Prefeitura de SP distribui faixas com números de vítimas de acidentes de trânsito em vias perigosas da capital

Publicado em: 20 de setembro de 2019

Dados de ocorrências graves registrados em 2018 serão usados durante a Semana da Mobilidade para alertar motoristas para a necessidade de respeitar os limites de velocidade

ALEXANDRE PELEGI

O motorista que estiver trafegando por uma via perigosa do trânsito paulistano poderá ser surpreendido por uma mensagem direta do risco que está correndo.

Desde esta quinta-feira, 19 de setembro de 2019, os principais endereços onde a violência do trânsito mais provocou ocorrências em 2018 estarão com faixas indicando o número de vítimas da imprudência, fatais e não fatais.

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT) aproveitou a Semana da Mobilidade para iniciar uma campanha de educação de trânsito em dez vias que registraram grande número de acidentes no ano passado.

As faixas, no entanto, serão apenas o início de ações que a SMT prepara para os próximos meses. As dez vias mais violentas e perigosas serão alvo de intervenções para aumento da segurança viária.

Segundo a Secretaria, a ação pretende chamar a atenção dos motoristas para a necessidade de respeitar os limites de velocidade e “sensibilizar para o fato de que toda vida perdida no trânsito gera consequências negativas, de modo que nenhuma morte é aceitável”.

A Avenida Aricanduva, onde em 2018 os acidentes provocaram 141 vítimas no trânsito, terá faixas com os seguintes dizeres:

141 VÍTIMAS DE TRÂNSITO NESSA VIA EM 2018

NUNCA ULTRAPASSE O LIMITE DE VELOCIDADE.

“TODA VIDA FAZ FALTA PARA ALGUÉM.”

As frases serão as mesmas em todas as outras 9 vias, apenas alterando-se os dados relativos ao número de vítimas:

Estrada de Itapecerica – 139 vítimas

Avenida Senador Teotônio Vilela – 123 vítimas

Avenida Marechal Tito – 101 vítimas

Avenida Dona Belmira Marin – 100 vítimas

Avenida Raimundo Pereira de Magalhães – 100 vítimas

Avenida Inajar de Souza – 67 vítimas

Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira – 56 vítimas

Avenida Cruzeiro do Sul – 47 vítimas

Avenida Nordestina – 45 vítimas

riscos

Faixa na Avenida Cruzeiro do Sul. Foto: SMT/Prefeitura de SP

INTERVENÇÕES

Como medidas de médio prazo, as áreas críticas receberão até 2020 as seguintes intervenções da SMT, dentro do Plano Vida Segura, visando aprimorar a segurança viária:

Estrada de Itapecerica, Avenida Dona Belmira Marin, Avenida Senador Teotônio Vilela, Avenida Marechal Tito e Avenida Raimundo Pereira de Magalhães = implantação do programa Via Segura, que prevê iniciativas como soluções semafóricas, rearranjos na geometria de pontos das vias e revitalização semafórica, de acordo com o diagnóstico de problemas verificados em cada uma delas.

Trechos da Avenida Cruzeiro do Sul, da Marechal Tito e da Avenida Nordestina = receberão melhorias previstas nas Áreas Calmas de Santana (Cruzeiro do Sul) e São Miguel (Marechal Tito e Nordestina), prioritárias no cronograma do Vida Segura. As Áreas Calmas têm a proposta de aumentar a segurança viária em regiões onde se concentram atividades comerciais e de serviços com fluxo intenso de veículos e movimentação de pedestres, com ações de acalmamento de tráfego e readequação dos limites de velocidade.

Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira = já durante a Semana da Mobilidade receberá intervenção inicial para requalificação do espaço urbano nas imediações do Metrô Conceição, provendo melhores condições para travessia de pedestres em uma área de grande circulação.

Avenida Aricanduva e Avenida Inajar de Souza = projetos de segurança implantados junto com as obras de conexão cicloviária previstas para essas localidades. Na Inajar, por exemplo, haverá intervenções em frente ao terminal de ônibus Vila Nova Cachoeirinha, com extensões de calçadas, ajustes na geometria de esquinas e a criação de novos refúgios para o pedestre.

VIDA SEGURA

A SMT informa que as ações constituem um dos eixos do Plano de Segurança Viária – Vida Segura, que a Prefeitura apresentou em abril. O documento norteia a execução de políticas públicas para a redução de ocorrências graves e mortes no trânsito até 2028.

Baseado no conceito “Visão Zero”, criado na Suécia em 1997, o Vida Segura parte da premissa de que nenhuma morte é aceitável no trânsito, repetindo planos de segurança viária de longo prazo que já ocorrem em cidades como Nova York, Cidade do México e Bogotá.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Rodrigo Zika! disse:

    Brasileiro não ira mudar só com faixinha, tem que doer no bolso.

Deixe uma resposta