Estação Eucaliptos da Linha 5 já tem 99% das obras concluídas e será entregue até o final do mês, garante Metrô

Movimentação de operários, ferramentais de obras e máquinas ainda são intensos em futura estação, mas Metrô garante que 99% das intervenções civis já foram concluídos. Clique na Foto para Ampliar

Diário do Transporte esteve nas obras nesta terça-feira. Sistema de sinalização da Bombardier é o que está mais atrasado

ADAMO BAZANI

Quem passa pelas imediações da futura Estação Eucaliptos, da linha 5 Lilás do Metrô de São Paulo, na Avenida Ibirapuera, na zona Sul da Capital Paulista, vê diversos operários, tapumes, máquinas e interdições, como de uma das travessas, a Rua Luís Brandão, onde ficam os operários e o escritório de  engenharia. Mas o Metrô garante que 99% da estação já estão concluídos e prevê que até o final do mês, mesmo que em operação parcial para testes de sistema e sem cobrança de tarifa, os trens já devem estar transportando passageiros.

Nesta terça-feira, 06 de fevereiro de 2018, a convite do Metrô, o Diário do Transporte esteve nas obras.

Já é possível ver as áreas ajardinadas do lado externo, vidros, escadas rolantes, elevadores, as placas indicando o nome da estação e os sentidos de cada plataforma, por exemplo, mas também é aparente a necessidade de acabamento em partes do mezanino, na passagem interna que dá acesso ao Shopping Ibirapuera, nas “colmeias de vidro” das áreas de respiro, no piso e no prédio de serviço técnico, que fica ao lado da área onde passam os passageiros.

Segundo o Metrô, entretanto, este “acabamento final” logo será concluído.

A maior pendência é em relação à sinalização de via, de responsabilidade da empresa Bombardier.

A sinalização proporciona segurança às operações, comunicação entre os trens, determina a distância entre composições, velocidade, controlando o funcionamento do sistema, entre outras funções.

Prédio de serviço técnico ainda com operários trabalhando.  Segundo o Metrô, edificação é necessária para facilitar a manutenção. Modelo das linhas mais antigas, sob as áreas de plataformas e circulação de passageiros tem acesso mais difícil, de acordo com técnicos da companhia.

Também por atraso de empresas contratadas pelo Metrô, a estação deve ser inaugurada sem as portas-plataforma, que evitam contato do passageiro com os trilhos.

O início das operações deve ser parcial, como ocorre com todas as estações, das 10h às 15h e sem cobrança de tarifa. Gradativamente, os horários devem ser ampliados até a operação comercial total das 4h40 à meia noite.

A estação Eucaliptos deve receber 17.780 passageiros por dia útil

A área construída da estação é de 9.325 metros quadrados. São dois mezaninos para o passageiro chegar até às duas plataformas (uma em cada sentido). O método construtivo é VCA – Vala a Céu Aberto, cuja área tem 2.600 metros quadrados.

As obras começaram em 2012 pelo Consórcio Helena & Fonseca – TIISA.

As estações da linha 5 Lilás possuem do lado externo da área de circulação de passageiros, edificações que vão abrigar geradores, equipamentos e a rede de cabeamento. Segundo o Metrô, edificação é necessária para facilitar a manutenção. O modelo das linhas mais antigas, sob as áreas de plataformas e circulação de passageiros tem acesso mais difícil, de acordo com técnicos da companhia.

Operários trabalham na finalização das áreas internas da estação

O acesso para o shopping deve ser inaugurado juntamente com a entrada principal. Antes, a previsão era de que esta parte fosse concluída somente depois.

Mas pelo fato de toda a obra ter atrasado, agora a previsão é de que os dois acessos sejam abertos na mesma data.

Túnel para o acesso ao Shopping e ao lado oposto da entrada principal na Avenida Ibirapuera

Acesso para o Shopping deve ser aberto na mesma data da inauguração da entrada principal

Em 2017, o governador Geraldo Alckmin e o secretário de transportes metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, chegaram a anunciar a entrega da estação para o mês de novembro. A estação Eucaliptos deveria ser entregue no final do ano passado juntamente com as estações Moema, AACD-Servidor e Hospital São Paulo.

Em dezembro, a gestão mudou as datas. A estação Eucaliptos deveria ser entregue em janeiro de 2018 e, Moema, AACD-Servidor e Hospital São Paulo, no mês de fevereiro.

Agora, as datas são outras. A estação Eucaliptos deve ser entregue até o final deste mês de fevereiro.

Já as estações Moema, AACD-Servidor e Hospital São Paulo agora estão previstas para até o final de março de 2018.

A abertura das estações Santa Cruz e Chácara Kablin, que vão permitir acesso às linhas 1-Azul e 2-Verde, respectivamente, só deve acontecer em abril de 2018.

Visão do segundo mezanino para acesso a uma das plataformas

Aviso alerta sobre energização do sistema

Área de plataformas já com as placas informativas aos passageiros, piso e as catenárias na região da via

As operações destas novas estações começam sob responsabilidade da Companhia do Metrô de São Paulo, mas serão assumidas pelo Consórcio ViaMobilidade (formado pela CCR, que tem participação majoritária na linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo e em outros empreendimentos ligados a transporte público e rodovias por todo o País e pela RuasInvest, ligado a empresas de ônibus da Capital Paulista).

O grupo venceu o leilão realizado pelo Metrô, sob muita polêmica e até greve dos metroviários, no dia 19 de janeiro. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/01/19/resultado-leilao-linha-5-linha17-metro-sp-privatizacao-concessao/

HISTÓRICO:

O primeiro anúncio do projeto da linha foi feito em 20 de junho de 1990 pelo Metrô, e havia três alternativas de trajeto: com saída da estação Paraíso, Saúde ou São Judas. Nenhuma delas se concretizou.

Em março de 1998 começou a construção do atual trajeto.

Inicialmente, as operações seriam pela CPTM – Companhia Paulista de Três Metropolitanos e o trajeto se chamaria Linha G.

Mas em 2001, o Governo do Estado de São Paulo transferiu a operação para o Metrô, passando a denominar o trajeto de linha Lilás.

O primeiro trecho, de 8,4 quilômetros de extensão, foi entregue à população em 20 de outubro de 2002, com operações das 10h às 15h.

Os horários foram prolongados muito lentamente. No dia 28 de outubro de 2002, passou a ser das 9h às 15h. Em 18 de novembro de 2002, das 8h às 15h. No dia 16 de dezembro de 2002, o horário de operação passou a ser das 7h às 16h. Somente em 5 de fevereiro de 2003, os trens passaram a operar das 6h às 20h. Em 4 de agosto de 2003, a operação passou a ser das 5h às 22h. Quase seis anos depois do início das operações, é que a linha 5 Lilás passou  a funcionar aos domingos e feriados, em 10 de agosto de 2008.

Como as estações não eram integradas às outras linhas de Metrô, no início, a linha 5 Lilás era deficitária, causando prejuízos de R$ 2,8 milhões ao mês à Companhia do Metrô, pelo fato de a arrecadação tarifária ser menor, na época, que os custos de operação e manutenção.

Em 2010, a linha 5 foi envolta numa investigação do Ministério Público.

Os nomes das empresas que atuariam nas obras entre as estações Largo Treze e Chácara Klabin se tornaram conhecidos seis meses antes da realização do certame.

A linha inteira contempla as seguintes estações: Capão Redondo, Campo Limpo, Vila das Belezas, Giovanni Gronchi (ligação com o futuro Pátio Guido Caloi), Santo Amaro (acesso a Linha 9  da CPTM), Largo Treze, Adolfo Pinheiro, Alto da Boa Vista,  Borba Gato, Brooklin, Campo Belo (acesso ao previsto monotrilho Linha 17), Eucaliptos, Moema, AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz (acesso a Linha 1 Azul do Metrô) e Chácara Klabin(Acesso a Linha 2 Verde).

A linha 5-Lilás de Metrô, quando completa deve transportar em torno de em torno de 855 mil passageiros por dia até 2020 e tende a ser lucrativa.

Toda a linha chegou a ser prometida para 2014. Mas problemas com as empreiteiras, nos planejamentos, contratos e até litígios jurídicos foram fatores que se se somaram e provocaram os atrasos.

O governador Geraldo Alckmin prometeu entregar ainda em 2017 as estações Eucaliptos, Moema, AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin. A estação Campo Belo deveria começar a funcionar no “início” de 2018, sem uma previsão mais concreta.

Entretanto, no meio de novembro de 2017, o secretário de transportes metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, disse que a entrega da estação Eucaliptos seria em janeiro. As estações Moema e Hospital do Servidor deveriam por esta promessa ser concluídas em fevereiro e, em abril seriam possíveis as integrações da linha 5 com as estações Chácara Klabin (linha 2-Verde) e da Santa Cruz (linha 1-Azul). A estação Campo Belo só deveria ser entregue até dezembro de 2018.

Em dezembro de 2017, a gestão mudou as datas. A estação Eucaliptos deveria ser entregue em janeiro de 2018 e, Moema, AACD-Servidor e Hospital São Paulo, no mês de fevereiro.

Mas em janeiro de 2018, surgiram novas datas. A estação Eucaliptos foi prometida para ser entregue até o final de fevereiro de 2018.

Já as estações Moema, AACD-Servidor e Hospital São Paulo foram previstas para até o final de março de 2018.

A abertura das estações Santa Cruz e Chácara Kablin, que vão permitir acesso às linhas 1-Azul e 2-Verde, respectivamente, só deverá acontecer em abril de 2018, por esta nova promessa.

A operação da Linha 5-Lilás foi à iniciativa privada, juntamente com a linha 17-Ouro de monotrilho.

Em 19 de janeiro de 2018, venceu o leilão o Consórcio ViaMobilidade (formado pela CCR, que tem participação majoritária na linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo e em outros empreendimentos ligados a transporte público e rodovias por todo o País e pela RuasInvest, ligado a empresas de ônibus da Capital Paulista). O lance oferecido foi de R$ 553,88 milhões, ágio foi de 185% em relação ao valor inicial de outorga exigido pelo Metrô.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/01/19/resultado-leilao-linha-5-linha17-metro-sp-privatizacao-concessao/

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo, um dia antes do leilão, portanto, em 18 de janeiro de 2018, fez uma greve de 24 horas contra a concessão à iniciativa privada. A entidade trabalhista contestava o valor de outorga inicial e um suposto direcionamento em favor da CCR, o que foi negado pelo grupo empresarial e pelo Metrô. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/01/11/concessao-5-lilas-metro-metroviarios-ccr/

O dia anterior ao leilão foi marcado também por decisões judiciais divergentes.

Durante a tarde, o juiz Adriano Marcos Laroca, da 12ª Vara da Fazenda Pública da Capital do Tribunal de Justiça suspendeu em decisão liminar o leilão de concessão da linha 5 Lilás do Metrô e 17 Ouro de monotrilho

O magistrado acatou argumentação da bancada do PSOL na Câmara Municipal de São Paulo, da Fenametro (federação dos metroviários) e o Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

Na ação, as entidades contestavam o valor de outorga e o possível direcionamento ao Grupo CCR.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/01/18/liminar-suspende-leilao-de-concessao-das-linhas-5-e-17/

Mas no início da noite de 18 de janeiro de 2018, o então presidente do TJ/SP – Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, entendeu que a suspensão prejudicaria os planos operacionais para as linhas e suspendeu a decisão que proibia o leilão.

“A paralisação do certame provocará o retardamento do procedimento licitatório e, por conseguinte, da entrega da operação comercial, em detrimento da expectativa de expansão do serviço público de transporte metroviário à população”, fundamentou Calças.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/01/18/justica-suspende-decisao-e-leilao-das-linha-5-e-17-vai-ocorrer-nesta-sexta-19/

Uma das características de operação conjunta com a linha 17-Ouro do monotrilho é que deve existir na prática “subsídio cruzado”, já que sozinho o monotrilho não se sustenta. De acordo com projeção do próprio Metrô em outubro de 2017, para a concessão, o custo para transportar cada passageiro no monotrilho é de R$ 6,71 por pessoa (valores da época). A tarifa na ocasião era de R$ 3,80. Só para comparação, para a ViaQuatro, concessionária da linha 4 Amarela, o governo transferia na época, R$ 4,03 por passageiro, contando integrações com linhas públicas e gratuidades. Ou seja, o sistema de monotrilho deve ter custo de operação mais alto que uma das mais modernas linhas de metrô de fato em operação.

O projeto inicial da linha 17-Ouro previa 17,7 quilômetros de extensão, com 18 estações entre Jabaquara, Aeroporto de Congonhas e região do Estádio do Morumbi ao custo de R$ 3,9 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Agora, serão oito estações apenas. Assim, os trechos entre Jabaquara e a Aeroporto de Congonhas e entre depois da Marginal do Rio Pinheiros até a região do Estádio São Paulo-Morumbi, passando por Paraisópolis, estão momentaneamente descartados.

Mesmo que a linha fosse completa, pela característica do modal inserido na realidade operacional de São Paulo, o monotrilho continuaria dando prejuízo.

O monotrilho está menor e vai ficar mais caro.  Ainda quando era projetado para ter 18 estações em 17,7 quilômetros, custo do monotrilho do Aeroporto (como chegou a ser chamado) era de R$ 3,9 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Um orçamento de 2017 mostrava a construção do modal 41% mais cara, somando R$ 5,25 bilhões com a previsão para a entrega de somente 8 estações até 2018. Em 2010, o custo do quilômetro era de R$ 177 milhões. Em 2015, o custo por quilômetro seria de R$ 310 milhões e no primeiro semestre de 2016 foi para R$ 325 milhões.

