Lentidão e superlotação na Linha 11-Coral e CPTM não informa passageiros na manhã da terça-feira (10)

Estação Guaianases das Linha 11-Coral às 08h20. Foto: Dh Silva/Reprodução Twitter

Apesar das manifestações de usuários, Companhia não comunicou de forma espontânea o que acontece em seu aplicativo ou site oficiais. Falta de informação em casos de falha na prestação do serviço já ocorreu em vezes anteriores neste ano

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

Desde às 8h da terça-feira, 10 de novembro de 2020, passageiros que utilizam os trens da Linha 11-Coral encontraram lentidão e excesso de lotação.

Nas redes sociais, usuários relatam mais de 20 minutos esperando um trem e não há qualquer informação por parte da empresa.

A Linha 11-Coral atende das estações Luz até Estudantes na cidade de Mogi das Cruzes.

O Diário do Transporte procurou a CPTM e aguarda retorno.

Sem resposta da CPTM depois de mais uma hora de solicitação, o Diário do Transporte também procurou a STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos.

Só por volta das 10h é que a CPTM respondeu.

Na manhã desta terça-feira (10/11), às 7h54, foi constatada uma falha no AMV – Aparelho de Mudança de Via – entre as estações Guaianases e Jose Bonifácio. As equipes de manutenção foram acionadas e, às 8h20, regularizaram a operação. Neste período, os trem operaram com velocidade reduzida e maior tempo de parada no trecho. A CPTM pede desculpas aos passageiros pelos transtornos

Mais uma vez, a rede registra problema e a estatal não informa em suas redes oficiais de forma espontânea, como faz o Metrô, por exemplo.

Em resposta a um passageiro, a empresa diz que houve um defeito técnico, sem dar mais detalhes.

“Houve uma ocorrência técnica na região de Guaianases que está causando velocidade reduzida e maior tempo de parada em algumas composições da Linha 11-Coral. A equipe técnica está trabalhando para reverter a situação.”

OUTROS CASOS DE FALTA DE INFORMAÇÃO:

A importância de informação sobre as falhas é grande porque evita o agravamento do problema, uma vez que os passageiros podem ter o direito de se programar e de optar por meios de transportes que não estejam com defeito na prestação de serviços.

Muitos passageiros podem até mudar o horário de seu deslocamento ou optarem por metrô ou ônibus que fazem trajetos semelhantes a vários trechos cobertos pela CPTM.

Mas se o passageiro que tem estas opções não souber o que está acontecendo antes de ingressar no sistema, ele vai entrar na estação agravando ainda mais a lotação e o desconforto.

Diário do Transporte cita alguns exemplos em 2020 (ano com pandemia cujo distanciamento social é indicado por autoridades de Saúde) em que houve falhas com grandes consequências na lotação e velocidade que a CPTM não informou em seu aplicativos e em seu site oficial de forma espontânea, mas sempre de forma reativa a manifestações de passageiros pelo Twitter.

  • Em 10 de novembro de 2020, passageiros da linha 11-Coral reclamavam de superlotação e espera de 20 minutos entre um trem e outro em pleno horário de pico da manhã. Nada foi informado pela estatal em seu aplicativo e sites oficiais. Somente em respostas para os passageiros que buscavam saber o que ocorreu pelo Twitter da companhoa de trens paulista, mas também de forma vaga sem explicar o que de fato motivou a falha e previsões.

https://diariodotransporte.com.br/2020/11/10/passageiros-reclamam-de-lentidao-e-superlotacao-na-linha-11-coral-da-cptm-na-manha-da-terca-feira-10/

  • Em 28 de setembro de 2020, passageiros da linha 7-Rubi foram prejudicados por uma falha na manhã. Até emissoras de TV exibiam a falha ao vivo e nos canais oficiais da CPTM nada era informado.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/09/28/cptm-falha-ao-vivo-na-tv-e-aplicativo-oficial-da-empresa-nao-mostra/

  • Em 14 de setembro de 2020, em plena pandemia de Covid-19, passageiros ficaram aglomerados nas plataformas da linha 11-Coral.

Os trens circularam com maiores intervalos entre as estações Luz e Estudantes pelo menos das 17h até às 18h, porém sem qualquer informação espontânea ao passageiro pelo aplicativo e site.

Usuários reclamaram nas redes sociais questionando sobre a demora dos trens, aglomerações nas plataformas em plena pandemia e falta de informação, porém a companhia não se pronunciou pelo menos até às 18h37 em sua conta no Twitter, quando foi interpelada por passageiros.

Nas respostas, somente depois a CPTM informou que houve um problema com equipamento de via na estação Luz, resolvido às 17h50 e colocando a operação em processo de normalização.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/09/14/linha-11-coral-opera-por-mais-de-uma-hora-com-problemas-e-cptm-nao-comunica-espontaneamente/

  • Já no dia 25 de fevereiro de 2020, por causa de uma chuva forte, a linha 10 – Turquesa, por volta das 21h, continuava com lentidão nas proximidades da Estação Rio Grande da Serra.

Usuários, em redes sociais, reclamaram que o aplicativo oficial da empresa, assim como o site, mostravam que a operação estava normal em todas as linhas e chegaram a escrever no Twitter da empresa que o fato representava transparência zero”.

Diário do Transporte acompanhou estes canais oficiais durante os problemas nas linhas e constatou que o aplicativo e o site mostravam “operações normais”

Questionada, a CPTM alegou que o aplicativo e o site mostravam operações normais porque “o intervalo nas linhas não teve alteração total”

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/02/25/linhas-11-e-12-normalizam-e-10-ainda-com-problemas-cptm-diz-que-informou-mas-aplicativo-e-site-oficiais-nao-mostraram-alteracoes-em-nenhum-momento/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta