Grupo Comporte confirma “fim” da Breda para 1º de julho de 2021 com incorporação pela Piracicabana

Como havia mostrado o Diário do Transporte, no início de junho Artesp autorizou unificação das companhias que fazem parte do mesmo conglomerado empresarial

ADAMO BAZANI

O Grupo Comporte, controlado pela família de Constantino de Oliveira, confirmou que a partir do dia 1º de julho de 2021, a Breda Serviços se tornará Viação Piracicabana.

A informação foi publicada no “Blog MobiFácil”, página oficial da plataforma de vendas de passagens on line do grupo.

Segundo o comunicado, “todas as linhas antes atendidas pela Breda serão incorporadas no catálogo Piracicabana”.

“A partir do dia 1º de julho, essa união irá envolver as operações de turismos de ambas as empresas, que agora serão uma” – enfatiza o texto.

Não significa necessariamente que no dia 01º de julho de 2021 todos os ônibus já estarão repintados.

O Diário do Transporte noticiou que no início de junho de 2021, a Artesp publicou a incorporação prévia.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/06/04/artesp-autoriza-incorporacao-previa-da-breda-pela-viacao-piracicabana/

Ambas as empresas pertencem ao Grupo Comporte, liderada pela família de Constantino Oliveira, fundador da Gol Linhas Aéreas.

A Breda foi fundada nos anos 1950 por Ítalo Breda, que na ocasião era sócio e chefe de tráfego na Viação Cometa.

Paralelamente ao trabalho na Cometa, Ítalo Breda realizava o transporte de alunos do Colégio Dante Alighieri, em São Paulo, onde se formou em Economia.

Como o negócio crescia, Breda decidiu deixar a Viação Cometa e, em 1955, teve um marco decisivo na sua carreira empresarial: assumiu o transporte de funcionários da empresa Volkswagen e de outras grandes indústrias do ramo.

A Breda passou a integrar os negócios da família Constantino nos anos 1990.

“Jardineira” da Breda na Rua Ipojuca (hoje rua Nossa Senhora de Fátima), no Bairro Paraíso, em Santo André (SP) nos anos 1950

Monobloco O-321 da Breda em uma de suas primeiras pinturas no museu que a família Constantino mantém na garagem em São Bernardo do Campo

Marcopolo Paradiso da Geração V numa das pinturas que mais marcaram a Breda

Já a Viação Piracicabana, hoje uma das maiores empresas do Grupo Comporte, nasceu como Expresso Piracicabano, fundada por Atílio Raimundo Giannetti que fazia o trajeto diário de Piracicaba a São Paulo com oito automóveis da marca Ford.

O nome Viação Piracicabana foi adotado somente em 1962, quando a empresa já cumpria um total de 15 horários diários, na ligação São Paulo – São Pedro.

OUTRAS INCORPORAÇÕES:

Como tem mostrado o Diário do Transporte, as incorporações de empresas dentro do Grupo Comporte têm sido uma estratégia de redução de custos e melhor aproveitamento de estruturas.

Em 9 de fevereiro de 2021 a Artesp aprovou que a Empresa Auto Ônibus Manoel Rodrigues S.A. seja incorporada pela Empresa Princesa do Norte S.A, ambas do Grupo Comporte.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/02/09/artesp-aprova-incorporacao-da-manoel-rodrigues-pela-princesa-do-norte/

Também em fevereiro de 2020, o Grupo anunciou a incorporação da Viação São Paulo-São Pedro pela Viação Piracicabana

UM POUCO DA TRAJETÓRIA DE ÍTALO BREDA:

Luiz Breda era vendedor de ônibus importado da Volvo em 1938. Em 1939, entrou como acionista da Auto Viação São Paulo-Santos, que, nos anos 1940 se tornou parte da Viação Cometa, esta, por sua vez, que se originou da Auto Viação Jabaquara.

Em 1938, Ítalo Breda foi trabalhar com o pai no negócio de transportes.  Logo depois, com apenas 22 anos, tinha 5% de participação na Auto Viação São Paulo-Santos.

Ítalo foi crescendo na Viação Cometa e se desenvolvendo com a companhia. Ele foi um dos responsáveis por importar para a Cometa, em 1948, mais de 30 unidades da fabricante Twin Coach. O modelo foi um avanço para a época.

Paralelamente ao seu trabalho na Cometa, Ítalo Breda estudava economia no Dante Alighieri, em São Paulo, e, com ônibus próprios, transportava alunos da instituição de ensino.

O negócio crescia e, na década dos anos 1950, Ítalo decide deixar a Viação Cometa e funda a Breda.

Em 1955, com o crescimento da indústria automotiva no ABC Paulista, Ítalo consegue um grande impulso para a sua empresa. Sua frota passa de 30 ônibus para 100. Com isso foi possível assumir o transporte de funcionários da empresa Volkswagen e de outras grandes indústrias do ramo, segundo a página de memória da própria Breda.

A indústria automotiva nos anos 1950/1960 e, a de autopeças, nos anos 1960/1970, no ABC Paulista, abriram oportunidades para diversos outros ramos de atuação, entre os quais, os ônibus de fretamento. Foi neste contexto que surgiram outras tradicionais empresas de fretados na região, como Bozzato, Planetatur, Galo de Ouro, Santa Maria, Bonini, e tantas outras.

Em 1965, dez anos depois, a Breda tinha 300 veículos e já operava também rotas regulares como entre São Paulo-Itanhaém- Peruíbe.

Em 1967, a Breda comprou os confortáveis Flxible VL (Vista Liner) 100, importados pela empresa Expresso Brasileiro Viação Ltda, em 1956.

Os veículos então foram pintados nas cores da Breda, azul e vermelho, mas mantinham o fundo de tom alumínio, preservando o requinte especial da época da Expresso Brasileiro, que adquiriu os veículos para competir com a Cometa na rota Rio-São Paulo. Desde 1954, a Cometa usava os norte-americanos GM-PD 4104, os Choachs, chamado pela empesa de “Morubixaba”. Aliás, foram estes ônibus que inspiraram o projeto dos famosos “Dinossauros” da Cometa.

O apelido Diplomata que era usado pela Expresso Brasileiro passou a ser Bandeirante, algo de São Paulo mesmo.

Os ônibus faziam serviços que ligavam os aeroportos de Congonhas, na capital paulista, e o de Viracopos, em Campinas, no interior de São Paulo.

Relembre matéria em:

https://diariodotransporte.com.br/2016/10/23/historia-os-flxible-tambem-brilharam-na-breda-e-na-telonas-de-diplomata-para-bandeirante-ate-ser-estrela-de-cinema/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Fábio Luiz Cordeiro Pirotta disse:

    Já se sabe onde vai ficar a nova garagem e sede da empresa?

  2. Enock Bezerra da Silva disse:

    Vai deixa saudades uma boa Empresa

  3. Wanderley Abdao Amui disse:

    Uma pena, um nome tradicional, será difícil esquecer a Breda . Moro na Praia Grande e preferia a mesma. Cometa muito lerda.

  4. Gabreilla disse:

    Breda foi pai funcionários que nunca deram valor em seu trabalho com empresa tem mts motorista educados educado e mais educados p com idosos principalmente na bebedeira p atender os mais frágil que são idosos p vendas passagem fazem de troixa deixando idosos ficar dia td esperando passagem p fazer seus exames elas fazem idosos ir vir como palhaços p ter sua passagem adquirida por direito isso tem mudar esperamos que nova adimintrativa da Piracicaba seja melhor breda sempre vai esta novo destino corações td peruibe grata tem mt gente boa merecem aplacou de mts anos trabalho dedicacoes com empresa breda assim seja abençoada nova p melhora do estado de SP grada

  5. José Antonio Reis disse:

    Muito boa empresa
    Uma bonita história

  6. Sérgio rocha de souza disse:

    Eu só tenho que agradecer a todos da viação Breda pelos serviços prestado pude viajar para a praia com eles foi muito bom desde a venda de passagem até meu destino em nome da família rocha de souza obrigado viação Breda

Deixe uma resposta para Enock Bezerra da Silva Cancelar resposta