POSSÍVEIS IRREGULARIDADES E OS QUESTIONAMENTOS:

O Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo – TCE/SP , Antônio Roque Citadini, chegou a acatar um pedido da bancada do PT na Assembleia Legislativa e não autorizou o andamento da concessão em 2017 até que todas as dúvidas sejam esclarecidas.

Havia suspeitas de que as exigências do edital podem restringir a competitividade e, assim, causar prejuízos aos cofres públicos.

Outro questionamento do TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo sobre a linha 5 Lilás tinha relação com as obras e a remuneração da concessionária que vai ser responsável pela operação.

Caso as integrações com as estações nas estações Santa Cruz e Chácara Klabin, das linhas 1 e 2, respectivamente, atrasassem, o Metrô assumia pagar uma espécie de “multa” para a futura concessionária. O Metrô chamou a possibilidade de pagamento de “remuneração contingencial”.

Seria uma espécie de dinheiro que daria segurança para evitar problemas de descumprimento de cronogramas, como ocorreu com a primeira PPP – Parceria Público Privada do Metrô de São Paulo, a construção da linha 4 – Amarela. A ViaQuatro cobrou na justiça R$ 500 milhões ao Metrô e, 2016 porque as obras da linha 4 atrasaram e a demanda projetada não se concretizou. Entretanto, a concessionária alegou que fez os investimentos para esta demanda projetada.

No final de 2017, o TCE liberou a licitação depois das respostas do Metrô e de ajustes no edital e o leilão foi anunciado pela Companhia. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2017/12/21/leilao-das-linhas-5-lilas-e-17-ouro-do-monotrilho-acontecera-dia-19-de-janeiro/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

6 comentários em Estação Eucaliptos da Linha 5 já tem 99% das obras concluídas e será entregue até o final do mês, garante Metrô

  1. Curioso esse “risco de morte por via energizada”. A alimentação não é via catenaria? Onde a via está energizada?

  2. Amigos, boa noite.

    PREVISIVELLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL e dentro do esquema eleitoreiro.

    Nada como inaugurar uma obra em ano das eleições.

    Todos são muiiiiiiiiiiito inteligentes quando se trata desta questão.

    Esse túnel que liga ao shopping está muito pequeno na largura, previsivellllllllllllllllllll

    Deixo aqui uma pergunta para os engenheiros civis.

    Por que ao invés de fazer estações tão fundas a linha do metro não sobe mais perto da superfície ou no nível da superfície ?????

    Penso que é mais lógico, embora é patente que NÃO dá lucro na construção.

    Att,

    Paulo Gil

    • Comlpmentando:

      Se a linha é LILAZ , por que a sinalização é AZUL ???

      “A estação Eucaliptos deve receber 17.780 passageiros por dia útil”

      E$ta demanda ju$tifica todo o inve$timento ???

      Se alguém puder esclarecer eu agradeço; pois pra mim 17.780 passageiros dia/estação é muito pouco justificar um metro subterâneo.

      Ma$…

      MUDA BARSIL.

      Att,

      Paulo Gil

  3. Paulo gil,ja passou pela sua cabeça de “especialista” que proximo a sulerficie existem sistemas de drenagem,redes eletricas,sinalizacao rodoviaria e sistemas de apoio estrutura das edificacoes que teriam de ser removidas para uma construcao do sistema metroviario em cota mais elevada ? PREVISIVEL que queira misturar sua desinformacao de leigo com sua opiniao e visao da politica

    • Dodo, boa noite.

      Não sou “especialista” e só fiz uma pergunta.

      Tudo isto que você falou continua lá e você acha que com o buracão que fazem nas estações isso tudo não é mexido ou é eliminado ????

      Desculpe mas não quero misturar nada, até porque não sou político, se fosse concordava com tudo.

      Tento expor minhas ideias para discussão, pois entendo que tudo pode ser simplificado; mas sou consciente que as comi$$õe$ não permitem.

      Basta você comprar as estruturas (colunas e vigas) dos Aerotrens com as do Metro Azul; o mais pesado e de alta capacidade tem estrutura menor.

      Você acha isso lógico ??

      Abçs,

      Paulo Gil

4 Trackbacks / Pingbacks

  1. Linha 5-Lilás adia entrega de estações novamente – Diário do Transporte
  2. Metrô promete inaugurar Estação Eucaliptos da Linha 5-Lilás até o fim desta semana – Diário do Transporte
  3. Inauguração da Estação Eucaliptos da Linha 5-Lilás do Metrô é marcada por tom político – Diário do Transporte
  4. Após novo atraso, estações da Linha 5 do Metrô de São Paulo ficam previstas para agosto – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: