Rodoviários de Londrina mantém estado de greve, mas paralisação segue suspensa

Publicado em: 18 de dezembro de 2018

Foto: Divulgação

Impasse no acordo complica também definição da nova tarifa, que passa a valer em janeiro de 2019

ALEXANDRE PELEGI

Como divulgado pelo Diário do Transporte neste domingo, os motoristas e cobradores de Londrina, no Paraná, marcaram assembleia para esta segunda-feira, 17 de dezembro de 2018, para definir se haverá ou não greve no transporte coletivo da cidade.

A categoria reivindica um reajuste de 6%, sendo 4% da inflação e 2% de aumento real. A possibilidade de greve foi cogitada logo depois do anúncio da direção da TCGL (Transportes Coletivos Grande Londrina) de que não irá participar da concorrência pública da prefeitura para a escolha da empresa responsável pelo transporte coletivo para os próximos 15 anos.

Relembre: Após 60 anos de atividades, TCGL anuncia encerramento de atividades em Londrina

Ontem, após a reunião organizada pelo Sinttrol – Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Londrina, a categoria decidiu aprovar a manutenção do estado de greve, mas mantendo a paralisação ainda suspensa. O indicativo de paralisação dependerá, agora, de uma nova assembleia marcada para os próximos dias.

No encontro desta segunda-feira o sindicato dos trabalhadores demonstrou interesse em aceitar a proposta de reajuste feita pelas empresas de 4% – índice que poderia ser pago como abono em janeiro, com a ideia de ser incorporado ao salário já em fevereiro. Mas o impasse persiste, e o foco está justamente na proposta das empresas, que propõe extinguir a estabilidade dos cobradores, tema acordado em dezembro de 2017.

A discordância entre trabalhadores e empresas de ônibus teve início com a licitação anunciada pela prefeitura em agosto deste ano.

A TCGL havia inicialmente formalizado o interesse em renovar a concessão. Porém, no dia 30 de novembro, informou que não participará da Concorrência, e com isso encerraria suas atividades a partir do dia 19 de janeiro de 2019, quando se encerra o atual contrato.

No meio de todo o imbróglio envolvendo a TCGL e os rodoviários da empresa que detém o atual contrato do transporte de Londrina, está a definição do valor da tarifa dos ônibus, que deverá passar a valer em janeiro de 2019.

Prevista para ser anunciada na próxima quinta-feira, dia 20 de dezembro, a falta de acordo do Sinttrol com os rodoviários deixou a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) sem tempo hábil para calcular o valor da tarifa.

Novo encontro foi agendado para amanhã, dia 19, o que deixará o órgão da prefeitura com apenas três dias úteis para calcular o novo preço da passagem, o que levará ao adiamento do anúncio para depois do Natal.

A atual licitação em curso tem como tarifa anunciada a que atualmente é cobrada. A concorrência está marcada para o dia 26 de dezembro. Relembre: Londrina publica edital para licitação do transporte coletivo

Informações da Folha de Londrina dão conta de que cerca de 160 mil pessoas usam o transporte público diariamente na cidade, divididos em 400 ônibus que circulam no município. São 1,9 mil funcionários das duas empresas que administram o serviço na cidade – além da TCGL, com 337 ônibus, correspondentes a 85% do transporte da cidade, ainda circulam na cidade os ônibus da LondriSul.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta