Prefeitura de São Paulo assina contrato para elaboração de projeto do BRT Aricanduva

Obra criará vias exclusivas para ônibus entre a Radial Leste e o Terminal São Mateus, aumentando a velocidade dos veículos e diminuindo o tempo de viagem; Ciclovias também serão implantadas

WILLIAN MOREIRA

Foi assinado nesta quinta-feira, 22 de julho de 2021, o contrato entre a SPObras e empresa que será responsável pela elaboração do projeto de corredor BRT (Bus Rapid Transit) no Aricanduva que tem a projeção de contar com 13,6 km de vias exclusivas para ônibus.

A empresa responsável terá um prazo de 12 meses para concluir o projeto e apresentar para a prefeitura, contando da emissão da ordem de serviço.

O novo projeto viário voltado para o transporte público e mobilidade urbana realizará uma conexão direta entre a Avenida Alcântara Machado (Radial Leste) e o Terminal São Mateus, mais a Zona Leste.

Desta forma o usuário do transporte público terá nas extremidades do corredor a possibilidade de acessar o sistema de ônibus e trólebus intermunicipais da EMTU em São Mateus (Metra) e o sistema sobre trilhos com a Linha 15-Prata de monotrilho, Linha 3-Vermelha de metrô e 11-Coral de trens metropolitanos, uma vez que as estações ficam bem próximas.

A expectativa é de beneficiar de forma direta 290 mil passageiros e promover uma diminuição no tempo de viagem.

Para isso, um novo Centro de Controle Operacional deverá ser construído para fazer o gerenciamento do corredor.

Natural dos sistemas de BRT, o passageiro efetuará o pagamento da tarifa na estação de embarque e não no interior do coletivo, também promovendo um ganho de tempo na viagem.

Atualmente, na cidade de São Paulo há apenas um sistema com características de BRT, o Expresso Tiradentes, com oito quilômetros entre o Terminal Sacomã e a Estação-Terminal Mercado, na região do Parque Dom Pedro II, no centro.

Há a estimativa também de que a partir de 2023, um BRT Metropolitano com ônibus elétricos, partindo do ABC Paulista e circulando em São Paulo pelas regiões do Tamanduateí, Ipiranga e Sacomã.

De acordo com a SPObras, o projeto do BRT Aricanduva também prevê a construção de uma ciclovia na sua extensão, criando conexões com outras vias exclusivas de bicicletas presentes nas proximidades das pontas do corredor na Radial Leste e na Avenida Sapopemba, junto ao terminal de São Mateus.

SOBRE O CORREDOR DO ARICANDUVA

O BRT-Corredor Aricanduva tem previsão para ligar a região de São Mateus, conectando o monotrilho da linha 15-Prata e o Corredor de Ônibus e Trólebus ABD até o outro extremo da região junto à Avenida Radial Leste, possibilitando a chegada ao Metrô Carrão (linha 3-Vermelha).

O trajeto, que também deve fazer conexão com as linhas 11 e 12 da CPTM, por meio do contato com a linha 3-Vermelha ainda na zona Leste, contará com aproximadamente 13,6 km de extensão em pavimento rígido e estações de embarque e desembarque.

A região engloba 1,1 milhão de usuários e, somente pelo corredor, devem passar em torno de 300 mil passageiros por dia.

As obras do corredor foram prometidas em 2011 com previsão inicial de entrega em 2014.

Em 2014, a data de entrega foi alterada. No dia 11 de setembro de 2014, o então o Secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, da gestão Fernando Haddad, prometeu a obra para 2016, o que não se concretizou também.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2014/09/11/brt-radial-e-corredor-aricanduva-ficam-prontos-ate-2016/

O projeto também enfrentou questionamento no TCM/SP – Tribunal de Contas do Município de São Paulo.

Somente em dezembro de 2019, foi aberta uma licitação para escolher a empresa ou consórcio responsável pela elaboração do projeto.

https://diariodotransporte.com.br/2019/12/20/prefeitura-de-sao-paulo-abre-licitacao-para-projetos-do-corredor-de-onibus-aricanduva-caram-fala-em-r-100-milhoes-do-banco-mundial/

No dia 24 de abril de 2020, prefeitura de São Paulo por meio da Secretaria de Mobilidade e Transportes (SMT) informou que o Banco Mundial aprovou o empréstimo para a cidade no valor de US$ 97 milhões que será destinado par a construção do corredor.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/04/24/banco-mundial-vai-emprestar-us-97-milhoes-para-a-construcao-do-brt-aricanduva/

O empréstimo tem garantia do Governo Federal e prazo de 15 anos de amortização, ou seja, quitação desta dívida com pagamentos periódicos em valores pré-fixados.

Parte do dinheiro será destinada também a modernização do Centro de Controle Operacional (CCO) da SPTrans, permitindo uma melhor análise e controle da operação na cidade.

O BRT-Aricanduva será um corredor com estações (paradas) para embarque e desembarque, contará com 14km e tem previsão para atender 300 mil pessoas por dia.

A SMT informou ao Diário do Transporte, na ocasião, que ainda haverá a licitação deste corredor. Não há data oficializada para o início e fim das obras.

“A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, informa que o Banco Mundial aprovou um empréstimo de US$ 97 milhões para a construção do BRT Aricanduva. O projeto, que prevê 14km de percurso e deverá atender 300 mil passageiros, ainda será licitado.”

No dia 20 de junho de 2020, a São Paulo Obras, da prefeitura de São Paulo, assinou Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (SIURB) objetivando a cooperação técnica na implementação das atividades do Projeto “Programa De Melhoria Da Mobilidade Urbana Universal – Corredor Aricanduva”, conforme Contrato de Empréstimo firmado entre o Município de São Paulo e o Banco Internacional para Reconstrução de Desenvolvimento – BIRD. O prazo foi estipulado em 60 meses.

Caberá a esta UGP, de acordo com o decreto 59.615, o planejamento, a coordenação e a execução das etapas de preparação, negociação e execução do projeto.

Ainda de acordo com a publicação oficial, a obra tem “o objetivo de ampliar a capacidade de operação do transporte coletivo para grande parte da população da região Leste da Cidade de São Paulo, notadamente os moradores de baixa renda, melhorando a acessibilidade para os usuários.”

Em 22 de julho de 2021, foi assinado o contrato entre a SPObras e empresa que será responsável pela elaboração do projeto de corredor BRT (Bus Rapid Transit) no Aricanduva.

A empresa recebeu um prazo de 12 meses para concluir o projeto e apresentar para a prefeitura, contando da emissão da ordem de serviço.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Fernando disse:

    Mais uma obra que vai começar e não será terminada, assim como o corredor da av.lider/Itaquera.
    E mais uma vez vamos pagar estes 97 milhões que serão desviados por estes governantes corruptos.

  2. Regis Campos disse:

    Mais um corredor de ônibus que se mostrará inútil sem um sistema o interligando à outros corredores.

  3. Rodrigo Zika disse:

    Ainda isso, precisa fazer o da Radial se não vai ligar a lugar nenhum.

  4. Rodrigo disse:

    Nossa assinaram um papel, criando uma linha exclusiva de São Mateus a radial kkkkk esses zé ruelas de prefeito e governador, não cansam de passar vergonha… ow idiota já existe uma faixa (linha) exclusiva para ônibus de São Mateus a radial Leste…

  5. Nilson Gonçalves disse:

    gostaria muito se acontecer, porém,o passado os condena,quem viver verá. Assim foi com o Expresso Tiradentes que até hoje se arrasta e não termina

  6. Claudio disse:

    Não terminou, nem as obras da avenida Itaquera em Artur Alvim e vem falar em novas obras

  7. Joaquim Teófilo Melgaço disse:

    Isso é mais uma maracutaia para os envolvidos na “obra”, terem a oportunidade de desviar grande parte desse dinheiro para suas proprias contas, como de costume, é claro. Quem viver verá.

  8. Marcio JJJ disse:

    O grande problema da cidade de São Paulo é a falta de transporte sobre trilhos (metrô, trem e monotrilho).

    1. Fernando disse:

      Não acredito que que este seja o grande problema do Brasil, mas sim a incompetência dos gestores de transportes, que gerência o transporte público como um balcão de negócios a favor das empresas, cria ciclovia para meia dúzia de ciclistas que no final acaba prejudicando o resto do transportes.
      Que retira ônibus de interligações importantes alegando melhorias que ninguém vê. E é fácil ficar sentado na mesa dando canetadas, quero ver se alguns deles vem pegar qualquer destes meios de tranpostes no dia a dia, não com um monte de repórteres e seguranças.

  9. Silmara disse:

    Deveria ser um projeto de monotrilho e não de BRT, aí sim seria útil e não só mais uma obra pra inglês ver

Deixe uma resposta