Acordo coletivo garante cobradores nos ônibus de Curitiba por mais quatro anos

Foto: Sindimoc

Mudança no Projeto de Lei da Bilhetagem Eletrônica também impede a extinção da função

ALEXANDRE PELEGI

Os postos de cobradores dos ônibus de Curitiba terão mais quatro anos de sobrevida. A decisão que beneficia a categoria é fruto de um fruto de um acordo coletivo formalizado em reunião com o Procurador-Chefe da Procuradoria Regional do Trabalho da 9ª Região, Gláucio Araújo de Oliveira; com o presidente da Urbanização de Curitiba S/A (URBS), Ogeny Pedro Maia Neto; e com o representante do Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), Orivan Pedro Bodanese.

O presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira, comemorou o resultado em comunicado divulgado no site da entidade sindical: “Esse é o resultado da intensa mobilização da categoria. O compromisso foi fundamental para sensibilizarmos o patronal, a sociedade, os vereadores e atingirmos o objetivo de garantir a manutenção dos postos de trabalho dos cobradores”, afirmou.

Pelo acordo, ficou definido que até o dia 13 de maio de 2020 só serão desligados da função os cobradores que se aposentarem, ou ainda os que assumirem a função de motoristas do transporte coletivo.

Para o Procurador-Chefe, Gláucio Araújo, “a ideia é a manutenção dos postos de trabalho, a requalificação do trabalhador, que eles permaneçam no sistema, que haja um ganho de remuneração com novas funções, que o trabalhador saia dessa situação melhor do que ele se encontra hoje. Essa tratativa foi pensada, orquestrada, por todos os que participam. O Ministério Público vê com bons olhos a postura do Sindimoc”.

Após 2020, 500 cobradores serão requalificados a cada ano, com o objetivo de serem remanejados para outros postos de trabalho. A qualificação será garantida com cursos de formação profissional, que serão escolhidos pelos trabalhadores, oferecidos pelo SEST/SENAT.

Após 2023, ficarão no sistema de transporte coletivo de Curitiba apenas o número de cobradores necessário para a operação.

MUDANÇA NO PROJETO DA LEI DA BILHETAGEM ELETRÔNICA

Outra medida que garantiu a continuidade dos postos de cobrador nos ônibus de Curitiba foi a alteração na chamada Lei da bilhetagem eletrônica, protocolada na Câmara Municipal de Curitiba pelo Executivo.

O vice-presidente do Sindimoc e vereador do município, Rogério Campos, conseguiu a assinatura de 37 vereadores que assinaram o Substitutivo Geral, que retirou do texto do PL a palavra “exclusividade”.

Isso significa que a bilhetagem eletrônica passará a ser permitida, mas sem caráter de exclusividade, o que impede a extinção dos cobradores.

O Substitutivo foi protocolado nesta segunda-feira, 27 de maio, a a Lei da Bilhetagem Eletrônica já deve seguir para votação em plenário, o que deve ocorrer nas próximas duas semanas.

O PROJETO

O Projeto de Lei, enviado pela Prefeitura no dia 25 de outubro de 2018, propõe expandir o sistema de Bilhetagem Eletrônica nos pontos de acesso ao transporte coletivo. Na prática, trata-se de eliminar o dinheiro em espécie como forma de pagamento no interior dos ônibus da cidade.

Relembre: Projeto da prefeitura de Curitiba aponta para extinção progressiva da função de cobrador

SINDIMOC HOMOLOGA REAJUSTE DE 3,56% NOS SALÁRIOS DE MOTORISTAS E COBRADORES

Como noticiou o Diário do Transporte, os motoristas e cobradores de ônibus de Curitiba receberão de forma oficial o reajuste de 3,56% nos salários. O acordo foi homologado em 22 de maio de 2019.

O índice foi aprovado pela categoria em assembleia no último dia 24 de abril. Na sexta-feira da semana passada, 17 de maio de 2019, ocorreu o ato de assinatura entre o Setransp – Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana e o Sindimoc – Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana. Relembre: Reajuste de 3,56%  nos salários de motoristas e cobradores de Curitiba é homologado

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta