Metrô SP adia licitação da estação Jardim Colonial da linha 15-Prata

Monotrilho da linha 15-Prata será menor que o previsto e vai deixar de servir áreas periféricas.

Aviso de retificação foi publicado no Diário Oficial desta sexta-feira, dia 19 de outubro de 2018

ALEXANDRE PELEGI

jardim colonialConforme aviso de retificação publicado no Diário Oficial desta sexta-feira, dia 19 de outubro de 2018, o Metrô de São Paulo adiou os prazos da licitação de execução das obras civis da Estação Jardim Colonial da Linha 15-Prata.

Segundo a publicação, a sessão pública de recebimento de propostas e abertura de envelopes, anteriormente marcada para a próxima segunda-feira, dia 22 de outubro, passou para o dia 30/11, às 10h.

Na sequência, todas as outras datas foram alteradas: a data-limite para pedido de esclarecimentos passou para o dia 9 de novembro; a data para resposta aos pedidos de esclarecimentos ficou marcada para 23 de novembro; e a data-base dos preços ofertados deverá ser 1º de novembro, mês de apresentação das propostas.

A licitação é do tipo menor preço e o valor de orçamento estimado pela companhia é de R$ 92,5 milhões (data-base 1º de junho).

CONCORRÊNCIA:

O edital foi divulgado no dia 14 de setembro deste ano, e refere-se à execução de obras civis na Estação Jardim Colonial e implantação de paisagismo, iluminação, ciclovia e adequação do sistema viário no trecho compreendido entre as estações São Mateus e Jardim Colonial. Relembre: Metrô de São Paulo lança edital para construção da estação Jardim Colonial da linha 15 Prata de monotrilho

A empresa vencedora da licitação deverá elaborar um projeto executivo contemplando projetos de desvio de tráfego; projeto de obra civil para implantação da ciclovia; projeto para adequação do sistema viário; projetos de iluminação da ciclovia; projetos de sinalização horizontal, vertical e semafórica; e projetos de reurbanização e paisagismo.

O contrato tem vigência de 28 meses a contar da assinatura. Os serviços têm prazo de execução de 24 meses, a partir da emissão da primeira Ordem de Serviço (OS), que deverá ser emitida no máximo em 30 dias a contar da data de assinatura do contrato.

LINHA 15-PRATA

A Linha 15-Prata está em operação desde agosto de 2014 em um trecho de 2,3 quilômetros, ligando as estações Vila Prudente e Oratório.

Em abril de 2018 foram entregues as estações São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói e Vila União, que funcionam até hoje em operação assistida, com horário reduzido.

O secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Clodoaldo Pelission, chegou a prever em agosto deste ano que a estação Jardim Planalto seria entregue entre setembro e outubro, e até o final do ano viriam as estações Fazenda da Juta, Sapopemba e São Mateus.

De todas estações da Linha 15-Prata, a estação Jardim Colonial é a única que ainda não entrou em obras.

Há um ano, outubro de 2017, em reunião ordinária do conselho diretor de Programa Estadual de Desestatização, a gestão Alckmin começava a preparar a minuta do edital para concessão à iniciativa privada do monotrilho da zona leste da capital paulista

Nessa reunião ficou definido que a concessão seria por 20 anos, e que o maior valor de outorga seria utilizado como critério para definir a empresa ou consórcio vencedor, com lance mínimo de R$ 153,3 milhões.

Após adir por duas vezes a concessão de toda a linha para a iniciativa privada, a estimativa agora que ela venha a ocorrer no dia 22 de novembro. Relembre:

Metrô adia recebimento de propostas para concessão do monotrilho da linha 15-Prata

Metrô adia pela segunda vez recebimento de propostas para concessão do monotrilho da linha 15-Prata

Ao todo, a licitação recebeu mais de 150 questionamentos de empresas interessadas em participar da concorrência. Relembre: Licitação da linha 15-Prata de monotrilho recebe mais de 150 questionamentos e sobreposição com ônibus gera dúvida

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: