“Desgaste natural” em parafusos é causa de monotrilho estar com problema há três dias, diz Metrô

Segundo Companhia, como fixação é em concreto, é necessário um tempo para fixação total

ADAMO BAZANI

O “desgaste natural” de parafusos perto de um equipamento de mudança de via na região da Estação São Lucas, na zona Leste de São Paulo, é o motivo pelo qual o passageiro enfrenta dificuldades desde a manhã do dia 1º de janeiro de 2020 na linha 15-Prata de monotrilho.

A estação foi inaugurada em 6 de abril de 2018

A informação é da Companhia do Metrô, responsável pelas operações do modal, em resposta ao Diário do Transporte por meio de nota nesta sexta-feira, 3.

O problema foi identificado às 10h46 de quarta-feira, 01.

Na nota, a estatal diz que os parafusos precisaram ser trocados e que pela fixação ser em concreto, é necessário aguardar.

“Durante a operação de quarta-feira (1), foram identificados alguns parafusos localizados nas proximidades de um equipamento de mudança de via que necessitavam de troca pelo desgaste natural. Como a fixação é em concreto, é necessário um tempo de “cura”. A decisão de não interromper a circulação de trens na quarta-feira, foi tomada para que os passageiros não ficassem totalmente sem o transporte público nos dias úteis e utilizar o final de semana para realização do reparo.”

Dez ônibus articulados da Operação PAESE, sem cobrança de tarifa, dão apoio no trajeto da linha 15-Prata.

O monotrilho funciona, mas não de forma normal. Na estação Camilo Haddad, o passageiro será obrigado a trocar de trem, já que a operação se dá em dois trechos: O primeiro entre Vila Prudente e Camilo Haddad (onde o passageiro deve fazer a troca de trem) e o segundo de Camilo Haddad até Jardim Planalto.

Um dia antes, 31 de dezembro de 2019, o monotrilho apresentou problemas também, mas foi por causa de furto de cabos.

HISTÓRICO DE PROBLEMAS:

O monotrilho da linha 15-Prata coleciona uma série de problemas, além do atraso na conclusão das obras, que deveriam ter sido entregues em 2014, ainda para a Copa do Mundo.

1º de janeiro de 2020: Um problema em equipamento de via nas proximidades da Estação São Lucas causou transtornos para os passageiros por, pelo menos, cinco dias consecutivos. O Metrô explicou que o problema foi ocasionado pelo “desgaste natural” de parafusos perto de um equipamento de mudança de via na região da Estação São Lucas .A estação foi inaugurada em 6 de abril de 2018. Em nota, a Companhia de Metrô disse que os parafusos precisaram ser trocados e que pela fixação ser em concreto, sendo necessário aguardar.

15 de maio de 2019: A composição M 11 do monotrilho da linha 15-Prata, da zona Leste, se deslocou de uma viga no pátio Oratório no início das operações. O incidente ocorreu num equipamento de mudança de via. Ninguém se feriu.

29 de janeiro de 2019: No final da noite do dia 29 de janeiro de 2019,  duas composições M22 e M23 bateram na região da estação Jardim Planalto, na zona leste da capital paulista. Ninguém se feriu gravemente. A estação não recebia passageiros. Um laudo do Metrô, divulgado em 05 de fevereiro de 2019, trouxe a conclusão de que “não houve qualquer falha do sistema de sinalização e sim erro humano” .

Mas o resultado foi contestado pelo Sindicato dos Metroviários que sustenta que há uma lacuna no sistema que controla os trens do monotrilho.

Segundo a entidade sindical, o sistema de controle da Linha 15-Prata não permite que um trem identifique o outro quando um deles está desligado. “Ao se desligar o trem, ele desaparece para o sistema” – sustentou o sindicato.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/02/07/sindicato-dos-metroviarios-diz-que-acidente-com-monotrilho-foi-causado-por-ausencia-de-sistema-de-comunicacao/

Também no dia 29, uma peça do sistema elétrico do monotrilho da Linha 15-Prata se soltou da via no trecho entre as estações São Lucas e Vila União, mas por haver grades que retém quedas de objetos, a avenida professor Luís Inácio de Anhaia Melo, que passa embaixo, não foi atingida.

https://diariodotransporte.com.br/2019/01/29/metro-confirma-que-peca-de-sistema-eletrico-de-monotrilho-se-soltou-mas-diz-que-linha-15-possui-telas-que-evitam-queda-de-objetos-na-rua/

10 de outubro de 2016: No dia 10 de outubro de 2016, uma composição do monotrilho, que trafega em vias elevadas com cerca de 15 metros de altura,  partiu da estação Oratório com as portas abertas, conforme mostram as imagens do circuito do Metrô:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Jose disse:

    Se o desgaste é “natural” então ele é um fator conhecido. Cadê a manutenção preventiva para efetivar a falha e um possível acidente?

    1. Dorival Campos da Rocha disse:

      José. Esta é a manutenção preventiva a troca do parafuso antes do acidente

  2. Luciano David disse:

    Resumindo, um projeto caro, que nao adiantou em nada… Só problemas para o usuários.

  3. Rodrigo Zika! disse:

    Isso e uma vergonha, só inventando desculpas esfarrapadas.

  4. rebU disse:

    “Desgaste natural” até que faz sentido pelos séculos que demorou para inaugurar essa linha…

Deixe uma resposta