos para suas empresas entre elas a ttrans.ele da entrevistas falando que vai raiva e a Itapemirim, que vai quitar as dívidas com recursos próprios,sabemos que a empresa em seu momento atual não tem como pagar as dívidas com recursos próprios,pois não tem caixa pra isso,o senhor Sidnei dia que tem mais de 40 milhões em caixa para quitar dívidas trabalhistas.ai vem a pergunta ,se ele tem realmente esse dinheiro em caixa,por que não paga de imediato,porque esperar até fim de abril..pois algo de errado tem..E a justiça não vê isso..agora por fim ,recebeu um convite para ir a dubai, para alavancar recursos para empresa,mas na verdade sabemos que ele vai buscar recursos para suas outras empresas ,não para Itapemirim.. esse cidadão está querendo e os patrimônios da Itapemirim para investir em suas empresas,e os funcionário e outros credores ficarao a ver navios ,sem nada…E mais uma da administração Piva,e a falta de pagamento pagamento dos prestadores de serviços, que alega o atrasos em seus pagamentos,e ameaça o retirar toda sua frotas alugadas para Itapemirim,pois só a Capanema tem mais de 50 veículos,se isso vier mesmo a acontecer não terá como a empresa arcar com seus horários diários.tudo que dona Camila valdivia fez em prol da empresa esse cara está acabando ,todo contratos feitos estão sendo cancelados pelo Sidnei, e a má administraca do Sidnei já chegou até os funcionários,vários forao mandados em bora por pura perseguição,só por causa de alguns funcionários apoiarem dona Camila,vários seguranças particular armados dentro da garagen de São Paulo, intimidado e coagido funcionários,está proibido o uso de celular nas dependências da empresa,por ordem de Sidnei ,acho que pra tal coisa e por que está querendo esconder algo ..todos seguranças que estão dentro da empresa de São Paulo são particular do senhor Sidnei, só entra na garagencom com autorização direta de Sidnei,ex funcionários estão proibidos de entrar na empresa assim como dona Camila valdivia,e isso é um absurdo..salários de funcionários estao vindo errado,prova disso é que o contra chek do mês de janeiro não foi entregue aos funcionários,pois estão escondendo o verdadeiro motivo dos pagamento ter vindo tão baicho..contra chek e um direito de todos os funcionários…esse cara mandou funcionários, motoristas em bora de madrugada .,alguns casos que acontecerão recentemente,um motorista foi tirado da direção em campos por vou te de 2 da madrugada e foi informado que estava sendo dispensado ,e não fazia mais parte do quadro de funcionários,e outro em pleno dia de Natal ,feriado também foi despensasdo,entre outros..isso e um absurdo o desmando desse cara ,tudo isso por perseguição …E infelizmente vem um juis e tira uma pessoas que vestiu a camisa da empresa,que estava fazendo um excelente trabalho a frente da empresa,e da plenos poderes a um cara que só pensa em si próprio, querendo usar a marca Itapemirim,para alavancar fundos para suas empresas,,,,e com tudo isso ser a o fim da Itapemirim…tomara que a justica8 intervém antes que seja tarde de mais…

  3. Rodrigo Zika! disse:

    Achei curioso a BYD vencer, como ela já atua no mundo todo com ônibus elétricos e outros meios de transporte acho que podemos dar uma chance, espero que se sair o tal PMI do corredor Radial Leste, ela ganhe também.

  4. Tiago disse:

    depois de tantas idas e vindas dessa história e das de outras linhas, nas quais os homens de bem assinam o papel se comprometendo a executar o projeto e na hora que lhes convém eles pulam para fora do barco, eu não me surpreenderia se houvesse uma nova licitação daqui uns tempos e a Alston ou Bombardier a vençam por um valor bastante superior ao que é oferecido hoje, já nas vesperas de inauguração da linha, em contratos emergenciais. Vamos ver. Eu truco!

Deixe uma resposta