Marcopolo lança seu primeiro VLT. Início das operações será no Sul pela Giordani Turismo

James Bellini, CEO Marcopolo; e Petras Amaral, chefe de negócios da Marcopolo Next.

Chamado comercialmente de Prosper VLT, veículo pode ser indicado para rotas turísticas, para transporte urbano e intercidades

ADAMO BAZANI/JESSICA MARQUES

A Marcopolo apresentou nesta quarta-feira, 16 de dezembro de 2020, o seu primeiro VLT (Veículo Leve sobre Trilhos).

Chamado comercialmente de Prosper VLT, o veículo pode ser aplicado em rotas turísticas, para transporte urbano e metropolitano, assim como nas ligações intercidades.

O VLT foi desenvolvido pela Marcopolo Rail, que integra a Marcopolo Next, focada no desenvolvimento de novos meios de transportes sobre trilhos.

Na versão urbana, uma composição de quatro carros poderá levar até 760 passageiros.

A primeira unidade vai operar em rota turística em Bento Gonçalves, no Sul do País, pela empresa Giordani Turismo, do Sul do País.

A Marcopolo diz que está interessada em outros sistemas de transportes para mais produtos, como o People Mover ente a linha 13-Jade da CPTM e Aeroporto em Guarulhos, e TIC – Trem Intercidades entre a capital paulista e o interior de São Paulo.

A tecnologia de tração é da Voith, que, além do pacote do motor, fornece todos os acessórios para ligação nos trucks (como se fossem os chassis), que são feitos pela Randon. O sistema de freios é Knorr.

O índice de nacionalização do veículo automotriz é de cerca de 80% e quando só é carro de passageiro sendo tracionado por uma locomotiva pode ser de 100%.

A primeira unidade pode desenvolver até 120 km/h e a tração é a diesel, mas os próximos veículos para outros sistemas podem ser movidao por outras fontes, como energia elétrica e GNV.

O modelo será produzido junto ao complexo industrial da Marcopolo, em Caxias do Sul (RS), em fábrica específica para trens.

A capacidade de produção inicial será de cinco carros por mês e cerca de 100 unidades por ano, mas dependendo do volume de encomendas, o número pode ser ampliado.

O modelo pode atender a demandas de sistemas de 25 mil passageiros/hora sentido.

Em resposta aos questionamentos do Diário do Transporte na entrevista coletiva, o chefe de negócios da Marcopolo Next e executivo responsável pela Marcopolo Rail, Petras Amaral, disse que observa no mercado a tendência cada vez maior de donos de empresa de ônibus operarem sistemas de trilhos.

“Esse fenômeno da figura do operador de ônibus não operar o trem e vice-versa começa a desaparecer quando a gente começa a enxergar mobilidade de uma forma mais ampla, como realmente melhorando a experiência de vida nas cidades. Como é que eu transporto um passageiro do ponto A para o B, isso é o que interessa. Como vai ser o “last mile” dele, como vai ser a primeira milha, e que modais que o levarão.  Essa tendência, tanto nós como um grupo que o core business se baseou no ônibus estar trazendo novos modais, também vai ocorrer nas operações. Muitos operadores vão decidir operar trens e porque não, já temos alguns exemplos como o VLT de Santos.  É uma coisa que pode acontecer naturalmente. Vai depender da capacidade desse operador e de ele adquirir uma expertise dentro do segmento metroferroviário. Vai depender de uma capacidade ou se ele já tem, naturalmente vai buscar essas operações.”

Petras disse que já iniciaram conversas com sistemas de transportes do Nordeste, Minas Gerais, Espírito Santo e mais cidade do Sul do País para oferecer o VLT.

O coordenador de engenharia da Marcopolo Rail, Marcelo Campos, acrescentou que há também tratativas com cidades de outros países da América do Sul.

Os veículos vão contar com poltronas de tecido que pode neutralizar a ação do novo coronavírus, causador da Covid-19, do pacote de biossegurança chamado BioSafe pela Marcopolo.

DETALHES DO VLT:

O veículo pode ser movido por diferentes fontes de energia, dependendo da escolha do operador: a diesel, com baixa emissão ou híbrido (diesel ou GNV + elétrico).

É possível formar composições de até quatro carros de 18 metros de comprimento cada, nas versões urbanas, turismo e intercidades.

O modelo é bidirecional e pode ser produzido para circular em bitola métrica, standard ou larga.

Dados técnicos do Prosper VLT:

  • Altura interna: 2.384 mm
  • Largura interna: 2.700 mm
  • Sistema Automotriz
  • Plataforma de embarque: 1,10m
  • Posto para cadeirante: um em cada carro (0,8 m X 1,2 m);
  • Número de portas: até 6 portas laterais de cada carro (1.750 mm x 1.930 mm);
  • Saídas de emergência: 4
  • Conformidade com as normas internacionais
  • Interface em tempo real: rotas, mídia, GPS, ethernet, telas etc
  • Capacidade de Passageiros por composição de quatro carros:

Versão Urbana -760 passageiros

Versão Intercidades – 280 passageiros

Da esquerda para a direita: James Bellini, CEO Marcopolo, Susana Tercila Giordani, Leonardo Giordani e Andréia Zucchi, diretores da Giordani Turismo, e Petras Amaral, business head da Marcopolo Next.

EXPERIÊNCIA DA MARCOPOLO:

O CEO da Marcopolo, James Bellini, disse que a experiência da empresa com operadores do setor de transportes no Brasil pode ajudar na escolha e no desenvolvimento de veículos mais adequados à realidade operacional das cidades no País.

“Com este lançamento, avançamos na nossa nova frente de negócios relacionada ao setor metroferroviário, em linha com as atuais demandas de mobilidade do Brasil, no sentido de promover deslocamentos de alta capacidade com velocidade, eficiência e conforto, ampliando nosso portfólio de modais. Aportamos a nossa expertise global em transporte coletivo neste novo projeto, pois acreditamos que os vários meios de transporte podem se complementar, contribuindo para a gestão pública da mobilidade, a redução de custos e tarifas e a melhoria da fluidez do trânsito nas cidades.”

PRIMEIRO PRODUTO FERROVIÁRIO FOI APRESENTADO EM 2017:

Fundada oficialmente em 06 de agosto de 1949 com o nome de Nicola & Cia. Ltda, a Marcopolo se destacou internacionalmente na produção de ônibus, sendo líder no mercado brasileiro deste setor, com fábricas no exterior e ações em Bolsa de Valores.

Mas a empresa decidiu ampliar os ramos de atuação.

O primeiro produto sobre trilhos do grupo nasceu com o desenvolvimento de caixa para o People Mover Aeromóvel (tecnologia para vias elevadas), finalizada em novembro de 2017.

O Diário do Transporte mostrou que em 1º de julho de 2019, por iniciativa do Instituto de Engenharia, foi realizado um Workshop para apresentação do Aeromovel, um veículo leve com design que trazia características do Marcopolo Viale, o modelo mais sofisticado de ônibus urbanos da marca.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/06/29/aeromovel-brasil-e-marcopolo-rail-divulgam-tecnologia-brasileira-de-people-mover-em-workshop-na-capital-paulista/

Foi no mesmo ano que, integrada à Next, a Marcopolo Rail iniciou um novo ciclo de ampliação de portfólio, que é marcado por este lançamento do Prosper VLT e seguirá pelos próximos anos com novos produtos.

POTENCIAL MERCADO:

Para a Marcopolo, o segmento de trens leves tem potencial de mercado no Brasil.

O transporte metroferroviário está presente em apenas 13 regiões metropolitanas, de um total de 63 de médio e grande porte no País. E, apesar de atender mais de 11 milhões de passageiros por dia, ainda assim, apresenta capacidade abaixo da demanda, segundo o estudo Setor Metroferroviário Brasileiro da ANPTrilhos.

“Com o Prosper VLT, preenchemos uma lacuna no mercado brasileiro por meio da fabricação de um veículo 100% nacional nesta categoria e, portanto, bastante competitivo tanto no Brasil quanto para a América Latina”, disse o chefe de negócios da Marcopolo Next e executivo responsável pela Marcopolo Rail, Petras Amaral.

O executivo contou que o Prosper VLT foi desenvolvido após pesquisas de mercado no Brasil e na América Latina, com foco no baixo custo e capacidade maior de transportes.

“Com uma grande capacidade de customização, a Marcopolo Rail terá várias frentes de atuação: fabricação de People Movers, VLTs, carros de passageiros e uma divisão de Projetos Especiais para reformas e modernização de trens” – disse

Já a diretora da Giordani Turismo, Susana Giordani, disse que o conhecimento que a empresa já tem sobre a Marcopolo foi um dos fatores que pesaram na escolha do modelo.

“O Prosper VLT entregue à Giordani Turismo foi configurado para o atendimento ao transporte turístico ferroviário. Foi fator determinante para essa escolha a trajetória de qualidade dos produtos e a tradição da Marcopolo”

Veja mais imagens:

Adamo Bazani e Jessica Marques, jornalistas especializados em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Severo Dom Cwb disse:

    Boa sorte…. Marcopolo é simplesmente terrível para comprar peças de reposição……

  2. Renato Braz Franco diretor da Franco Planejamento e soluções Ambientais 25 anos atuando no setor ambiental. disse:

    è uma iniciativa muito louvável uma vez que sistema de transporte rodoiário esta u a beira de um colapso com muitos automóveis sendo utilizados por apenas uma passageiro oq eu é um desperdício de combustível e de tempo de deslocamento devido aos congestionamentos que ocorrem em deslocamentos entre cidades. parabéns Marcopolo que seja exitosa na produção de vários VLTs.

Deixe uma resposta