Greve dos Caminhoneiros: Confira a situação dos serviços de ônibus no País com a falta de diesel

Ônibus estão sendo abastecidos em postos de combustíveis e fazendo racionamento.

Rio de Janeiro pode ficar sem transporte coletivo na sexta-feira, caso paralisação persista

ADAMO BAZANI/ JESSICA SILVA / ALEXANDRE PELEGI

A greve dos caminhoneiros, que entra no terceiro dia nesta quarta-feira, 23 de maio de 2018, está afetando o transporte público de vários estados brasileiros. Sem diesel, os ônibus estão sendo abastecidos em postos de combustíveis e fazendo racionamento.

No estado do Rio de Janeiro, os ônibus que operam no transporte coletivo podem ter a circulação suspensa na sexta-feira, 25 de maio, caso a paralisação dos caminhoneiros persista. O alerta foi dado pela Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro).

Nesta quarta-feira, 23 de maio, aproximadamente 40% da frota do estado está parada, por falta de combustível, conforme informado pela Fetranspor. A previsão da federação para esta quinta-feira é de que 70% dos coletivos não saiam das garagens.

A quantidade de diesel está ficando escassa devido aos bloqueios feitos por caminhoneiros a estradas e distribuidoras. Os protestos são contra o aumento do preço dos combustíveis e tiveram início na segunda-feira, 21 de maio.

Relembre: Paralisação de caminhoneiros contra alta do diesel

Frente à situação alarmante, a Fetranspor enviou uma nota à imprensa nesta terça-feira, informando que a paralisação dos caminhoneiros está afetando diretamente o transporte público no estado.

Relembre: Fetranspor e Rio Ônibus afirmam que greve dos caminhoneiros afeta abastecimento de ônibus

Na cidade do Rio de Janeiro, 80% da frota dos ônibus municipais estavam rodando até o meio da tarde, segundo informações da Rio Onibus (Sindicato das empresas de ônibus do Rio de Janeiro). Mas no final da tarde, este índice caiu para 72%, segundo a entidade que ainda alertou para a possibilidade de paralisação

Segundo o sindicato, as empresas estão fazendo uma busca em postos de combustíveis que ainda têm diesel, para o abastecimento. Contudo, a perspectiva é de que na tarde desta quarta-feira, a situação se agrave.

O Rio Onibus informou ainda que há risco de paralisação total dos serviços.

O sistema que serve à capital fluminense consome, em média, 764 mil litros de combustível por dia, um volume que torna ainda mais complexo o abastecimento da frota neste cenário de escassez de oferta de óleo diesel. Reajustes na ordem de 40% no valor do óleo diesel foram registrados somente nos últimos 15 meses. Os gastos com o insumo correspondem a mais ou menos 30% da folha das empresas. 
Caso a situação não seja normalizada o mais brevemente possível, há risco de paralisação total do sistema.

A Urbs – Curitiba, empresa pública que gerencia o transporte coletivo da capital paranaense, chegou a anunciar que a partir das 17 horas hoje, quarta-feira (23/05), iria reduzir a frota de ônibus que atende as linhas municipais, mas depois o prefeito Rafael Greca retrocedeu e determinou frota total.

As empresas de ônibus dizem que cumpriram a determinação, mas reiteraram que pode faltar diesel para esta quinta-feira.

Já as empresas que atuam na região metropolitana de Curitiba informam que o transporte coletivo será totalmente paralisado a partir desta quinta-feira, dia 24 de maio, caso os estoques de dieses não sejam renovados.

Segundo a Artesp, em resposta aos questionamentos do Diário do Transporte, as partidas de ônibus rodoviários no Estado de São Paulo também foram prejudicadas por causa da greve dos caminhoneiros.

“A greve afetou o transporte intermunicipal de passageiros do Estado de São Paulo. Algumas empresas estão operando com horários reduzidos para adequarem as partidas frente a disponibilidade de combustível e demanda de passageiros.”

Na cidade de São Paulo, oito empresas estão com reservas de diesel suficientes para uma operação parcial nesta quinta-feira (24). As outras seis empresas informaram que o óleo diesel em estoque é suficiente para manter a operação da frota até esta sexta-feira, dia 25. As viações avisaram a prefeitura e pedem ajuda da Secretaria de Segurança Pública para escoltar as carretas com diesel até as garagens.

A frota de ônibus municipais de São Paulo será reduzida em 40% nesta quinta, por causa da falta de diesel de greve dos caminhoneiros. Por esse motivo, o rodízio municipal de veículos foi suspenso.

A Metra, empresa que opera o Corredor ABD, entre a cidade de São Paulo e o ABC Paulista, informou que a  operação está normal, por enquanto., mas alertou que o armazenamento de combustível não é suficiente para uma semana. “A empresa analisa alternativas, mas entende que será difícil encontrar um fornecedor ou mesmo um outro operador que possua armazenamento suficiente, pois o volume de veículos é muito grande.” – informou a empresa em nota.

No estado de São Paulo, a EMTU, que gerencia as linhas metropolitanas, ainda não informou se houve redução de frota de ônibus na Grande São Paulo, mas pela madrugada, ônibus intermunicipais já abasteciam em postos comuns de combustíveis na cidade de Guarulhos.

Em São José dos Campos, no interior de São Paulo, ônibus da CS Brasil também tiveram de abastecer em postos de rua comuns.

Em Itapetininga, no estado de São Paulo, a empresa de ônibus Nossa Senhora Aparecida suspendeu linhas que atende bairros Gramadinho e Retiro nesta quarta. A suspensão é por tempo indeterminado, pois parte do itinerário inclui trecho da rodovia Raposo Tavares, que tem registro de paralisação de caminhoneiros.

Em Campinas, no interior de São Paulo, empresas de ônibus VB Transporte, Itajaí, Pádova, Onicamp e Expresso Campibus, afirmaram que nesta quinta-feira deve haver prejuízos com paralisação parcial dos transportes, e propõem redução de frota para ainda hoje.

Em Recife e cidades da região metropolitana, os postos de combustíveis já começaram a ser afetados pela greve dos caminhoneiros. Vários postos já dão sinais de desabastecimento de gasolina e diesel. O risco de colapso é grande. Por conta da greve, o Grande Recife Consórcio anunciou que a partir desta quarta-feira passa a operar com a mesma frota do período de férias de janeiro deste ano. A medida emergencial representa redução de 8% no número de viagens, ou menos 200 veículos da frota de 2.700 ônibus.

Já em Jacareí, no interior de São Paulo, também houve redução dos horários de ônibus urbanos.

Na região metropolitana de Curitiba empresas de cidades como Fazenda Rio Grande e São José dos Pinhais também já alertam para a falta de combustível.

Em Joinville, estado de Santa Catarina, as empresas de ônibus da cidade informaram que ainda não receberam o combustível que encomendaram. Estão sendo usados estoques e, por enquanto, os serviços são normais. Porém, como elas têm uma boa capacidade de armazenamento de diesel, ainda não falta combustível para a operação diária.

Em Ponta Grossa, interior do Paraná, os ônibus municipais podem parar. A reserva técnica da Viação Campos Gerais (VCG), concessionária responsável pelo transporte coletivo do município, dura apenas mais dois dias. Com isso, o transporte coletivo será afetado e o número de veículos circulando será reduzido a partir desta quinta-feira, 24 de maio.

Em Natal, os motoristas de ônibus intermunicipais aderiram ao protesto dos caminhoneiros e as viagens programadas para esta manhã foram canceladas. Quem já havia comprado bilhete terá a viagem remarcada.

O Sindpass, Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Barra Mansa e Volta Redonda (estado do Rio de Janeiro), anunciou na noite desta terça-feira, 22 de maio, que vai reduzir o número de ônibus em circulação para evitar o colapso do sistema de transporte coletivo.

Em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, a frota de ônibus urbanos será reduzida em 30% a partir desta quarta-feira, segundo informações da Associação das Empresas de Transportes de Passageiros de Caruaru (AETPC).

Em Ouro Preto, Minas Gerais, a Transcotta informou que, nesta quarta-feira, todas as linhas vão funcionar com horários reduzidos, por conta da escassez de combustível.

Em Ribeirão Preto, a Transerp (Empresa de Trânsito e Transporte Urbano de Ribeirão Preto) informou que, fora dos horários de pico, os ônibus rodam obedecendo os horários de sábado, a partir desta quarta-feira.

Em Porto Alegre, as linhas de ônibus vão operar de hora em hora fora dos horários de pico a partir de quinta. As empresas de ônibus intermunicipais da Região Metropolitana vão seguir tabela de horários de sábado, também a partir de quinta.

A Autotrans, de Itaúna e região, em Minas Gerais, informou que empresa tem passado por um processo de desabastecimento. “A situação é grave e pode comprometer os serviços de transporte prestados à população de Itaúna. Infelizmente, diante deste cenário, a nossa operação será afetada e precisaremos reduzir nosso quadro de horários para garantir que não haja paralisação completa das operações. Asseguramos a população de que faremos o possível para minimizar os impactos nos nossos serviços” – informou em nota.

A circulação de ônibus em Belo Horizonte será reduzida a partir desta quinta-feira, 24 de maio de 2018. A BHTrans anunciou, nesta quarta, que o número de viagens será reduzido pela metade fora do horário de pico para “garantir operação normal em horários com maior demanda”.

Por causa da greve dos caminhoneiros, que tem dificultado as entregas de diesel nas garagens de ônibus, a partir de sexta-feira quem depende de transporte coletivo no Distrito Federal pode enfrentar dificuldades. As empresas Pioneira e a São José dizem que só têm combustível suficiente para operarem até o final desta quinta-feira, 24 de maio, de forma integral. Já a Urbi e a Marechal dizem que têm diesel até o final da noite de sexta-feira, 25 de maio. Os estoques da Viação Piracicabana, segundo a empresa, duram até o final deste domingo, 27. A TCB, empresa pública, não informou a previsão de seus estoques. A DFTrans, gerenciadora do sistema, pode criar um esquema especial de operação se o abastecimento não se normalizar até amanhã.

CAMINHONEIROS CONTINUAM PROTESTOS E RECEBEM APOIO DE OUTROS SETORES

Nesta quarta, agricultores gaúchos decidiram colocar tratores às margens da RS-040, em Viamão (RS), em apoio aos caminhoneiros. Ainda em Viamão, motoristas de vans escolares aderiram à paralisação dos caminhoneiros e estacionaram os veículos em ponto de encontro da RS-040.

MOTOBOYS E MOTORISTAS DE APLICATIVOS EM CURITIBA
Em Curitiba, motoboys e motoristas de aplicativos se juntaram aos caminhoneiros em protesto contra o aumento no preço dos combustíveis.
Às 8h de hoje cerca de 50 veículos de aplicativos seguiram em carreata até a Repar, refinaria da Petrobras em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Protesto fechou as duas pistas do Contorno Sul.

Confira os locais que ainda registram manifestações:

RODOVIAS DO RIO GRANDE DO SUL

RODOVIAS ESTADUAIS:
RS-020: km 28, em Taquara, sem bloqueios no trânsito;
RS-040: km 18, em Viamão; km 64, em Capivari do Sul
RS-122: km 96, em Flores da Cunha; no km 65, em Caxias do Sul; e km 16, em São Sebastião do Caí
RS-030: km 54, em Santo Antônio da Patrulha
RS-118: km 9, em Gravataí
RS-239: km 34, em Araricá
RS-474: km 0, em Santo Antônio da Patrulha
RS-332: km 139, em Espumoso
RS-463: km 53, em Tapejara
RS-324: km 249, em Casca; no km 22, em Coxilha; no km 212, em Marau; e no km 148, em Ronda Alta.
RS-135: km 50, em Getúlio Vargas
RS-223: km 28, em Tapera, e no km 53, em Ibirubá
RS-436: km 01, em Taquari
RODOVIAS FEDERAIS:
BR-116: km 397, em Camaquã, sem bloqueios
BR-153: km 53, em Erechim, bloqueio parcial
BR-283: km 273, em Mato Castelhano, sem bloqueios
BR-285: km 199, em Lagoa Vermelha, no km 217, em Caseiros, no km 301, em Passo Fundo, no km 337, em Carazinho, e no km 461, em Ijuí.
BR-290: km 175, em Butiá, no km214, em Pântano Grande, no km 422, em São Gabriel, e no km 719, em Uruguaiana.
BR-386: km 37, em Frederico Westphalen, e no km 347, em Estrela
BR-392: km 66, em Pelotas
BR- 468: km 1, em Palmeira das Missões
BR-472: km 155, em Santa Rosa, no km 481, em Itaqui, e no km 573, em Uruguaiana.

ESTRADAS DE SANTA CATARINA
RODOVIAS FEDERAIS:
BR-101
– Km 26, em Joinville
– Km 117, em Itajaí
– Km 282, em Imbituba
– Km 342, em Tubarão
– Km 354, em Jaguaruna
– Km 402, em Maracajá
– Km 421, em Araranguá
BR-282
– Km 344, em Campos Novos
– Km 507, em Xanxerê
– Km 571, em Nova Erechim
– Km 606, em Maravilha
– Km 645, em São Miguel do Oeste
BR-470
– Km 47, em Gaspar
– Km 68, em Indaial
– Km 100, em Apiúna
– Km 321, em Campos Novos
BR-280
– Km 21, em Araquari
– Km 123, em São Bento do Sul
– Km 123, em Rio Negrinho
– Km 231, em Canoinhas
– Km 235, em Canoinhas
– Km 268, em Irineópolis
BR-116
– Km 7, em Mafra
– Km 138, em Santa Cecília
– Km 217, em Ponte Alta
– Km 245, em Lages
BR-153
– Km 97, em Concórdia
RODOVIAS ESTADUAIS:
– SC-108/415, em Massaranduba
– SC-110, km 296, Petrolândia
– SC-114, km 190, em Palmeira
– SC-116, km 17 e 22, em Itapoá
– SC-135, km 119, em Videira, e km 140, em Tangará
– SC-157, km 4, em São Lourenço do Oeste
– SC-161, km 11, em Palma Sola
– SC-163 / BR-282, km 58, em São Miguel do Oeste
– SC-355, km 29, em Fraiburgo
– SC-407, em Biguaçu
– SC-417, km 0 e 17, em Garuva
– SC-480/ BR-282, em Xanxerê

PARANÁ
Balanço da Polícia Rodoviária Federal (PRF) apontou 44 protestos nas estradas federais que passam pelo estado no começo da manhã.
Polícia Rodoviária Estadual (PRE) apontou 75 manifestações nas estradas estaduais (por volta das 9h30).

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta