Metrô abre licitação para concessão de naming rights para estações Saúde, Penha, Carrão, Anhangabaú, Brigadeiro e Consolação

Foto: Metrô de SP

Editais para cada espaço estarão disponíveis apenas na terça-feira, 04 de maio

ALEXANDRE PELEGI

O Metrô de São Paulo divulgou hoje o início do processo de concessão de naming rights de seis estações da companhia. São três estações da Linha 3-Vermelha, duas da Linha 2-Verde e apenas uma da Linha 1-Azul, a mais antiga do sistema metroviário.

No Diário Oficial deste sábado, 1º de maio de 2021, foram publicados os avisos de licitação para concessão do direito de nomeação parcial das estações Saúde, Penha, Carrão, Anhangabaú, Brigadeiro e Consolação.

Os editais estarão disponíveis na próxima terça-feira (04), e cada certame terá uma data diferente no início de junho.

Estação Carrão (Linha 3) – 08 de junho 2021, às 10:00h

Estação Penha (Linha 3) – 09 de junho 2021, às 10:00h

Estação Saúde (Linha 1) – 10 de junho 2021, às 10:00h

Estação Anhangabaú (Linha 3) – 11 de junho 2021, às 10:00h

Estação Brigadeiro (Linha 2) – 14 de junho 2021, às 10:00h

Estação Consolação (Linha 2) – 16 de junho 2021, às 10:00h

O modelo de Naming Rights consiste na concessão do direito de associar uma marca ou produto a algum evento ou local.

No Brasil, a prática se tornou muito comum com casas de espetáculos e estádios de futebol para a Copa do Mundo de 2014, que tiveram os nomes associados a marcas de patrocinadores e empresas responsáveis pelos empreendimentos.

A Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU) da Prefeitura de São Paulo aprovou a proposta do Metrô no dia 10 de fevereiro de 2021.

O aceite do projeto foi obtido com sete votos a favor e três abstenções, e era fundamental para a Companhia poder prosseguir com o projeto. Foram analisadas questões como possíveis poluições visuais, mudanças estéticas e urbanísticas das estações e seu entorno, tomando como direção da discussão os fundamentos presentes na Lei Cidade Limpa.

Na justificativa da Companhia do Metropolitano de SP (Metrô) na reunião em que participou o Diretor Comercial, Cláudio Roberto Ferreira, foi colocado como exemplo a queda notável de receitas da empresa no ano passado devido à pandemia do coronavírus, caindo de R$ 2,126 bilhões em 2019 para R$ 957 milhões de receita tarifária em 2020. Ou seja, estes valores foram obtidos apenas com a comercialização e cobrança de bilhetes de embarque para viagem.

Outra intenção é aproximar as grandes marcas do modal, modelo similar presente nos sistemas metroviários de Nova Iorque, Dubai, Mumbai, Kuala Lumpur, Chicago, Boston e já no Rio de Janeiro, que conta com a estação Botafogo-Coca Cola.

Recentemente, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) contratou a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas –FIPE para realizar estudos técnicos que viabilizem a aplicação de naming rights nas estações Vila Olímpia (Linha 9 Esmeralda), Mooca (Linha 10 Turquesa), Luz (Linha 7 Rubi) e Brás (Linha 11 Coral).

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta