TUGA reassume transporte em Espírito Santo do Pinhal com “abandono” do Grupo Tamboré (Radar)

Linhas devem ser normalizadas nesta sexta-feira (02)

ADAMO BAZANI

A TUGA (Transportes Urbanos Guaxupé) reassumiu de forma emergencial os transportes em Espírito Santo do Pinhal, no interior paulista, que vive um imbróglio quanto à concessão dos serviços de ônibus.

A informação foi divulgada pela prefeita Cristina Brandão em redes sociais nesta quinta-feira, 1º de julho de 2021.

As linhas devem ser operadas integralmente nesta sexta-feira, 02 de julho de 2021, pela TUGA, mas algumas viagens passaram a ser feitas já nesta quinta-feira.

De acordo com a prefeita, a Viação Radar Eirelli (Grupo Tamboré) “abandonou” os serviços sem comunicação prévia por parte da companhia.

Como mostrou o Diário do Transporte, o Grupo Tamboré assumiu emergencialmente as linhas em um contrato de 180 dias, com início de operações em 17 de fevereiro de 2021.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/02/17/viacao-radar-inicia-operacoes-normalmente-em-espirito-santo-do-pinhal-diz-prefeitura/

A prefeita disse que o Grupo Tamboré apresentou a necessidade de subsídios por causa da redução do número de passageiros com o prolongamento da pandemia, mas que explicou à empresa que o poder público não tinha condições de fazer a complementação tarifária.

Como não houve comunicado prévio sobre a interrupção de serviços, a prefeitura deve processar o Grupo Tamboré.

O Diário do Transporte mostrou que a prefeitura tenta, sem sucesso, licitar o sistema, mas que nas últimas concorrências não apareceram interessados.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/03/16/espirito-santo-do-pinhal-tem-nova-licitacao-do-transporte-declarada-deserta/

Em fevereiro de 2020, portanto há mais de um ano, a prefeitura lançou a primeira licitação para o transporte coletivo municipal. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/02/08/aberta-licitacao-do-transporte-coletivo-em-espirito-santo-do-pinhal/

O transporte coletivo, então responsabilidade da empresa TUGA (Viação Guaxupé Ltda), teve a concessão encerrada oficialmente em junho de 2016 após 20 anos de contrato.

Desde então, os serviços vinham sendo prestados em caráter emergencial.

O último reajuste tarifário até aquela data havia sido concedido em 10 de setembro de 2019, elevando em 12,9% o valor da passagem, que saltou de R$ 3,10 para R$ 3,50.

Em abril de 2020 a prefeitura precisou marcar nova data para o certame, publicando novo aviso de licitação, com a sessão de abertura das propostas marcada para as 09h10 do dia 16 de junho seguinte. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/04/17/espirito-santo-do-pinhal-marca-licitacao-do-transporte-para-16-de-junho/

Nessas duas oportunidades a prefeitura declarou as licitações desertas.

Por causa disso, a administração municipal decidiu abrir processo de chamamento público para compor processo de contratação emergencial de transporte coletivo, pelo prazo de até 180 dias, em caráter urgentíssimo.

A publicação saiu na edição do Diário Oficial do Estado de 13 de agosto de 2020.

A prefeitura justificou a contratação por dois motivos. Em primeiro lugar porque a Licitação, por duas vezes, foi deserta. E depois porque não havia possibilidade de concluir novo processo licitatório em tempo hábil.

A Tarifa de Remuneração Vigente de R$ 3,50 deveria então ser a tarifa máxima durante a vigência do contrato emergencial.

De acordo com a publicação da época, o Sistema de transporte coletivo era composto de 05 linhas, sendo: Linha 1 – 17 km de extensão Linha 3 – 16,5 km de extensão Linha 4 – 16 km de extensão Linha 5 – 15 km de extensão Linha 6 – 16 km de extensão.

A média de passageiros equivalentes mensais, considerando o período de 01/2019 a 06/2020, era de 32.477 passageiros.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/08/13/prefeitura-de-espirito-santo-do-pinhal-abre-chamamento-publico-para-transporte-coletivo-em-carater-emergencial/

A Viação Itupeva Ltda foi a empresa contratada para a prestação de serviço do transporte coletivo no município, válido por 180 dias.

A empresa assumiu a operação no dia 17 de agosto de 2020, em substituição à antiga operadora, a Viação Guaxupé (Tuga), com a tarifa a R$ 3,35.

Com o fim do contrato com a Itupeva, no dia 16 de fevereiro de 2021 a prefeita de Espírito Santo do Pinhal, Cristina Brandão, anunciou nova empresa para assumir emergencialmente os transportes coletivos na cidade: a Viação Radar Eireli – ME.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2021/02/16/viacao-radar-vai-assumir-emergencialmente-transporte-em-espirito-santo-do-pinhal-sp-diz-prefeita/

Com a licitação, a prefeitura pretende finalmente realizar a concessão por um prazo mais prolongado.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    Ora.Estatiza tudo de vez e PRA SEMPRE e acaba a mehrdhy@,pôha.

  2. Wilson Silva dos santo disse:

    Muito bom prefeita so q aq na minha rua frente a minha casa tem um ponto de ônibus e existe uma grande cratera no asfalto .E joga água no meu muro toda vez q o ônibus passa .Rua Tarcísio Mendes n 240 Hélio vergueiro leite. Vc esquece q a periferia também vota????

  3. Marco Antônio da Silva disse:

    Senhores, o problema do transporte coletivo está nos inúmeros veículos de “aplicativo” que existe no município de Pinhal. “Aplicativos” não pode ter telefone na porta dos veículos, central de atendimento, estacionamento fixo ( atrás da igreja da praça da matriz fizeram um ponto) e não pode ser qualquer veículo. E ainda quem carrega passageiros tem que ter habilitação com detalhe na observação da habilitação de EAR- EXERCE ATIVIDADE REMUNERADA. Ou seja, estão TODOS ILEGAIS. Mas o erro não está nessa administração atual da prefeitura, pois a anterior foi notificada oficialmente o que acontecia e nada fez. Ande em Campinas, São Paulo, Ribeirão Preto e encontre telefones nós veículos de aplicativo!! Nunca vão encontrar, é ILEGAL!!! Portanto, o transporte coletivo em Pinhal está morto, e quem mais sofre são os aposentados e a classe menos favorecida.

Deixe uma resposta para Marco Antônio da Silva Cancelar resposta