Avelleda diz que prefeitura deve estipular metas de restrição à poluição, mas não definir tipo de ônibus não poluentes

Sérgio Avelleda licitação ônibus Secretário exibe pontos estudados para o novo sistema de transportes de São Paulo

Segundo secretário, solução tecnológica deve ser escolhida pelo mercado. Avelleda também defendeu a criação de uma Autoridade Metropolitana de Transportes

ADAMO ABAZANI

O Secretário de Transportes e Mobilidade da cidade de São Paulo, Sérgio Avelleda, admitiu que não será possível cumprir a lei de Mudanças Climáticas, que determina que no ano de 2018, nenhum ônibus do sistema municipal dependa exclusivamente de diesel para se movimentar.

A lei 14933 é de 05 de junho de 2009, e determina em seu artigo 50, que por ano 10% dos veículos fossem substituídos até a conclusão da meta.

Art. 50. Os programas, contratos e autorizações municipais de transportes públicos devem considerar redução progressiva do uso de combustíveis fósseis, ficando adotada a meta progressiva de redução de, pelo menos, 10% (dez por cento) a cada ano, a partir de 2009 e a utilização, em 2018, de combustível renovável não-fóssil por todos os ônibus do sistema de transporte público do Município.

Parágrafo único. A meta e a prioridade previstas no “caput” deste artigo aplicam-se nas hipóteses de aquisição e locação de veículos utilizados no transporte e serviços do Poder Público Municipal, bem como na expansão e renovação de sua frota, ressalvados os casos de impossibilidade técnica, devidamente justificados.

No entanto, dos 14.700 ônibus aproximadamente que existem no sistema municipal, em torno de 7% hoje se enquadrariam na lei.

Durante apresentação na semana de mobilidade da UITP –  União Internacional de Transporte Público para a América Latina, que teve cobertura do Diário do Transporte, o secretário Sérgio Avelleda diz que a prefeitura discute com o Ministério Público e com a Câmara um cronograma “mais realista”.

Avelleda também defendeu que a prefeitura sugira metas de redução de emissões e não estipule os tipos de ônibus que as operadoras devem comprar.

“A solução tecnológica não deve ser buscada pelo poder público.  Há opções no mercado e a iniciativa privada deve ter a liberdade de escolher” – defendeu.

No mercado brasileiro, há empresas que hoje oferecem diversos tipos de ônibus que não dependem apenas de óleo diesel.

A Eletra, de São Bernardo do Campo, produz trólebus, ônibus híbridos (com um motor a combustão e outro elétrico) e desenvolve um ônibus elétrico puro, apenas com bateria recarregável.

A BYD, instalada em Campinas, monta ônibus elétricos com componentes importados e, a partir de abril, começa a linha de produção de chassis com maior nível de nacionalização.

A Volvo, no Paraná, produz desde 2012, ônibus elétrico híbrido que também possui dois motores: um elétrico e outro à combustão.

A Scania deve começar a fazer ônibus GNV, gás natural, com nova tecnologia, na planta de São Bernardo do Campo. O modelo já foi apresentado em diversas cidades brasileiras, inclusive São Paulo. A fabricante também produziu o ônibus a etanol, mas segundo os frotistas que operam os veículos, houve problemas de desempenho e algumas unidades devem passar por reformas, segundo as empresas.

A Mercedes-Benz afirmou que a nova linha de produtos Euro V, fabricada desde 2013, já poderia operar com 100% de biodiesel, não havendo necessidade de mudar as características do motor.

Há dúvidas, entretanto, se haveria combustível suficiente e também dificuldades de abastecimento para toda a frota.

LICITAÇÃO:

Na apresentação da UITP, Sérgio Avelleda também falou sobre os preparativos para licitação dos transportes coletivos em São Paulo.

O certame deveria ter sido realizado em 2013, mas na ocasião, a prefeitura recuou diante das manifestações populares contra os valores das tarifas. Foi contratada uma Auditoria da Ernst & Young para verificar as contas do sistema e somente em 2015 que o certame foi lançado.

No entanto, o TCM – Tribunal de Contas do Município identificou irregularidades barrando o processo, que só foi liberado em julho de 2016.

Na época, a administração de Fernando Haddad preferiu que a concorrência fosse reformulada após a transição de governo.

O secretário acredita que até o final de maio deve ser lançado o novo edital. Avelleda adiantou que será mantida a proposta de Haddad de remunerar as empresas não apenas por passageiro transportado e quilômetro rodado, mas também por qualidade. Entretanto, pode haver mudanças pontuais na ideia.

“Não é penalidade ou multa, mas é uma remuneração variável. Temos como inspiração a PPP [Parceria Público-Privada] da linha 4 [do Metrô]”

Um dos pontos de maior complexidade é a reformulação da rede de transporte.

De acordo com o secretário, “ao mesmo tempo que tem sido estimulante fazer a licitação também tem sido angustiante. É complexo, são necessários cortes, planejamentos … é um trabalho muito amplo”

Avelleda confirmou que para o novo modelo de transportes, a bilhetagem, o sistema de telemetria e os terminais serão concedidos à iniciativa privada.

O modelo econômico do sistema de transportes está sendo desenvolvido.

AUTORIDADE METROPOLITANA:

Sérgio Avelleda

Autoridade Metropolitana de Transportes venceria falta de integração, barreiras institucionais e estaria sobre desavenças locais.

O Secretário de Transportes e Mobilidade, Sérgio Avelleda, também defendeu a criação de uma Autoridade Metropolitana de Transportes.

Segundo Avelleda, que já esteve no comando do Metrô e da CPTM, as reformulações dos transportes da capital paulista são importantes e mais que necessárias, mas não adianta só pensar as cidades de maneira isolada quando o assunto também é transporte por ônibus.

A Autoridade Metropolitana coordenaria as ações do Estado e entre as prefeituras para que haja uma rede conectada de transportes em toda Grande São Paulo. O organismo estaria acima de problemas institucionais na máquina pública e teria um pulso firme, mas sem uma visão autoritária, segundo o secretário, para superar as desavenças e entraves em planos locais.

“As cidades estão extremamente conectadas e ainda há lacunas em relação a isso nos transportes. Hoje, por exemplo, um passageiro que está em Santo André ou em Guarulhos tem um bilhete para o seu ônibus municipal e precisa de outro para rede de trilhos ou outro ônibus na cidade de São Paulo. O mundo não é mais assim. Não há ações planejadas suficientes entre as cidades e isso precisa ser revertido” – complementou.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

4 comentários em Avelleda diz que prefeitura deve estipular metas de restrição à poluição, mas não definir tipo de ônibus não poluentes

  1. Temos algumas coisas a ponderar:
    Como não definir o modelo de onibus que passa embaixo da rede eletrica?
    Como abandonar os investimentos feitos nas redes eletricas e subestações?
    Como não utilizar uma garagem construida para trolebus?
    Como abandonar todos os investimentos feitos para não poluir e agora deixar na opção das empresas a escolha do modelo não poluente?
    Será que teremos uma nova Marta Suplicio na prefeitura (que acabou com os trolebus e sua rede em tres áreas da nossa cidade)?
    ACORDA DORIA – Estaremos de olho

  2. Amigos, boa noite.

    So o contribuinte tem de cumprir a lei, ser punido, onerado e infernizado pelo Poder Publico.

    Agora, por que o Poder Publico, descumpre a lei e Pizza ???

    Pra que criar mais um orgao, alias uma Autoridade Metropolita que nao tera autonomia.

    O Brasil precisa e de comando e nao de mais orgaos, ja basta a EMTOSA, que nem coloca placa no ponto do buzao da Av dos Automistas altura do nunero 2500 informando que o EMTOSA nao para nesse pont8.

    Se estiver no Comando, comande e trabalhe.

    Chega de des9erdicar dingeiro do contribuinte.

    Sera que precisa desenhar ???

    Att,

    Paulo Gil

  3. Complementando.

    A “nova” licitacao do buzao de Sampa nao resolvera o problema do buzao de Sampa, ate porque ta provafo que licitacao nao serve para o buzao e para quase nada tambem.

    Para o buzao de Sampa funciobar bem ele precisa de uma gestao, tecnica, racional, eficiente, otimuzada e simplificada.

    Se a ges4ao nao for modernizada e realizada na pratica, t6do ficara igual, principalme5e sr nao utilizar a teoria de que:

    A MENOR DISTANCIA ENTRE DOIS PONT8S E UMA RETA.

    Att,

    Paulo Gil

  4. MARCOS NASCIMENTO // 27 de março de 2017 às 22:28 // Responder

    Espero que as linhas extintas desnecessariamente no desgoverno municipal passado sejam reativadas o quanto antes (a exemplo do que começou a ser feito na cidade do Rio de Janeiro). Por outro lado, NADA fala-se sobre os trólebus que também evoluiram e muito em relação ao que eram antigamente quando dependiam da fiação elétrica. ABSURDO ainda é verificar que desde janeiro/2017 com a posse do atual prefeito os ônibus articulados de quase todas as 8 áreas estão sendo REPINTADOS para a cor 100% cinza (ou prata, como queiram) e com isso a cidade de São Paulo parece estar perdendo a identificação por áreas que existe desde 2003. Mas curioso mesmo é o festival de privatizações que serão feitas pelo NINHO TUCANO no decorrer dos 4 anos da atual administração. Se fosse possível o PSDB*sta privatizaria até a própria mãe!!! E agora cabe mais uma pergunta: Quando lá na frente acabar esse festival de privatizações o que terão os tucanos para fazer ??? Que desculpas irão dar para justificar a falta de investimentos, a preguiça em trabalhar pela cidade e fiscalizar as obras e os contratos, enfim: o que se terá para privatizar ainda ???

16 Trackbacks / Pingbacks

  1. Idec formaliza proposta de 150 km de corredores e ônibus não poluentes para Plano de Metas de São Paulo – Diário do Transporte
  2. Palestra em São Paulo vai apresentar estudo sobre a viabilidade do trólebus nos dias de hoje – Diário do Transporte
  3. Doria não cita corredores de ônibus em Plano de Metas – Diário do Transporte
  4. Doria se reúne com representantes da Anfavea para discutir veículos elétricos e híbridos – Diário do Transporte
  5. Conselho do Clima e Ecoeconomia vai debater licitação dos ônibus em São Paulo – Diário do Transporte
  6. Indústria automotiva apresenta Agenda para 2030 a presidente Michel Temer e privilegia etanol como combustível limpo – Diário do Transporte
  7. ENTREVISTA EXCLUSIVA: Para especialista, PL que defende substituição de frota atual por ônibus a biodiesel não representa avanço ambiental – Diário do Transporte
  8. Em audiência pública sobre licitação do novo sistema de transporte da capital prefeitura anuncia mudança na remuneração de empresários – Diário do Transporte
  9. COMTRANSLEGAL | Em audiência pública sobre licitação do novo sistema de transporte da capital, prefeitura anuncia mudança na remuneração de empresários
  10. Em audiência pública sobre licitação do novo sistema de transporte da capital, prefeitura anuncia mudança na remuneração de empresários – CTMU
  11. Em audiência pública sobre licitação do novo sistema de transporte da capital, prefeitura anuncia mudança na remuneração de empresários – Consórcio Santa Verônica
  12. Em audiência pública sobre licitação do novo sistema de transporte da capital, prefeitura anuncia mudança na remuneração de empresários
  13. Em audiência pública sobre licitação do novo sistema de transporte da capital, prefeitura anuncia mudança na remuneração de empresários – SITRANS
  14. Em audiência pública sobre licitação do novo sistema de transporte da capital, prefeitura anuncia mudança na remuneração de empresários – Consórcio Santa Maria
  15. Gestão Doria contrata Fipe por R$ 5,9 milhões para consultoria aos editais de licitação dos ônibus – Diário do Transporte
  16. Confira as datas das audiências públicas da licitação dos ônibus nas prefeituras regionais – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: