Mesmo com multas, empresas de ônibus do ABC continuam com irregularidades

Publicado em: 22 de junho de 2017

Condições dos veículos da Ribeirão Pires preocupam passageiros

Ausência de cobradores em linhas obrigatórias, ônibus sem vistoria e descumprimento de horários permanecem, apesar de fiscalização

ADAMO BAZANI

No mês de março, o Diário do Transporte noticiou que várias empresas de ônibus que operam as linhas metropolitanas da chamada Área 5, correspondente ao ABC Paulista, não cumpriam tabelas de horário, não mantinham cobradores em linhas que deveriam ter estes profissionais e colocavam a população em risco ao operar ônibus sem vistorias, registros e aprovação da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2017/03/03/empresas-de-onibus-do-abc-sao-multadas-por-dispensarem-cobrador-e-usarem-onibus-sem-vistoria/

Passados três meses, mesmo com as multas e a divulgação em parte da imprensa (não apenas no Diário do Transporte) os problemas continuam.

Uma rápida pesquisa realizada no Diário Oficial desta quinta-feira, 22 de junho de 2017, é suficiente para constatar que as irregularidades continuam e envolvem as mesmas empresas que foram multadas anteriormente. As infrações, entretanto, foram verificadas neste mês.

De acordo com a publicação oficial, a Viação Ribeirão Pires, por exemplo, do grupo Baltazar José de Sousa, foi flagrada com ônibus trafegando com prefixo irregular.

A mesma empresa, em outra ocasião neste mês, também operava ônibus sem vistoria, registro e aprovação da Secretaria de Transportes Metropolitanos.

A Ribeirão Pires também trafega com ônibus sem cobrador em linhas que deveriam ter este profissional.

A empresa liga Paranapiacaba (Santo André), Ribeirão Pires, Mauá, Santo André, São Caetano do Sul e São Paulo.

Outra irregularidade registrada pela EMTU é o transporte de passageiros em pé nas linhas seletivas, cujo valor da tarifa é bem mais alto que os ônibus convencionais e o padrão de conforto deveria se assemelhar a de ônibus de fretamento ou rodoviários.

O problema ocorreu com a Viação Imigrantes, também do grupo de Baltazar José de Sousa.

A Imigrantes também chegou a utilizar outro veículo não registrado e vistoriado pela Secretaria de Transportes Metropolitanos.

A empresa liga São Bernardo do Campo a São Paulo.

De acordo com a publicação oficial, em boa parte dos casos, as empresas são reincidentes, como ocorre com a Trans-bus Transportes Coletivos e com a Viação São Camilo.

As multas, entretanto, parecem não assustar os empresários. Os valores variam entre R$ 52,12, no caso de transportar passageiros em pé nas linhas seletivas, e R$ 208,49 por não cumprir a tabela de horário, outro problema registrado pela gerenciadora com a Viação Ribeirão Pires.

A passagem das linhas da Imigrantes para o Terminal Tietê, em São Paulo, custa R$ 6,45. Se a empresa transportar oito passageiros em pé, a irregularidade pagou a multa pela mesma irregularidade.

onibus-emtu

Na maior parte dos casos, as multas registradas estão com a inscrição reincidente, ou seja, as empresas continuaram a cometer as mesmas infrações.

Uma das perspectivas para melhoria dos serviços da região é que a EMTU finalmente consiga fazer a licitação dos transportes metropolitanos na Área 5.

Em 2006, a gestora estadual chegou a fazer a licitação nas outras regiões da Grande São Paulo, mas os empresários do ABC, contestando o edital e alegando que os custos operacionais da região são maiores, esvaziaram certame por cinco vezes.

Na sexta vez, o empresário Baltazar José de Sousa conseguiu barrar a licitação por meio da Justiça de Manaus. É que no Amazonas, uma de suas empresas está em recuperação judicial. O processo envolve outras companhias do grupo.

A alegação dos advogados é que se houvesse licitação ou suspensão do contrato com as empresas EAOSA, Ribeirão Pires, Urbana, São Camilo, Riacho Grande, Imigrantes e Triângulo, todas que operam no ABC, poderia haver prejuízos à recuperação judicial.

Ao Diário do Transporte, o presidente da EMTU, Joaquim Lopes, disse que espera receber das prefeituras da região, dados dos transportes municipais para elaborar o edital metropolitano eliminando as linhas sobrepostas. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2017/06/20/entrevista-municipios-do-abc-continuam-sem-ajudar-no-planejamento-de-onibus-metropolitanos/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Eu disse:

    Cassem as permissões, já que elas não tem contrato!!!!!!

  2. Claudio disse:

    Essas linhas que liga municipios era pra ser obrigatorio ter onibus articulados.

  3. Júlio disse:

    Eu tenho notado que os veículos da EAOSA das linhas 160TRO, 158TRO e 382EX1 estão operando sem cobrador, e o pior são ônibus convencionais.
    Outro caso é que a linha 382EX1 está com 2 veículos a menos, e com uma frota mista de convencionais e 2 mídis que não dão conta do fluxo da linha

    1. Marcos disse:

      Concordo. Mídis nas 382’s, com o intervalo atual é loucura. Vejo direto eles chegando na Estação de Santo André com gente na porta, sentido Feital/Itapeva

  4. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Esta situação, eu conheço ao vivo e a cores, desde 1992 e até hoje nada mudou.

    Portanto, todo o puder publico é omisso inerte e etc, seja Federal, Estadual e Municipal, Executivo, Legislativo e Judiciário, MP e todos os demais em escalão inferior, só restando ao contribuinte o NADA.

    Isso já passou a ser usos e costumes, nem sendo mais ilegal.

    NEM VERGONHA O BARSIL TEM MAIS.

    Aliás, não há mais nada, afinal até a esperança já morreu.

    Só o disco voador salva.

    Att,

    Paulo Gil

  5. Paulo Roberto Postigo de Oliveira Bittencourt disse:

    As empresas de ônibus do grande ABC são uma palhaçada mesmo, mais ainda a EMTU e o governo do Estado abandonaram a nossa região. Agora o valor das multas dadas as empresas é uma vergonha!!! Pelo amor de Deus!! Isso só vai mudar quando acontecer um grave acidente com um desses ônibus velhos e sucateados

  6. Valter disse:

    Vcs precisam ver o linha 11 Orquídeas
    Eu uso a tarde se perder o que passa as 17:35 o próximo só passa as 18:10
    Quando volto de manhã a mesma coisa
    Se perder o que passa as 7:15 na jurubatuda o próximo só as 7:50

  7. Genaldo Rosendo de Sousa disse:

    O mesmo problema ocorre tambem na regiao do abc,precisamente na cidade de rio grande da Serra,onde os veiculos da empresa talismã esta da mesma forma que a viação ribeirao
    Ônibus que nao tem horario,veiculos trafegando sem placa e logotipo da empresa.
    E a prefeitura do município nao toma qualquer tipo de atitude,quem depende dos mesmos sofrem com as situações

  8. Glaucio oliveira disse:

    O que falta no caso do Baltazar é o mesmo que a marta fez em SP com ele. Descrendecia e foi banido daqui. Aqui na região de parelheiros tinha o mesmo problema da área 5 da Emtu. Ninguém queria operar as linhas que são longas e poucos passageiros. A prefeitura/sptrans obrigou as empresas a assumirem as linhas até resolver o problema. Vinha bus novo de todos os cantos da cidade. Da vip de são Miguel paulista fazendo linha da colónia bairro de parelheiros divisa com cidade de itanhaem. Rapidinho foi resolvido o problema e o consorcio unisul assumiu sua obrigação. O governo do estado/ Emtu tem dó dos empresários. Quando tem greve como teve recentemente na área 5 a Emtu não aciona o paese e os usuários que se virem. Mesmo quando o consorcio foi licitado como o caso da área 1 quando tem greve nem as outras empresas do consórcio assumem. E as cidades ficam sem transporte por que taboao da serra a viação pirajuçara faz todas as linhas inter e municipal. A miracatiba todo intermunicipal de itapecerica da serra. Embu guaçu. São Lourenço e juquitiba. E isso é outro absurdo que tem que colocar na nova licitação. As linhas dos consórcios tinham que ser divididas entre as empresas para não acontecer isso. Aqui na área 1 aconteceu o contrário. Na divisão das linhas da embu guaçu e itapecerica da empresa que faliu foi dividido e tempo depois a pirajuçara passou todas as linhas dela dessa divisão para miracatiba.

  9. vagligeirinho disse:

    Acho que o pessoal está esquecendo de um detalhe: se houvesse alguma empresa interessada em operar na região, não duvido que a EMTU já teria agilizado a expulsão das empresas da tal “Área 5”.

    Não existe nenhuma movimentação notória de empresas que queiram operar nesta região. Não se vê reportagens ou discussões se perguntando quem poderia assumir o transporte no local. Quem poderia substituir os serviços.

    Nisso, a EMTU se vê obrigada a apenas deixar passar sob o olhar dela os problemas da Área 5.

    Fora que também não vejo movimentação popular – manifestações ou ações – para exigir a saída ou troca deles.

    Outro ponto: tem que ver os valores das passagens na região. Aqui na região Oeste (Área 2 se não me engano), os valores para serviços de 30-40 km já estão em torno de 6 reais urbano e 10 seletivo. Sei que na área 5 é bem mais barato. Talvez apesar das reclamações, haja um temor que a troca de operador signifique um ônibus mais caro para os cidadãos, que não tem mais opções de transportes tanto quanto em outras áreas.

  10. Lucilene scarazatt disse:

    Eu vou para o Rudge Ramos todo dia é eu vejo todo dia ônibus quebrado da sã o São Camilo só tem ônibus velho ônibus que não deveria estar circulando e a emtu não faz nada esquisito né.

  11. Marcos Antonio disse:

    Eu acho um absurdo um juiz de Manaus Barra uma licitação em São Paulo. Sabendo que o empresário Baltazar não tem nenhuma condição de recupera as empresa do ABC.Pior ainda é a EMTU que não consegue fazer nada.*EMTU cabide de Emprego *

  12. Patrícia disse:

    Venha fazer essa mesma vistoria aqui em São Bernardo na Sbctrans aí você vai ver ônibus sucateados principalmente nas linhas aqui do riacho e essa empresa nunca cumpriu os horários pré estabelecidos. E não adianta reclamar pois nada acontece. Fora a bilhetagem eletrônica que é uma vergonha pois fiz uma reclamação porque me foi cobrado a passagem mesmo estando dentro do período da integração e vai fazer um ano e ainda estou esperando pela resposta.

    1. Luiz Henrique disse:

      Algo vindo da SBC Trans??? Pode esperar sentada por que a dona Beatriz não tira um centavo dos bolsos dela hein. Vejo isso direto acontecendo com gente com carros acidentados pela SBC.
      SBC Trans quem cuida é a ETCSBC e não a EMTU

  13. Vandeir disse:

    Ônibus da são camlixo até jà pegou fogo por aí pesquisem as merdas da triângulo e imigrantes vivem quebrando no meio do caminho estou cansado de ver.

  14. Glaucio oliveira disse:

    Ainda acho que falta vontade da emtu de resolver a situação. Divide as linhas com os outros consórcios. Aqui na área 1 a raposo Tavares teve que assumir as linhas de embu guaçu e montar garagem em linhas de $ 3.80 e só cobra no sentido do metro. Para volta entra por trás. As linhas que ela tem em cotia a maioria das linhas é + de $ 5. Andam cheias o tempo todo em rodovia e cobrança nos 2 sentidos. E as do embu guaçu nos buracos e transito da m. Boi mirim e capão redondo. Tenho certeza absoluta que ela não queria ir

  15. Luiz Henrique disse:

    Esse Baltazar paga propina pra EMTU pra ficar no ABC só pode ser isso. Meu Deus do céu. Eu, se fosse presidente da EMTUlho cassaria hoje mesmo os contratos com esse mafioso e agilizaria a licitação, e não somente chamaria empresários que atualmente operam na região, como empresas de fora também.

Deixe uma resposta para Glaucio oliveira Cancelar resposta