Governador de Minas Gerais confirma que ataques a ônibus partem de facção criminosa

Em Uberaba, 33 suspeitos foram presos ou apreendidos por envolvimento nos incêndios a ônibus e prédios públicos.

Segundo informações do Estado, 50 veículos do transporte coletivo foram danificados em 26 cidades desde domingo

JESSICA MARQUES

O Governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, confirmou que os ataques a ônibus que ocorreram no estado nos últimos dias partem de uma facção criminosa que atua em todo o país. As informações foram divulgadas em entrevista coletiva, nesta terça-feira, 5 de junho de 2018.

Pimentel disse que o motivo dos ataques é a insatisfação do grupo com o rigor adotado no sistema prisional do estado mineiro. O Governo do Estado informou que 50 veículos do transporte coletivo foram danificados em 26 cidades desde domingo, 3 de junho.

Além dos ônibus danificados, locais públicos também foram atacados. Até o momento, 47 pessoas foram detidas, inclusive adolescentes.

“Nós estamos pagando o preço dos nossos presídios, do nosso sistema prisional, ser mais rigoroso do que a média brasileira, ou seja, cumprir a lei” – disse o governador.

O governador afirmou que a investigação ainda está sendo realizada e que Uberaba está em estado de atenção, por conta do número de ataques. Somente na cidade, 33 suspeitos foram presos ou apreendidos por envolvimento nos incêndios a ônibus e prédios públicos.

Para garantir a segurança nos ônibus, agentes à paisana estão circulando em linhas com maior potencial de serem alvos de ataques.

O secretário de Estado de Administração Prisional, Sérgio Barboza Menezes, afirmou que há possibilidade de transferir presos para outros estados.

Leia também: Outros ônibus são incendiados em Minas Gerais entre segunda e terça-feira

Relembre: Polícia Militar prende 30 pessoas por incêndio a ônibus em Minas Gerais

Leia também: Empresas de ônibus retiram veículos de circulação em Minas Gerais, após ataques

Jessica Marques para o Diário do Transporte

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta