Após Anfavea prever alta de 13% nas vendas de ônibus em 2021, Scania demonstra otimismo com mercado

Modelo K 440 8x2 foi o segundo mais vendido de 2020, com 25% de participação. Foto: Divulgação.

Em 2020, fabricante produziu 394 chassis, comparados a 901 em 2019

JESSICA MARQUES

O diretor de Vendas de Soluções da Scania no Brasil, Silvio Munhoz, demonstrou otimismo com as vendas de ônibus para o ano de 2021.  Anteriormente, a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) havia previsto que a alta seria de 13% no número de chassis vendidos no Brasil.

Segundo Munhoz, a perspectiva é positiva considerando como um dos fatores a estabilidade da pandemia de covid-19 e a retomada da demanda pelo transporte coletivo. Portanto, a fabricante acredita no mesmo percentual de crescimento divulgado pela Anfavea.

“Para ônibus, a perspectiva é positiva. Não tanto quanto para o mercado de caminhões, mas haverá um crescimento. O ano de 2020 foi muito ruim e não se repete, com certeza. Já vamos ter um efeito positivo com a movimentação de pessoas, impactando positivamente na necessidade de renovação de frota dos operadores que não o fizeram em 2020. Nós temos uma renovação represada que, a partir do momento em que a movimentação de passageiros começa a acontecer, em 2021, essa renovação vai aos poucos sendo liberada”, afirmou Munhoz.

A afirmação foi feita em entrevista coletiva, da qual participou o Diário do Transporte. Na ocasião, a Scania também apresentou o balanço do último ano. Em 2020, a fabricante produziu 394 chassis, comparados a 901 em 2019, uma queda de 56,3%. A participação de mercado foi de 3,5%.

“Além do grande impacto negativo da pandemia, houve um movimento de compras nos rodoviários de motor dianteiro, categoria que não temos produtos. O que é um sinal de busca por alternativas menos atrativas e de menor custo de aquisição”, explicou o gerente de Vendas de Soluções para Mobilidade da Scania no Brasil, Fábio D´Angelo.

De modo geral, considerando a faixa de atuação da Scania (acima de oito toneladas de capacidade de carga), a indústria emplacou 11.173 unidades contra as 17.517 de 2019.

Do volume de 394 chassis emplacados, 383 foram de rodoviários. Neste caso, a participação foi de 12,1%. O mercado total de rodoviários emplacou 3.162 unidades contra as 3.994 de 2019.

Nos urbanos acima de oito toneladas, a Scania emplacou 11 unidades, contra 56 de 2019. Foi a primeira venda de articulados da Scania para São Paulo. A operadora é a Express Transportes Urbanos e a versão K 310 6×2/2.

Relembre:

Express Transportes, da zona Leste de São Paulo, deve começar a receber lote de ônibus articulados Caio/Scania na próxima semana

“Temos um potencial maior de retomada do mercado, mas muitos segmentos só irão andar depois da imunização mais ampla. Por exemplo, o Turismo. A população vai esperar mais para viajar sem preocupação. As empresas estão investindo em medidas seguras de higienização e distanciamento de poltronas, estão fazendo sua parte. Por outro lado, o fretamento já voltou a demandar. Nos urbanos, a expectativa é de alta de vendas e maior busca pelas opções sustentáveis. Vamos continuar ao lado do cliente com o suporte do Banco e Consórcio Scania”, afirmou também o gerente.

D´Angelo também avalia que a crescente atuação dos aplicativos de passagens está e continuará levando o mercado para uma nova realidade de concorrência.

“O passageiro vai em busca de facilidades, agilidade, e quer ter uma experiência eficiente do começo ao fim da viagem. A disputa cresce e quem tiver a melhor frota, mais nova e confortável, vai se destacando. Por isso, será ainda maior a procura por soluções que aumentem a eficiência e reduzam os custos operacionais. E, a linha Scania oferece as melhores soluções ao cliente”, afirmou.

MODELOS MAIS VENDIDOS

No ranking de vendas Scania por modelo, o K 400 6×2 foi o campeão com 30% do volume de retiradas. Um dos clientes foi a Real Maia, que adquiriu 19 unidades, além de outras 12 do K 360 6×2.

O segundo colocado foi o K 440 8×2 com 25% de participação, e que continua em evidência na categoria de 15m e dois pisos (DD ou double decker).

Segundo a Scania, o destaque do ano nesta categoria foi a primeira aquisição de veículos DD 8×2 da Viação Gontijo, tradicional operadora de 6×2.

A empresa comprou quatro unidades e mais uma para a Viação São Cristovão, de seu grupo. No total, a Gontijo obteve 22 chassis no ano passado (outros 17 K 400 6×2). O terceiro produto mais comercializado da Scania foi o K 310 4×2 com 14% das retiradas.

Relembre:

Ônibus de dois andares da Gontijo chegaram à garagem da empresa neste sábado (09)

“Continuamos oferecendo ao cliente a melhor solução que engloba produto, serviços, gestão de frota, conectividade e modalidade financeira via Banco ou Consórcio”, afirmou D´Angelo.

Em 2020, 50% das unidades vendidas contaram com as soluções financeiras Scania. “Inseridas nesse contexto, empresas como a Viação Boa Esperança e Viação Cetro, também optaram pelo plano de manutenção e o pacote de conectividade para todos os veículos adquiridos no ano passado, reconhecendo as vantagens em adotar nossas soluções para a rentabilidade de seus negócios”, complementou o executivo.

Leia também:

Covid-19: Scania reforça importância de ônibus eficientes para reduzir custo operacional em meio à crise no setor de transportes

ÔNIBUS A GNV

A Scania confirmou na manhã desta sexta-feira, 05 de fevereiro de 2021, que vai entregar um modelo de ônibus de fretamento, versão rodoviária, movido a gás natural. O modelo vai para a empresa Turis Silva, do Rio Grande do Sul, que também testa um rodoviário elétrico da BYD.

Relembre:

Scania vai entregar primeiro ônibus rodoviário/fretamento a gás natural Euro 6 para a Turis Silva. Carroceria é Marcopolo com BioSafe contra a covid-19

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta