Rota 2030 prevê apoio a veículos elétricos, mas governo sofre pressão por mais benefícios para montadoras

Foto: divulgação

Parlamentares querem extensão de subsídio às empresas que se instalarem nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste

ALEXANDRE PELEGI

Após muita celeuma dentro do próprio governo, Michel Temer prepara-se finalmente para lançar o Rota 2030. O programa, que vem sendo debatido há mais de 1 ano, define metas e benefícios para montadoras instaladas no Brasil. O governo tem pressa no anúncio, já que a partir da próxima semana as regras da legislação eleitoral passam a restringir a propaganda oficial.

O Rota 2030 deveria sair logo quando se encerrou o “Inovar Auto”, que estava em vigor desde 2013. No entanto, impasses entre os ministérios da Fazenda e da Indústria provocaram mais de 100 reuniões entre governo, fabricantes de veículos e autopeças.

O novo programa automotivo prevê incentivos tributários limitados para empresas do setor automotivo que investirem em pesquisa e desenvolvimento no Brasil. Os benefícios fiscais foram calculados em R$ 1,5 bilhão/ano, teto definido pela equipe econômica diante de um cenário de obediência ao ajuste fiscal.

Na contramão do programa, no entanto, deputados das regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste pressionam o governo federal para mais concessões para o setor automobilístico, o que, segundo estima matéria publicada na Folha de SP de hoje, provocariam um impacto de R$ 1,8 bilhão/ano.

O que os deputados cobram é a promessa feita presidente Michel Temer de prorrogar, por cinco anos, os benefícios fiscais para a indústria automobilística nas regiões. Logo, um impacto total de R$ 9 bilhões, seis vezes mais que todo o programa Rota 2030.

A promessa de Temer foi verbalizada em março deste ano, em visita à fábrica da Fiat Chrysler em Pernambuco. No evento Temer prometeu prorrogar os incentivos regionais, que vencem em 2020, por mais cinco anos. A ampliação dos subsídios beneficiaria empresas que se instalarem nessas regiões.

A pressão dos parlamentares se concretizou em reunião entre deputados e senadores com o presidente Michel Temer realizada nesta terça-feira, dia 3 de julho. O secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, participou do encontro.

A promessa de Temer deixou o governo numa saia justa às vésperas do anúncio do tão postergado programa Rota 2030. Os parlamentares pressionam para que a extensão dos benefícios regionais seja anunciada juntamente com o Rota 2030.

A estratégia da equipe econômica, diante do grave quadro de crises nas contas públicas, é não prorrogar benefícios que forem vencendo. A Receita Federal estima que os incentivos tributários consomem 4% do PIB (Produto Interno Bruto), enquanto a média mundial alcança a metade disso, 2%.

ELETROMOBILIDADE E MOBILIDADE URBANA TERÃO APOIO DO ROTA 2030

O Rota 2030 prevê estimular o aumento da frota de veículos menos poluentes. Para isso, o programa propõe reduzir as alíquotas de IPI de elétricos e híbridos. Atualmente estes veículos sofrem taxação de até 25%.

A redução de IPI será proporcional ao peso e eficiência do motor: 7%, 11% e 18% no caso dos veículos elétricos; 9%, 11% e 18% para os híbridos.

Já os fabricantes de veículos convencionais deverão atingir meta de eficiência de 15%, e ganharão em troca descontos de um ponto percentual no IPI. Para uma taxa de 17% de eficiência, os fabricantes receberão mais dois pontos percentuais, que é o limite máximo.

O Rota 2030 prevê lançar o Programa Nacional de Eletromobilidade, definidor do marco regulatório para um mercado voltado a mais veículos elétricos e híbridos. Já existe uma discussão em curso sobre a quem caberá a construção de postos de recarga para carros elétricos no país – se ao setor privado ou ao governo. A recarga de veículos elétricos já foi  regulamentada pela Aneel.

Ao contrário de vários países o Brasil ainda engatinha no mercado de veículos elétricos, contabilizando apenas 3.000 veículos em 2017.

A China, grande produtora global desse tipo de veículos, produziu 1 milhão de motores elétricos. Para 2022 o país asiático prevê colocar 5 milhões de motores por ano no mercado, o que corresponde à capacidade atual de toda a indústria brasileira.

Para estimular projetos de mobilidade urbana o Rota 2030 prevê criar um fundo com recursos provenientes da arrecadação do Imposto de Importação de autopeças. A estimativa inicial deste fundo é de R$ 250 milhões, que corresponde aos 2% de imposto sobre as importações no ano.

Leia também:

Frente Parlamentar vai lutar por incentivos para a indústria de veículos elétricos

Bloomberg diz que até 2025, mundo terá 1,2 milhão de ônibus elétricos

Grandes marcas se unem para abrir 400 estações de recarga de veículos elétricos na Europa

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

1 Trackback / Pingback

  1. Câmara dos Deputados aprova texto principal do Rota 2030 – Diário do Transporte

Deixe uma resposta