Governo do Estado do Pará inicia obra que contempla pistas para BRT

A requalificação será feita por um trecho de 10,8 quilômetros, do Entroncamento até Marituba, além das pistas para o BRT. Foto: Divulgação

Requalificação da BR-316 será feita em trecho de 10,8 quilômetros, incluindo vias exclusivas para ônibus

JESSICA MARQUES

O Governo do Estado do Pará anunciou nesta semana o início das obras de requalificação da BR-316. As obras contemplam a implantação de pistas exclusivas para os ônibus de trânsito rápido, o chamado BRT (Bus Rapid Transit) Metropolitano.

A requalificação será feita por um trecho de 10,8 quilômetros, do Entroncamento até Marituba, além das pistas para o BRT.

Segundo informações do Governo do Estado, as obras vão priorizar a remoção das interferências localizadas próximas aos pontos escolhidos para a construção das 13 estações de passageiros e das onze passarelas de pedestres.

São consideradas interferências postes e redes mantidas pela concessionária de energia elétrica e empresas de telecomunicações, por exemplo.

Nas obras, também está previsto o início da implantação dos terminais de integração de Ananindeua, Marituba e do Centro de Operações de todo o sistema, a ser erguido na avenida Augusto Montenegro, ao lado da sede do Comando Geral da Polícia Militar do Pará.

“A realização da licitação para contratação da empresa executora da obra e a assinatura da ordem de serviço foram realizados ainda na gestão passada. A demora no início da intervenção, no entanto, acabou fazendo com que a atual administração estadual precisasse refazer o cronograma da obra, que tem duração prevista de 19 meses”, informou o Governo do Estado, em nota.

Quase quatro meses após a publicação do resultado da licitação internacional para construir o BRT Metropolitano de Belém, o governo do estado do Pará assinou em dezembro de 2018 a Ordem de Serviço para início das obras.

Relembre: Governo do Pará assina Ordem de Serviço e Odebrecht já pode iniciar obras do BRT Metropolitano de Belém

Em agosto, a proposta financeira da Odebrecht foi oficialmente selecionada pelo Governo do Pará na licitação para construir o BRT.

Agora, o governo do estado informou que foi determinado à empresa construtora, a Odebrecht, que evite trabalhos mais densos no período chuvoso, como a construção de valas ou implantação de drenagem profunda, para minimizar os impactos da obra.

“Por isso, neste momento, vamos priorizar a construção dos terminais, passarelas, estações de passageiros e centro de operações, o que não trará ainda tanto impacto para o tráfego de veículos”, destacou o governador Helder Barbalho.

Segundo Barbalho, a empresa executora da obra já começou o trabalho de construção da primeira estação de passageiros e posterior passarela de pedestres, à altura do quilômetro seis da BR-316, às proximidades do seminário Pio X.

O governador também anunciou que, a partir do próximo dia 1° de fevereiro, será restringido o horário de entrada e saída de caminhões e carretas na rodovia, para evitar que nos momentos de pico haja um conflito ainda maior com o transporte coletivo e particular. Esse tipo de veículo estará, portanto, proibido de circular na BR-316 no período que vai das 7 às 10 horas e das 17 às 21 horas.

OBRA DO BRT

Um comunicado feito pelo Governo do Pará detalha o que será feito nas obras de reconstrução e requalificação. Segundo o Estado, as intervenções “incluem pistas com três faixas de rolagem nos dois sentidos, com pavimento flexível, uma faixa (em cada sentido) exclusiva para o BRT Metropolitano, duas ciclovias bidirecionais, gramado próximo à ciclovia para arborização, dois passeios para circulação de pedestres com 2,5m de largura, faixa de piso tátil e rampas de acessibilidade, de acordo com a legislação vigente, além de mobiliário urbano (bancos, lixeiras e abrigos em paradas de ônibus convencionais)”.

Ainda segundo o Governo paraense, para promover a requalificação da BR-316, num perímetro de 10,8 km, também haverá intervenção para instalação das pistas exclusivas do Bus Rapid Transit – BRT Metropolitano, das estações e passarelas ao longo do atual canteiro central da via. Faz parte também desse projeto, dois terminais do BRT e o Centro de Controle Operacional – CCO.

O Centro e o Sistema de Controle Operacional serão construídos e instalados em prédio novo, exclusivamente destinado a essa função, e abrigarão mão de obra qualificada, equipamentos e sistemas eletrônicos para rede de comunicações (incluindo sistemas de CFTV para monitoramento de Segurança), bloqueios de acessos a estações e terminais, painéis de mensagens, controles de portas automáticas e contagem de passageiros, além de centralizar o controle dos semáforos. Essa estrutura vai gerir todo o Sistema de Controle Operacional do BRT, ou seja, o Metropolitano e o Municipal.

Para resolver a recorrente questão dos alagamentos serão construídos dispositivos de drenagem necessários para coleta e condução dos efluentes, como sarjetas, bocas de lobo, caixas de inspeção e passagem, e tubulação de drenagem profunda, com diâmetros entre 800 mm e 1.500 mm, para lançamentos do sistema de drenagem nas vias secundárias adjacentes à Rodovia BR-316.

O projeto prevê também o remanejamento de interferências como: demolições, retiradas, relocações, reinstalações e requalificação de vias e calçadas, a exemplo de redes da Cosanpa, Celpa, empresas de telefonia.

O novo sistema de transporte urbano, segundo espera o governo do Pará, deverá reduzir em cerca de 50% o tempo de viagem do destino ao centro de Belém, e vice-versa.

O ponto inicial do BRT será o Terminal Marituba, localizado no KM-10,7 da Rodovia BR-316, próximo à Alça Viária, e permitirá a integração das linhas alimentadoras que vêm de Marituba. Já em Ananindeua o terminal ficará no KM-6,5 da rodovia, em frente à sede campestre da AABB (Associação Atlética Banco do Brasil). Nesses terminais serão ofertados serviços à população, como o “Navega Pará”, com acesso gratuito à internet sem fio (Wi-Fi), e a “Estação Cidadania”, com serviços de vários órgãos públicos.

“O Terminal de Ananindeua se configura como o maior e mais importante do BRT Metropolitano, porque possibilitará a conexão com os conjuntos Cidade Nova e seu entorno, através da Rua Ananin. O Projeto Ação Metrópole prevê, ainda, que a gestão operacional associada dos serviços de transporte público por ônibus seja executada por um consórcio formado pelo governo do Estado e as prefeituras que fazem parte da Região Metropolitana de Belém”, finaliza o comunicado do governo do estado do Pará.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Leida Queiroz disse:

    apostando no novo governo. esse Zenaldo é uma bomba. irresponsável!
    espero que o brt realmente facilite a vida da população que por anos de acúmulos de governo virou essa palhaçada que nunca funciona. metade de meia duzia de ônibus e avenidas entupidas de carros e transporte publico que rodam do iapoque ao chui … no minimo esse circo tem que acabar pra outro ser iniciado. Afinal é Brasil, penta campeão de futebol,carnaval e tragedia! A politica do pão e circo tem que acabar!

Deixe uma resposta