Atrasos no início de operação afetam ao menos 13 empresas de ônibus em São Paulo na madrugada desta quarta (1º)

Situação ocorre por causa de assembleias sindicais. Liminar na Justiça determinou frota mínima de 80% nos horários de pico e 60% nas demais horas

ADAMO BAZANI

O Sindmotoristas, que representa os motoristas e cobradores de ônibus na cidade de São Paulo, realiza na madrugada desta quarta-feira, 1º de junho de 2022, assembleias para decidir uma eventual greve de ônibus no dia 06 de junho.

De acordo com a SPTrans (São Paulo Transporte), que gerencia o sistema, ao menos 12 empresas de ônibus são afetadas por causa destes atos.

Segundo a gestora, as empresas responsáveis pelas linhas serão autuadas pelas viagens não realizadas.

Estas companhias atendem a todas a regiões da cidade.

Confira a relação:

Relação de empresas com atraso na saída dos ônibus

– Santa Brígida (Zona Norte);
– Gato Preto (Zona Norte);
– Viação Metrópole (Zona Leste);
– Express (Zona Leste);
– Via Sudeste (Zona Sudeste);
– Mobibrasil (Zona Sul);
– Campo Belo (Zona Sul);
– Viação Metrópole (Zona Sul);
– KBPX (Zona Sul);
– Gatusa (Zona Sul);- Sambaíba (Zona Norte)
– Transppass (Zona Oeste);
– Gato Preto (Zona Oeste).

Relação de empresas operando normalmente

– Ambiental (Zona Leste);
– Grajaú (Zona Sul);
– Sambaíba (Zona Norte);
– Spencer (Zona Norte);
– Norte Buss (Zona Norte);
– Transunião (Zona Leste);
– UPBUS (Zona Leste);
– Pêssego (Zona Leste);
– Allibus (Zona Leste);
– A2 (Zona Sul);
– Transwolff (Zona Sul);
– Transcap (Zona Oeste); e
– Alfa Rodobus (Zona Oeste).

Como mostrou o Diário do Transporte, o desembargador Davi Furtado Meirelles, do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de São Paulo determinou que ao menos 80% dos ônibus na capital paulista circulem nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h) e 60% nas demais horas em caso de assembleias nas garagens na madrugada desta quarta-feira, 1º de junho de 2022, e numa eventual greve de motoristas e cobradores anunciada para a próxima segunda-feira, 06 de junho de 2022.

A decisão é desta terça-feira, 31 de maio de 2022, e, atendendo à gerenciadora de transportes da cidade de São Paulo (SPTrans – São Paulo Transporte) estende a estes dois dias decisão que também determinou frota mínima nas manifestações anunciadas para o dia 25 de maio nos terminais que acabaram não ocorrendo.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/05/31/greve-de-onibus-em-sao-paulo-justica-determina-frota-minima-nesta-quarta-1o-e-segunda-06/

A SPTrans ainda informou que acompanha as negociações trabalhistas entre os operadores de ônibus e as empresas concessionárias e espera que haja entendimento entre as partes e que a população de São Paulo não seja prejudicada.

As empresas de ônibus não apresentaram uma nova contraproposta, além da sugerida na semana passada de aumento de 10% nos salários parcelado em três vezes, que tinha desagradado a categoria.

As reivindicações da categoria são:

– Reajuste Salarial de 12,47%, mais aumento real;

– Vale Refeição de R$ 33,00 (unitário);

– Equiparação de todos os benefícios para os trabalhadores e trabalhadoras das empresas do sistema complementar (empresas novas);

– Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) de R$ 2.500,00;

– Fim das escalas com uma hora para refeição sem remuneração;

– Reajustes nos valores dos benefícios: Auxílio Funeral, Seguro de Vida, – Convênio Médico e Odontológico etc;

– Adequação das nomenclaturas do Plano de Carreira do Setor de Manutenção, equiparação salarial e promoção para funcionários e funcionárias Fora de Função.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. ANDERSON ALESSANDRO OLIVEIRA ARAUJO disse:

    Se repararem bem, somente as empresas estruturais (as empresas tradicionais de SP) estão articulando esse movimento… As empresas locais (ex-cooperativas) não param porque o próprio “contrato de trabalho” já inibe essa prática, dando possibilidades para que a pessoa, participando de algo assim, seja dispensada…

  2. Marconi Araújo Aires disse:

    Porque não retirar os cobradores, não serve para nada, se o passageiro. QUÊ pagar a passagem com dinheiro ELES reclamam. SÓ dormem. SERVE pra NADA.

  3. anderson disse:

    negativo anderson, a verdade é que as demais empresas locais eles temem fazer algo… pois sabem quem manda nelas

Deixe uma resposta