Scania vai entregar primeiro ônibus rodoviário/fretamento a gás natural Euro 6 para a Turis Silva. Carroceria é Marcopolo com BioSafe contra a covid-19

Modelo é uma das apostas da marca para sustentabilidade, que já lançou versão urbana. Em até 40 dias, ônibus deve estar na garagem para operar

ADAMO BAZANI

A Scania confirmou na manhã desta sexta-feira, 05 de fevereiro de 2021, que vai entregar um modelo de ônibus de fretamento, versão rodoviária, movido a gás natural.

O modelo vai para a empresa Turis Silva, do Rio Grande do Sul, que também testa um rodoviário elétrico da BYD.

O veículo a GNV foi comprado pela empresa de fretamento, sendo um K 320 4×2 com motor traseiro Euro 6 (no Brasil, as normas ainda são Euro  5). A carroceira é Marcopolo New 7 – Paradiso 1050

O anúncio foi feito em entrevista coletiva virtual da qual o Diário do Transporte participou.

O combustível é a aposta da montadora em relação à necessidade de reduzir as emissões pelo transporte.

Segundo Jaime Silva, dono da Turis Silva, veículos menos poluentes são exigência da Gerdau, empresa para a qual presta serviços de fretamento.

O empresário disse ainda que o modelo já está na encarroçadora Marcopolo e deve ser entregue entre 30 e 40 dias.

De acordo com a Scania, a operação de fretamento contínuo, sob responsabilidade da Turis Silva Transportes, será em contrato de demonstração em uma rota de Porto Alegre-Charqueadas-São Jerônimo. O modelo deverá rodar 190 km por dia.

O diretor de Vendas de Soluções da Scania no Brasil, Silvio Munhoz, acredita que emplacar o rodoviário a GNV será mais fácil que dos urbanos.

DETALHES DO MODELO:

Em nota, a Scania informou alguns detalhes técnicos do veículo.

O modelo K 320 4×2 tem propulsor traseiro Euro 6 (o Brasil está na lei de emissões Euro 5) de 320 cavalos de potência. Seu motor é Ciclo Otto (o mesmo conceito dos automóveis) e movido 100% a gás e biometano, ou mistura de ambos. Não é  convertido do diesel para o gás, tem garantia de fábrica, tecnologia confiável e segura, desempenho consistente e força semelhante ao similar a diesel, além de ser mais silencioso. Neste momento, é o ideal para o ‘Aqui e Agora’, pois se enquadra nos três pilares sustentáveis: econômico, social e ambiental. Foram instalados oito cilindros de gás na lateral dianteira com uma autonomia de 300 km. Caso um cliente deseje autonomia maior, é possível avaliar a colocação de mais cilindros. Não são necessárias alterações significativas nos projetos das carrocerias.

A segurança é total em caso de acidentes ou explosão. Os cilindros e válvulas são certificados pelo Inmetro (em conformidade com a lei). São três válvulas (vazão, pressão e temperatura) que liberam o gás em caso de anomalia em um destes três quesitos. Os cilindros são extremamente robustos (o material é de ogivas de mísseis). Em caso de incêndio ou batida o gás é liberado para a atmosfera e se dissolve sem perigo de explosão ao contrário de um veículo similar abastecido a diesel que é mais perigoso, pois o líquido fica no chão ou pode se espalhar ao longo da carroceria.

A Marcopolo escolheu a carroceria Paradiso New G7 1050 para equipar o ônibus histórico. Ele conta com equipamentos e acessórios para garantir o máximo conforto, comodidade e segurança aos clientes, como acesso à internet, TV digital a bordo, poltronas semileito, sistema de monitoramento por câmeras, tomadas USB individuais, sistema de ar-condicionado e monitores no salão de passageiros. O modelo ainda conta com diferentes soluções da plataforma Marcopolo BioSafe, como sanitário e sistema de ar-condicionado com lâmpadas UV-C para desinfecção dos ambientes; cortinas com material antimicrobianas, e dispenser de álcool em gel na entrada da escada de acesso. A capacidade é para transportar 44 passageiros.

GÁS ANTES DA ELETRICIDADE:

A empresa já lançou uma versão urbana, em processo de homologação para o mercado interno, e, segundo o diretor de Vendas de Soluções da Scania no Brasil, Silvio Munhoz, em 2020 a fabricante comercializou motores estacionários a gás para geração de energia em termelétricas.

A Scania deve trabalhar com linhas de créditos para financiamentos de veículos de baixa emissão de carbono.

A montadora acredita no gás natural como “solução imediata depois avançar para outras soluções quando a conta fechar”,  a exemplo da eletrificação.

A segurança é total em caso de acidentes ou explosão. Os cilindros e válvulas são certificados pelo Inmetro (em conformidade com a lei). São três válvulas (vazão, pressão e temperatura) que liberam o gás em caso de anomalia em um destes três quesitos. Os cilindros são extremamente robustos (o material é de ogivas de mísseis). Em caso de incêndio ou batida o gás é liberado para a atmosfera e se dissolve sem perigo de explosão ao contrário de um veículo similar abastecido a diesel que é mais perigoso, pois o líquido fica no chão ou pode se espalhar ao longo da carroceria.

A Marcopolo escolheu a carroceria Paradiso New G7 1050 para equipar o ônibus histórico. Ele conta com equipamentos e acessórios para garantir o máximo conforto, comodidade e segurança aos clientes, como acesso à internet, TV digital a bordo, poltronas semileito, sistema de monitoramento por câmeras, tomadas USB individuais, sistema de ar-condicionado e monitores no salão de passageiros. O modelo ainda conta com diferentes soluções da plataforma Marcopolo BioSafe, como sanitário e sistema de ar-condicionado com lâmpadas UV-C para desinfecção dos ambientes; cortinas com material antimicrobianas, e dispenser de álcool em gel na entrada da escada de acesso. A capacidade é para transportar 44 passageiros.

PLANOS ANTIGOS:

As intenções da Scania para ter um ônibus rodoviário a gás natural no mercado brasileiro não são de hoje.

O Diário do Transporte mostrou que inicialmente os planos eram para 2019, conforme anúncio durante o 1º Fórum de Transporte Público Sustentável em Buenos Aires, na Argentina, realizado pela Scania.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/10/11/scania-tera-onibus-intermunicipal-rodoviario-a-gas-natural-no-brasil-a-partir-de-2019/

Depois, a empresa havia previsto o lançamento e homologação para até o final de 2020, mesmo com os efeitos da pandemia.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/28/mesmo-com-pandemia-de-covid-19-scania-mantem-previsao-de-homologar-onibus-rodoviario-a-gnv-ate-o-fim-do-ano/

MODELOS URBANOS

Conforme já noticiado pelo Diário do Transporte, a linha urbana vai oferecer três modelos: K 280 4×2 (de 12,5 a 13,20 metros e capacidade de 86 a 100 passageiros), K 280 6×2 (15 metros, terceiro eixo direcional e capacidade para até 130 passageiros) e o articulado K 320 6×2/2, de 18,6 metros e capacidade para 160 ocupantes.

Na nova linha não são necessárias alterações significativas nos projetos das carrocerias, segundo a Scania. As instalações dos cilindros de gás podem ser feitas entre as longarinas do chassi (abaixo do assoalho) ou sobre o teto.

Os motores já serão Euro 6, tecnologia menos poluente que será obrigatória no Brasil apenas a partir de 2023. A autonomia será de 300 quilômetros. Caso seja necessária uma autonomia maior, é possível avaliar a colocação de mais cilindros.

O primeiro ônibus do Brasil abastecido a gás gerado a partir do esgoto foi apresentado em Franca, no interior de São Paulo, em 12 de novembro de 2018. Foi um veículo Scania K280 6×2 de 15 metros, que participou de uma demonstração feita em parceria com a Sabesp, a Embaixada da Suécia e a Business Sweden.

Diário do Transporte esteve presente e relatou a experiência. Além de ser um veículo sustentável, o conforto foi destaque, pois o ônibus emite menos ruídos e possui motor traseiro. Relembre: Primeiro ônibus do Brasil abastecido a gás gerado do esgoto é apresentado em Franca (SP)

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta