Volvo vai fornecer 700 ônibus brasileiros para Bogotá, o maior negócio de BRT da década

Publicado em: 3 de novembro de 2018

Volvo responde por 60% da frota troncal de ônibus do Transmilênio – Foto: Divulgação Volvo/Clique para Ampliar

São 402 biarticulados e 298 articulados. Carrocerias serão da Superpolo, joint venture da Marcopolo

ADAMO BAZANI

A Volvo vai fornecer 700 ônibus de grande porte para a renovação de frota dos serviços do Transmilênio, sistema de BRT (Bus Rapid Transit) de Bogotá, na Colômbia,.

O resultado da licitação foi divulgado em audiência pública nesta sexta-feira, 02 de novembro de 2018, em Bogotá.

Deste total de 700 ônibus, 402 são biarticulados e 298, articulados.

A notícia vai refletir nos números da marca no Brasil. Todos estes veículos serão fabricados na planta de Curitiba, no Paraná.

As entregas se iniciam em 2019 e vão até 2020.

Veja mais sobre a licitação neste link:

Licitação do Transmilênio vai colocar no sistema 1.400 ônibus novos. Volvo vai fornecer 700 ônibus a diesel e Scania, 461 a gás natural

FÁBRICA BRASILEIRA VAI DOBRAR PRODUÇÃO:

Por causa da venda, a Volvo anunciou em nota enviada ao Diário do Transporte que vai dobrar a produção diária.

O objetivo é adequar a linha à encomenda para cumprir os prazos, como explica o presidente da Volvo Buses Latin America, Fabiano Todeschini.

“Toda a nossa força produtiva será organizada para atender a esse pedido dentro do prazo e com a qualidade esperada, sem prejuízo à produção regular de ônibus para todos os demais clientes”, ressalta.

As carrocerias destes novos veículos de Bogotá serão fornecidas pela fabricante de carroceria colombiana Superpolo, joint venture da também brasileira Marcopolo.

MENOS POLUIÇÃO:

Os ônibus vão receber, segundo a Volvo, filtros de materiais particulados originais de fábrica que podem reduzir em até 96% as emissões deste tipo de poluente em comparação com a frota atual que segue os padrões de redução de emissões baseadas nas normas Euro III.

O diretor comercial da Volvo Buses na Colômbia, Fábio Lorençon, diz que a tecnologia usada nestes filtros é inédita em ônibus na América Latina.

“Comparando com os ônibus atuais da cidade (padrão Euro II), a redução chega a 96% em materiais particulados. É a primeira vez na America Latina que haverá veículos equipados de fábrica com esta tecnologia. O ganho ambiental para a população será enorme, já que o filtro tem altíssima eficiência. O ICCT – International Council on Clean Transportation, classifica está tecnologia como livre de fuligem (soot-free)”,

Os ganhos ambientais também virão da substituição dos modelos mais antigos hoje em operação.

MONITORAMENTO E CONECTIVIDADE:

A Volvo informou também que todos os ônibus vão ser dotados de sistemas de conectividade fornecidos pela marca.

Toda a operação vai ser monitorada em tempo real e a central de controle vai poder interagir com o motorista.

A forma como os ônibus estão sendo dirigidos, eventuais problemas na operação, frenagens, aceleração, inclinação nas curvas, consumo de combustível, controle de velocidade à distância com a criação de limites em cada região por onde os ônibus passam no itinerário e diagnósticos de condução que podem ajudar o desenvolvimento de treinamentos individualizados para os motoristas estão entre as funções possibilitadas pelos equipamentos e programas de conectividade.

“Além dos ganhos ambientais, os novos ônibus Volvo de Bogotá trarão a mais alta tecnologia de conectividade em ônibus da marca. Serão equipados com sistemas avançados que monitoram a operação de cada veículo, permitindo interação remota com a frota em tempo real. Destacam-se os sistemas Fleet Management (permite monitoramento por telemetria em tempo real, acessando dados como aceleração, frenagem, velocidade, consumo de combustível etc), I-coaching (espécie de treinador virtual de motoristas) e o Serviço de Controle de Velocidade por Conectividade (por meio de geolocalização, limita automaticamente a velocidade máxima do ônibus em pontos críticos de segurança – próximo a escolas, dentro de terminais etc). O Grupo Volvo é líder mundial em conectividade em veículos comerciais, com mais de 600 mil caminhões, ônibus, equipamentos de construção e motores marítimos conectados.” – diz a Volvo na nota.

LIDERANÇA EM BRT:

A fabricante diz que lidera o fornecimento de ônibus de grande capacidade em sistemas de BRT na América Latina, que surgiram em Curitiba, no ano de 1974, na gestão do prefeito Jaime Lerner, arquiteto e urbanista.

De acordo com a Volvo, a participação da marca nestes sistemas ultrapassa 50%.

“Considerando toda a América Latina, o novo negócio com a Colômbia mantém a liderança Volvo em BRTs, com mais de 50 % de participação de frota nesses sistemas. Além de Bogotá, os articulados e biarticulados da marca operam em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Cidade da Guatemala, San Salvador, Quito, Cidade do México, Guayaquil, Manaus, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Cali, Bucaramanga, Santiago e Curitiba.”

Na nota, o presidente da Volvo Buses Latin America, Fabiano Todeschini, disse que ao criar o primeiro modelo de ônibus biarticulado economicamente e tecnicamente viável do mundo, a marca ajudou no desenvolvimento de sistemas de BRT na América Latina, dentre os quais, o Transmilênio, considerado referência de reestruturação urbana e não apenas de transportes.

“A Volvo ajudou a desenvolver os principais BRTs da América Latina. Inventamos o primeiro ônibus biarticulado comercialmente viável do mundo. Nossos veículos são projetados para esses sistemas de grande capacidade, com diferenciais de eficiência e produtividade. Estamos entusiasmados em continuar contribuindo para a mobilidade urbana de Bogotá” – afirmou.

TRANSMILÊNIO:

O sistema de BRT da região metropolitana de Bogotá está em operação desde 18 de dezembro de 2000, quando teve o primeiro trecho apresentado à população.

Os corredores foram idealizados na gestão do então prefeito Enrique Peñalosa Londoño, que a exemplo de Jaime Lerner em Curitiba no ano de 1974, procurou iniciar uma restruturação urbana por meio de uma rede de transportes em superfície.

As obras começaram em 1998 e, devido aos transtornos, a gestão de Peñalosa foi alvo de críticas da população, imprensa e opositores, que chegaram a pedir sua destituição.

Mas depois dos primeiros resultados do sistema, a popularidade de Peñalosa foi uma das maiores da história recente de prefeitos de Bogotá.

Grande parte dos serviços era feita por ônibus de pequeno porte, operados por proprietários individuais, que agravavam os congestionamentos e poluição. A idade e as condições dos veículos eram outros problemas.

A renovação de frota do Transmilênio deve voltar a qualificar o sistema, que com o tempo, segundo a mídia local, se deteriorou, com problemas de superlotação, evasão tarifária e vandalismo.

Diariamente, o Transmilênio transporta 2,5 milhões de passageiros em Bogotá e cidades vizinhas, sendo, portanto, um sistema metropolitano de transportes.

Na mesma nota enviada ao Diário do Transporte, a diretora geral da Volvo Buses Colômbia, Silvia Gerber, disse que a implantação de mais ônibus biarticulados e articulados, a oferta de lugares para os passageiros no sistema vai ser ampliada.

“Com os novos veículos, mais modernos, seguros, confortáveis e maiores, a capacidade do sistema aumentará em 25%”, comentou

O diretor de vendas estratégicas da Volvo Buses no continente, Alexandre Selski, afirmou que 60% dos ônibus de grande porte que operam no Transmilênio são da marca.

 “A cidade já contemplou, desde o início, corredores maiores, onde os ônibus podem ultrapassar uns aos outros para maior fluidez. Com 60% dos ônibus articulados e biarticulados, a Volvo tem forte presença no BRT de Bogotá”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Nome disse:

    A Scania ganhou 481 ônibus e 3 áreas de operações, mais que a volvo que levou somente 2. E uma área ficou deserta a ser licitada novamente. Além da tecnologia que a Scania oferece ser a gás

  2. Rodrigo Zika! disse:

    Que vergonha, exporta mais aqui dentro mal vende, mais já e algo bom pra empresa.

  3. Olimpio Alvares disse:

    Muitos colegas especialistas e autoridades de transporte e meio ambiente, céticos e imobilizados frente a algumas aparentes dificuldades de articulação, declaravam incisivamente a parlamentares e agentes de defesa do interesse público e do meio ambiente, que não seria possível exigir filtros de particulas cancerígenas nos ônibus urbanos imediatamente, incluindo essa exigência nos requisitos desta nova licitação dos ônibus urbanos do Município de São Paulo.
    Pois bem, depois de tudo definido por aqui, sem qualquer chance aparente de reversão do que já está estabelecido no edital, queimaram a língua – e os pulmões dos paulistanos.
    “When there is a will there’s a way.”

  4. Edinaldo disse:

    Esperançoso para montar estes ônibus…

Deixe uma resposta