Senado aprova projeto que traz novas regras para linhas de ônibus gerenciadas pela ANTT. Vai à Câmara

Ônibus rodoviário registrado na ANTT

Nova redação proposta incluiu mudanças em relação ao PL original, admitindo a continuação do regime de autorizações, mas com critérios mais exigentes

ADAMO BAZANI

O Senado Federal aprovou o Projeto de Lei PL 3.819/2020 de autoria do senador Marcos Rogério (DEM-RO), sobre a regulamentação de linhas interestaduais de ônibus gerenciadas pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

A votação ocorreu na noite desta terça-feira, 15 de dezembro de 2020. O projeto não estava na pauta,mas foi incluído após pedido de alguns senadores.

A votação foi por maioria.

Apenas votaram contra os senadores Oriovisto Guimarães, Eduardo Girão, Fabiano Contarato, Soraya Thronicke, Rose de Freitas, Randolfe Rodrigues e Jorge Kajuru.

A matéria segue para a Câmara dos Deputados.

Originalmente, a proposta extinguiria o atual sistema de autorizações por linha e retomaria o regime de concessão ou permissão por meio de processo licitatório.

Mas a proposição original não agradou parlamentares, alguns segmentos do setor de transporte de passageiros e o próprio Governo Federal que criou normas e dispositivos para ampliar a entrada de novas empresas no sistema das linhas de ônibus interestaduais e internacionais.

Após um longo debate e adiamentos sucessivos de votações, em 15 de dezembro de 2020, o relator senador Acir Gurgacz apresentou um novo texto.

Entre as mudanças com a nova redação, estão a manutenção do regime de autorizações, mas com mais exigências para as empresas, como frota própria mínima de 60%, capital social de R$ 2 milhões, inscrição tributária em todos os Estados servidos pela linha requerida, e suspensão das autorizações concedidas depois de 30 de outubro de 2019.

A nova proposta de redação também proibiu a intermediação de serviços e venda individual de passagens por empresas que de apresentam como “intermediadoras”.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/12/15/projeto-sobre-linhas-da-antt-tem-nova-redacao-proposta-aceitando-autorizacoes-e-exigindo-frota-minima-propria-de-60-para-as-empresas-de-onibus/

Veja alguns pontos da redação apresentada em 15 de dezembro de 2020:

 

INTERMEDIADORAS FICAM PROIBIDAS DE ATUAR NO TRANSPORTE REGULAR:

A intermediação de serviços e venda individual de passagens por intermediadoras ficam proibidas.

Art. 1º A Lei nº 10.233 de 5 de junho de 2001 passa a vigorar com as seguintes alterações: “Art. 13………………………………………………………………… V – autorização, quando se tratar de: a) prestação não regular de serviços de transporte terrestre coletivo de passageiros, vedada a intermediação e a venda individual de bilhete de passagem. …………………………………………………………………………….” (NR)

SEM LIMITES DE AUTORIZAÇÕES:

Pela nova proposta, não haverá limites quanto ao número de autorizações, a não ser em caso de inviabilidade econômica de cada mercado

Art. 47-B. Não haverá limite para o número de autorizações para o serviço regular de transporte rodoviário  interestadual e internacional de passageiros, salvo no caso de inviabilidade técnica, operacional e econômica.

SEM SECCIONAMENTOS INTERMUNICIPAIS:

A nova redação prevê o impedimento de prestação de serviços intermunicipais dentro das linhas interestaduais

A outorga de autorização deverá considerar, sem prejuízo dos demais requisitos estabelecidos em lei: I – os mercados ofertados em cada linha a ser autorizada, vedada a realização de seccionamentos intermunicipais;

GRATUIDADES:

Todas as novas autorizações devem prever as gratuidades e benefícios sociais para os passageiros com direito

– a obrigatoriedade de oferecimento de gratuidades e de descontos tarifários previstos na legislação, com a devida forma de ressarcimento desses valores, que se limitarão exclusivamente ao serviço convencional, nos termos do regulamento do Poder Executivo;

CAPITAL SOCIAL MÍNIMO:

A nova redação da proposta exige que as empresas interessadas em autorizações tenham um capital social mínimo de R$ 2 milhões.

– a exigência de comprovação, por parte do operador, de: a) requisitos relacionados à acessibilidade, segurança, capacidade técnica, operacional e econômica da empresa, proporcional à especificação do serviço, conforme regulamentação do Poder Executivo; b) capital social mínimo de R$ 2.000.000 (dois milhões de reais).

FROTA MÍNIMA PRÓPRIA:

A proposta nova prevê ainda que a empresa que solicitar autorização tenha frota mínima de 60%

III – as características técnicas e de segurança da frota com que pretende operar as linhas, limitada a utilização de 40% da frota de veículos de terceiros;

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA:

A empresa interessada deve apresentar também um estudo de viabilidade econômica para a linha

IV – os endereços e as coordenadas geográficas dos terminais, dos pontos de apoio e dos pontos de parada que pretende utilizar; V – o estudo de viabilidade econômica para o mercado pretendido.

MULTAS DE ATÉ R$ 3 MIL:

A nova proposta também cria um limite de R$ 3 mil para multas a operadores de ônibus, com possibilidade de correções anuais.

As infrações aos serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros, realizado por operador brasileiro, sem prejuízo de sanções por infrações às normas legais, regulamentares e contratuais serão de, no máximo, R$ 3.000,00 (três mil reais), podendo ser corrigidas anualmente pelo Poder Executivo.

INSCRIÇÃO ESTADUAL:

Outra proposta prevê que as empresas interessadas nas linhas tenham inscrição l em todos os Estados onde querem operar.

Art. 4º Os operadores deverão possuir inscrição estadual em todas as unidades da federação que pretendam operar, para fins de recolhimento do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação.

AUTORIZAÇÕES CONCEDIDAS FICAM SUSPENSAS:

A proposta mantém a sugestão de suspender as autorizações concedidas depois de 30 de outubro de 2019.

5º Ficam suspensas as autorizações concedidas entre 30 de outubro de 2019 e a data de publicação desta Lei, mantidas as autorizações anteriores a esta data.

       

A ANATRIP –  Associação Nacional das Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros encaminhou ao Diário do Transporte um posicionamento da entidade sobre o projeto:

Nesta terça-feira (15), o Senado aprovou o Projeto de Lei 3.819/2020, que trata das linhas interestaduais de ônibus gerenciadas pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). O texto aprovado passa a aceitar o modelo de autorização de operação das linhas, no lugar da necessidade de se realizar licitação. O relator do projeto, no entanto, destacou que tal pleito é possível desde que com rígidos critérios a serem definidos pela ANTT.

A Associação Nacional das Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros (Anatrip) declarou total apoio ao PL.

Para a Anatrip o novo texto traz ao sistema uma regulamentação necessária, levando em conta a viabilidade técnica, econômica e operacional de cada linha disponibilizada.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Galvao disse:

    Uma dúvida: Não há nenhum tipo de “conflito de interesses” ser o relator da matéria atuante no meio e, possivelmente, beneficiário? Agora vai para discussão em outra casa, aguardemos.

    1. vagligeiro disse:

      Bem lembrado. O Aciz é dono da Eucatur / Solimões…

      1. DIEGO disse:

        Pois é, é muita safadeza, na prática, está legislando em causa própria, tudo o que está fazendo é de olho na sua empresa e não nos usuários do transporte.

  2. Wuendel disse:

    QUANTO AO TURISMO NÃO SE FAZ NADA, ESTAMOS AGONIXAMDOAGONIZANDO DESTE QUE COMEÇOU A PANDEMIA NÃO TIVEMOS APOIO DE NINGUÉM É AINDA FOMOS SURPREENDIDOS COM A COBRANÇA IMEDIATA DA TAXA DE EXTORSÃO (FISCALIZAÇAO) DE 1.800,00 POR CARRO É RETROATIVA DE 2015. SIMPLESMENTE JOGARAM A ÚLTIMA PÁ DE CAL NO SETOR MAIS PREJUDICADO COM A PANDEMIA . LAMENTÁVEL

  3. luizpcarlos disse:

    ENTENDA BEM MM. LUIZ FUX !!!
    JUIZ QUE AUTORIZAR COBRANÇA DE PEDÁGIO NA LINHA AMARELA, é Bandido de Toga, pilantra, corrupto e recebedor de propina, cometem crimes de Improbidade, Peculato, Formação de Quadrilha, Fraude a Licitação, Esbulho sobre bem público inalienável.
    ENTENDEU BEM FUX, DEPOIS NÃO VENHA QUERER MANDAR ME PRENDER, TÁ !!!

    O BÁRBARO FIM DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO.
    Por Luiz Pereira Carlos

    AO CONTRÁRIO DO QUE MUITOS PENSAM O PEDÁGIO DA LINHA AMARELA E TRANSOLIMPICA É CRIME MUNICIPAL PRATICADO POR VEREADORES E PREFEITOS, ALIADOS COM AUTORIDADES DO ESTADO, POLICIA CIVIL, JUIZES, PROCURADORES, PROMOTORES, SEFAZ-RJ, EM CONLUIO COM AGENTES DA POLICIA FEDERAL, JUIZES FEDERAIS DO TJFRJ E MINISTROS DO STJ-STF.

    Em parceria com o executivo municipal à época o Prefeito Cesar Maia e OAS-LAMSA-INVEPAR, mais tarde juntando-se a outros bandidos da POLÍCIA CIVIL & FEDERAL, SEFAZ, PROCURADORES e PROMOTORES, JUIZES e DESEMBARGADORES do TJERJ, TJFRJ, ministros do STF, STJ formando uma enorme ORCRIM de autoridades, que sem respaldo legal ou licença da ANTT, cometem crimes de Improbidade, Peculato, Formação de Quadrilha, Fraude a Licitação, Esbulho sobre bem publico inalienável.

    1 – Avenidas e Vias urbanas Municipais são BENS PÚBLICOS INALIENÁVEIS. LOM-RJ Art. 228 e 231: As ruas, avenidas e unidades de conservação são patrimônio público inalienável, sendo proibida sua concessão ou cessão, bem como qualquer atividade ou empreendimento público ou privado que danifique ou altere suas características originais. Código Civil – Art. 99, I, CC.

    2 – Se o executivo Municipal propõe uma licitação, para concessão que se sabe forjada para exploração pela iniciativa privada do bem público inalienável, na realidade ele consentiu o ESBULHO da coisa pública com claro objetivo de obter vantagens indevidas, e deve ser extinta a concessão e repatriado o bem. Artigos 42 e 43 da Lei 8.987/95: Art. 43. Ficam extintas todas as concessões de serviços públicos outorgadas sem licitação na vigência da Constituição de 1988. (Vide Lei nº 9.074/95)

    3 – Havendo o esbulho nesses termos, houve o CRIME DE IMPROBIDADE, PREVARICAÇÃO, PECULATO, FORMAÇÃO DE QUARILHA. Lei No. 13.105/15: Esbulho é, a retirada forçada do bem de seu legítimo possuidor, que pode se dar violenta ou clandestinamente. Neste caso, o possuidor esbulhado tem o direito de ter a posse de seu bem restituído utilizando-se, para tanto, de sua própria força, desde que os atos de defesa não transcendam o indispensável.

    4 – O CRIME PERMANENTE CONTINUADO desde 1997, com uso de recibos falsos, extorsão mediante ameaça e coação ao contribuinte pela obrigação de pagar, sob pena de perda de pontos na CNH. No crime continuado, há diversas condutas que, separadas, constituem crimes autônomos, mas que são reunidas por uma ficção jurídica dentro dos parâmetros do art. 71 do Código Penal… No crime permanente há apenas uma conduta, que se prolonga no tempo. Exemplo: Sequestros de pessoas, cárcere privado, ou esbulho permanente de bens públicos. (LuizPCarlos – 04.03.2021).

    Clik aqui: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.733196423903713&type=3

Deixe uma resposta