Londres institui mais um pedágio no centro para reduzir circulação de veículos poluentes

Publicado em: 8 de abril de 2019

Sadiq Khan, prefeito de Londres, fez da poluição do ar uma prioridade, introduzindo zonas de emissão ultrabaixa e fazendo programas de retrofit nos ônibus a diesel.

Dados oficiais estimam que cerca de nove mil pessoas morrem anualmente vítimas de doenças associadas à poluição na cidade

ALEXANDRE PELEGI

Desde esta segunda-feira, 8 de abril de 2019, Londres, na Inglaterra, passou a implementar regras rígidas de emissão de poluentes e materiais particulados na região central da cidade.

Para o prefeito londrino Sadiq Khan, a medida, que visa reduzir os níveis de contaminação do ar, pode auxiliar na redução da incidência de doenças pulmonares e mortes prematuras relacionada à efeitos da poluição atmosférica.

Dados oficiais estimam que cerca de nove mil pessoas morrem anualmente vítimas de doenças associadas à poluição na cidade.

A chamada Zona de Emissão Ultra Baixa (ULEZ, sigla em inglês) passou a funcionar 24 horas por dia, todos os dias da semana, na região central de Londres.

Os veículos que circularam na área, caso não atendam aos padrões de emissão de poluentes definidos pela prefeitura com base em dados científicos, deverão pagar uma tarifa de £12,50 (cerca de R$ 62) por dia. A tarifa vale para automóveis, vans e motocicletas.

No caso de veículos maiores, ônibus e caminhões, o valor é mais salgado: £100,00 (cerca de R$500).

A ideia do projeto da ULEZ é se estender para outras regiões em torno de vias circulares ao norte e ao sul de Londres, em meados de outubro de 2021.

T-CHARGE

Desde 23 de outubro de 2017 funciona no centro de Londres o pedágio de tráfego “T-Charge”, válido para os veículos registrados antes de 2006. Relembre: Carros mais poluentes pagarão ainda mais pedágio em Londres a partir desta segunda (23)

O pedágio cobra dos carros mais poluentes que queriam circular pelo centro da cidade uma taxa diária de 10 libras (o equivalente a cerca de R$ 40).

Os veículos pré-Euro 4 são tipicamente aqueles registrados antes de 2006, mas a Transport for London (a autoridade de transporte da cidade) sugere que qualquer pessoa que tenha um veículo registrado antes de 2008 verifique se terá de pagar. A taxa diária total pode ser reduzida em £ 1 se os motoristas se registrarem para pagar a taxa de congestionamento automaticamente.

A “T-Charge” constitui-se na primeira medida que o prefeito Sadiq Khan decidiu implantar na cidade com a intenção de combater a contaminação ambiental, que resultará em uma “área de emissões ultrabaixas” (ULEZ) no centro da capital.

A ULEZ constitui uma das medidas que vem sendo adotadas pela Prefeitura de Londres no enfrentamento à poluição do ar na cidade.

Dentre as medidas, estão ações como a modernização e eletrificação da frota de ônibus e táxis e a ampliação da infraestrutura para recarregar veículos elétricos privados.

A prefeitura também criou um fundo de £48 milhões (cerca de R$ 200 milhões) para financiar a aquisição de veículos novos e mais limpos por microempresários e cidadãos londrinos, com o objetivo de retirar veículos antigos e altamente poluentes das ruas da capital. Relembre: Londres lança site para auxiliar na compra de carro menos poluente

Com a ULEZ e T-Charge, além do pedágio já cobrado por quem acessa o centro de Londres com automóvel, são três as tarifas cobradas dos usuários dos transportes individuais.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Wilson disse:

    Sugestão : Se for para o cidadão deixar o seu automóvel em casa estacionado em sua garagem o mais lucido seria o governo mandar fechar as montadoras pois é inadmissível pagar uma verdadeira fortuna por um automóvel e depois IPVA, DPVAT, LICENCIAMENTO, Seguro Particular, estacionamento, e depois o governo implantar o pedágio urbano para penalizar o cidadão que tem um automóvel………não é justo . Se não pode circular com um auto, proíba a venda e feche as montadoras. e faça investimento no transporte publico. ônibus confortáveis, limpos e higienizados, ar-condicionado, funcionarios atenciosos, e etc……………..rs!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Rogerio Belda disse:

    Estas notícias deixam arrepiados os responsáveis pela indústria automobilística habituada à mobilidade a “combustão”, como uma ameaça a serem também “eletrocutados”…. Belda

  3. alex sandro disse:

    APRESENTAÇÃO EMPRESA HYBRID PRIME DISTRIBUIDORA E REVENDA REDUÇÃO DE COMBUSTÍVEL

Deixe uma resposta