ENTREVISTA: Maquinistas das linhas 8 e 9 (ViaMobilidade) trabalham 12 horas por dia e treinamento foi menos da metade do ideal, diz sindicato

Segundo presidente do sindicato dos ferroviários das linhas, funcionários não podem ser responsabilizados, mas condições de trabalho, ao menos em parte, explicam acidentes e a série de problemas nos serviços que foram concedidos

ADAMO BAZANI

OUÇA ACIONANDO O PLAY

Maquinistas das linhas 8 e 9 de trens metropolitanos de São Paulo, concedidas à ViaMobilidade, estariam trabalhando até 12 horas por dia, sem paradas adequadas a cada viagem, enquanto que na CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), estatal que controlava as linhas, a jornada era de oito horas diárias, com intervalos entre 10 minutos e 15 minutos a cada viagem.

A informação é do presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana, José Claudinei Messias.

Além disso, enquanto que na CPTM, o tempo de treinamento para que um maquinista possa atuar é entre oito e dez meses com acompanhamento de um monitor; na ViaMobilidade, a capacitação de maquinistas dura aproximadamente quatro meses.

Para o sindicalista, as condições atuais de trabalho dos funcionários da ViaMobilidade podem explicar, ao menos em parte, as constantes falhas e até mesmo acidentes envolvendo os trens e operação da empresa.

“O funcionário que conduz o trem trabalha 12 horas, trabalha três dias e folga dois. E, em algumas escalas, trabalha dois dias e folga três. É uma escala que pode ser interessante para alguns maquinistas, mas é extenuante, extremamente cansativa. Na CPTM, a carga horária era de oito horas.” – explicou.

Segundo Messias, existem alguns momentos de maior estresse e necessidade de atenção, nos quais, com o cansaço do maquinista, o risco de falhas e até acidentes é maior, como na chegada às plataformas, na abertura das portas dos trens (que é um processo manual), sinalização, na passagem do trem em meio a trechos urbanos onde o risco de pessoas e animais na via é grande, entre outros.

O sindicalista também relacionou outros pontos sobre as linhas 8 e 9, como a operação de trens mais antigos, sendo que os mais novos foram para a CPTM; necessidade de manutenção mais profunda nos trens recebidos da CPTM (por exemplo, rodeiros – conjunto de rodas – que já estão com 1,6 milhão de km rodados – e não foram revisados ainda) e a necessidade de revisão em toda a infraestrutura de rede aérea, trilhos e plataformas.

As linhas 8 e 9 recentemente registraram ocorrências graves, como a morte de um funcionário em de 10 de março de 2022, após receber uma descarga elétrica enquanto fazia uma manutenção na região da Estação Pinheiros da Linha 9-Esmeralda (https://diariodotransporte.com.br/2022/03/10/funcionario-da-viamobilidade-morre-eletrocutado-na-estacao-pinheiros/ ) e, também em 10 de março de março de 2022, a batida de um trem da linha 8-Diamante no limite da plataforma na estação Júlio Prestes (https://diariodotransporte.com.br/2022/03/10/trem-bate-em-final-de-linha-8-viamobilidade-na-estacao-julio-prestes/ ).

O Diário do Transporte procurou a ViaMobilidade sobre as declarações do presidente do sindicato.

A concessionária  informou que o período de treinamento de quatro meses é previsto no contrato de concessão, que as 12 horas de jornada são padrão e que realiza as manutenções e investimentos.

Veja nota na íntegra:

A ViaMobilidade informa que seguiu o que foi previsto no Contrato de Concessão. O repasse de funções foi supervisionado pelo Auditor Independente e Poder Concedente. A validação, assim como os treinamentos, seguiram estritamente o regulamento previsto no contrato, cumprindo o período de 4 meses de treinamento na formação de maquinistas.

Em relação à jornada de trabalho dos maquinistas, a diária padrão é de 12 horas com 1 hora de descanso/refeição. A jornada semanal é de 35 horas, o que perfaz uma carga horária mensal média de 176 horas.

Quanto às melhorias que serão realizadas, a concessionária reforça que possui um diagnóstico da atual estrutura das linhas e já deu início ao plano de ação para o primeiro ano de operações com investimentos importantes. A concentração destes investimentos, nos primeiros doze meses, irá focar na modernização da Via Permanente (trilhos) e da Rede Aérea (sistema responsável pela transmissão de energia elétrica para movimentação dos trens).

O repasse de modais da CPTM para a ViaMobilidade foi de 38 trens da Série 7.000 , dos quais 14 trens fizeram revisão de nível RF (vistoria de quilometragem rodada). Da série 7.500, o edital informa que dois trens passaram por revisão de nível e 6 outros trens da série também carecem de revisão. Vale ressaltar que os trens que operavam nas linhas 8 e 9 eram majoritariamente da série 8000, que entraram em serviço em 2012 e eram mantidos pela PPP da CTtrens. Estes foram substituídos por trens da série 7000, que iniciaram a operação após manutenção realizada pelas equipes da CPTM. Todos os trens da frota recebida que estiverem com mais de 1,2MM de quilômetros terão que passar por revisão geral, conforme obrigação contratual, e parte será devolvida após a chegada dos 36 novos trens.

A ViaMobilidade entende que este processo de atualização dos sistemas é transitório e que, ao final, resultará em uma infraestrutura de transporte público mais eficiente, segura e confortável para nossos clientes

Por fim, a concessionária avalia que as mudanças complexas que ocorrerão no primeiro ano de concessão, já darão ao cliente maior conforto e segurança, além de confiabilidade e estabilidade do sistema. E reforça que todas as obras de melhorias envolvem uma logística complexa e deverão ocorrer ao longo da operação regular das linhas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Joana disse:

    Isto é apenas resultado de um pecimo trabalho que assa via mobilidade está prestando e mais acidente voa econtescer essas operações estão pecimas em 17 anos usando a linha 7 nunca vi uma administração horroroso dessa .os trens por dentro parece um lixo não limpam e um nojo.

  2. Mariana Tratoria Spectaculare disse:

    Piada!

  3. ECAVs disse:

    A concessão da Via Mobilidade são as linhas 8 e 9. A pessoa acima sitou a linha 7 (???). Estranho mesmo a população esquecer que qdo as linhas pertenciam a CPTM, os mesmos problemas aconteciam, inclusive com colisões de trens, avanços de sinais, sobrecarga de trabalho, falta de manutenção preventiva e corretiva nos trens, atrasos por avarias de equipamentos de via, rede aérea etc. O diferencial eh que hoje tem um nome para se cobrar e nas mãos da CPTM os problemas eram abafados para não haver críticas a Secretária de Transportes e por consequência, do Governo do Estado. Hipocrisia querer dizer que tudo era um mar de rosas. Detalhe principal, eh o sindicato querer aparecer agora, sendo que durante décadas deixou os funcionários da CPTM abandonados … Esse eh o povo brasileiro que sempre tenta empurrar os problemas para o outro resolver, de efetivo eh zero …cobrar eh mais fácil, ter proatividade e apresentar soluções, ter parceria eh zero.

  4. AGNALDO PEREIRA DA FONSECA disse:

    Não entendi, tem 60 dias que a via mobilidade assumiu as linhas, como foram treinados só 120 dias?

  5. Carlos Roberto Costa disse:

    Uso a linha 8 desde 85, acompanhei a transiçao fepasa cptm tinha dificuldades claro que tinha mas a linha de itapevi era a mais bonita de todas, os fepasoes, que nenhuma linha tinha igual e as estaçoes grandes e bonitas, veio a cptm e depois a serie 8000 era exclusiva muito boa, agora sinto tristeza, a linha 8 regrediu e do jeito que esta de antes moderna e a mais cobiçada virou a mais abandonada, enquanto passa 3 trens pro grajau em presidente altino, passa 1 pra itapevi, sem contar que jogaram todos os series 8500 no grajau e deixaram os restos da serie 7000 na linha 8, e ainda colocaram uns anuncios que irritam avisando a estaçao e o estranho é que na linha 8 os avisos sao mais limitados enquanto na linha 9 os avisos parece que copiaram trecho da cptm e colaram com trecho da via mobilidade, limpeza no trem você só ve na linha 9 quando chega em osasco ja entra a limpeza, itapevi nem vi mais as mulheres da limpeza amador bueno entao nem se fala eu sinceramente achei que por esta empresa ser responsavel por linha de metro iria contribuir pra algo melhor ficou pior prefirio mil vezes a cptm pois esta uma zona a estaçao itapevi esta abandonada

  6. DENIS FERREIRA DA SILVA disse:

    Eu utilizo as linhas 8 (de jandira a osasco) e 9 (de osasco ao socorro) todos os dias a aproximadamente 11 anos em horario de pico. E eu nao me recordo de tantas ocorrencias em tres meses seguidos como vem acontecendo desde que a viamobilidade assumiu.
    Atrasos, falhas, catracas (por causa do QR code)
    Ta bem complicado msm.

  7. marocos disse:

    isso tudo é manobra do sindicato para ferrar com a adm nova… fato
    só sabem atrapalhar

  8. José Brunelli Neto disse:

    TRABALHEI MUITOS ANOS NA FERROVIA E O TREINAMENTO DA CPTM NAO NADA DE ESPECIAL DEMORA ATE MENOS TEMPO QUE O DA CONTRATADA ISTO E BRIGA POLITICA

  9. José Brunelli Neto disse:

    A CPTM NAO E TUDO ISTO NAO O TREINAMENTO E IGUAL DELES

Deixe uma resposta