CPTM abre chamamento público para instalar mais “borrachões” nas plataformas

Publicado em: 8 de agosto de 2020

Trens receberam estribos também

Equipamento serve para diminuir o vão em relação aos trens e reduzir riscos de acidentes

ADAMO BAZANI

A CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos publicou neste sábado, 08 de agosto de 2020, um aviso de chamamento público para pessoas físicas ou jurídicas interessadas em instalar os redutores flexíveis para redução do vão entre os trens e as plataformas, os chamados borrachões.

Segundo o comunicado, o edital com os detalhes vai ser publicado no site da CPTM e os interessados terão 30 dias para apresentarem propostas de método de instalação, preços e prazos de execução dos serviços, além de toda a documentação exigida.

Os borrachões reduzem o risco de queda dos passageiros nos vãos, que costuma ocorrer nos embarques e desembarques.

Como há compartilhamento dos trens de passageiros com os trens de cargas (que são mais largos) nas vias de grande parte dos trechos das linhas, nem sempre é possível modificar as plataformas, o que teria também custos maiores.

Como mostrou o Diário do Transporte, a CPTM tem realizado gradativamente a instalação dos dispositivos.

Um dos mais recentes contratos firmados foi no valor de R$ 7,2 milhões para adequar o vão das plataformas de oito estações da rede: Brás e Tatuapé (Linha 11-Coral), São Miguel Paulista (Linha 12-Safira), Osasco (Linha 8-Diamante), Santo Amaro (Linha 9-Esmeralda), Luz e Barra Funda (Linha 7-Rubi) e Santo André (Linha 10-Turquesa).

A classificada foi a empresa Ina Representações e Serviços Técnicos Ltda. O contrato firmado em novembro de 2018 era de 18 meses e envolveu fornecimento de mão de obra e materiais.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2018/11/01/cptm-firma-contrato-de-r-72-milhoes-para-adequar-o-vao-das-plataformas-em-oito-estacoes/

QUEDAS NO VÃO ENTRE O TREM E A PLATAFORMA

Em cinco anos, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) registrou 5,7 mil quedas no vão entre o trem e a plataforma. O número de acidentes foi obtido pelo Diário do Transporte via Lei de Acesso à Informação em 2019.

De 2017 para 2018, foi registrada queda de 24,3% no número de ocorrências, passando de 1.033 para 782 casos. Em 2016, 989 passageiros caíram no espaço entre o trem e a plataforma, enquanto em 2015 foram 871 quedas, em 2014 foram 953 e em 2013, ano com maior índice de acidentes, 1.081.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/05/15/em-cinco-anos-cptm-registra-57-mil-quedas-no-vao-entre-o-trem-e-a-plataforma/

TRENS DE CARGA

O espaço entre o vão e a plataforma se deve ao compartilhamento das vias da CPTM com os trens de carga, que são mais largos do que as composições de passageiros. A companhia ressaltou, em nota enviada ao Diário do Transporte no início do mês, que a implantação do Ferroanel permitirá a transferência dos trens de carga para uma via exclusiva, o que pode acabar com o problema.

O governador João Doria assinou, em 29 de janeiro de 2019, um protocolo de intenções entre o Governo do Estado de São Paulo e o Governo Federal para a construção do trecho Norte do Ferroanel.

O trecho Norte do Ferroanel está previsto para ligar Perus, na zona Norte de São Paulo, a Itaquaquecetuba, em um trajeto que compreende 53 quilômetros de trilhos, com investimentos no valor de R$ 3,5 bilhões.

Serão, ao todo, 12 quilômetros com 42 pontes e viadutos, 17 quilômetros de túneis e 23 quilômetros em terraplanagem.

O Ferroanel será usado para transporte de passageiros, de modo segregado ao transporte de cargas. A expectativa do Governo do Estado é de que mais de três milhões de pessoas sejam transportadas neste trecho. Após o início das obras, o trecho deve ficar pronto em 48 meses, também conforme a previsão do poder público.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta