Operadora francesa anuncia trem bala low-cost na Espanha a partir de março de 2021

Publicado em: 2 de outubro de 2020

Em média, os preços de mercado ficarão 50% abaixo dos preços atuais, oferecidos pela tradicional empresa espanhola Renfe

ALEXANDRE PELEGI

A partir de 15 de março de 2021 a Espanha terá um novo serviço low cost (baixo custo) de trem-bala com cinco viagens diárias de ida e volta na rota Madrid-Saragoça-Tarragona-Barcelona.

Operado pela Ouigo – a subsidiária de baixo custo/alta velocidade da SNCF (Ferrovias Francesas), o novo trem deve competir com o operador Renfe da Espanha na ligação entre as duas tradicionais cidades espanholas, Madri e Barcelona.

O projeto atrasou três meses devido à epidemia de Covid-19.

A SNCF obteve os direitos de operação para cinco viagens de ida e volta por dia entre Madrid, Aragão e Catalunha (nordeste), cinco entre Madrid e a região de Valência (leste) e cinco outras entre Madrid e Andaluzia (sul). Em abril, a empresa francesa assinou contrato com o operador público ferroviário espanhol Adif.

No modelo do francês Ouigo, a SNCF usará na Espanha 14 trens duplex TGV – construídos pela Alstom – retirados de sua frota e reformados em suas oficinas em Bischheim, próximo a Estrasburgo. Ela também manteve o nome Ouigo. “Fizemos estudos de marcas que mostram que Ouigo funciona muito bem em espanhol”, frisou o gerente geral da SNCF, Alain Krakovitch.

Já Hélène Valenzuela, diretora da Ouigo Espanha, afirmou que a empresa levou em consideração o desejo dos espanhóis de poderem viajar a preços baixos. “A Adif aumentou a sua oferta de capacidade em 60% e estamos participando neste esforço”, acrescentou.

Em média, os preços de mercado ficarão 50% abaixo dos preços atuais, concluiu Helène Valenzuela, Diretora de Ouigo Spainto AFP

No início dessa semana a Ouigo realizou uma oferta relâmpago para a venda das 10.000 primeiras passagens do futuro trem-bala “low cost” por apenas 1 euro.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Lindomar disse:

    Enquanto isso, no Brasil…

Deixe uma resposta