História

Ex-funcionários e admiradores da CMTC de São Paulo realizaram mais um encontro neste sábado (09)

Empresa pública marcou grande parte da história dos transportes da capital paulista auxiliando o desenvolvimento da cidade

ADAMO BAZANI

Saudosismo e amizade marcaram mais um encontro de ex-funcionários e admiradores da CMTC (Companhia Municipal de Transportes Coletivos), a empresa pública da cidade que existiu entre 1946 e metade dos anos de 1990.

Já é o quarto evento que, neste sábado, 09 de setembro de 2023, foi realizado na Vila Nova Cachoeirinha, na zona Norte de São Paulo.

O intuito agora, em data a ser definida, é ter um encontro na zona Leste da capital paulista, uma das áreas de maior atuação da empresa pública, que teve garagens no Tatuapé e Brás, por exemplo.

Mais que uma oportunidade de relembrar histórias, linhas e modelos de ônibus, eventos como este ajudam a entender como se desenvolveu a cidade, já que a CMTC foi fundamenteal no crescimento econômico ao atuar no transporte de trabalhadores e estudantes que batalhavam por uma vida melhor.

O encontro foi realizado pela Associação dos Ex-Funcionários da CMTC e contou com um ônibus monobloco O-364 Mercedes-Benz, dos anos 1980, relembrando um dos modelos e pinturas da companhia pública.

O design, com a faixa vermelha sobre pintura branca, remete à época da “municipalização” dos transportes nos anos da década de 1990.

“Nesse evento, nós contamos com ex-funcionários da CMTC de fato, com filhos de ex-funcionários e também com vários simpatizantes.  Participaram também, várias pessoas de empresas de ônibus que hoje operam no município de São Paulo. O pessoal ficou muito satisfeito e muito feliz com o nosso quarto encontro dos ex-funcionários da CMTC e apoiadores de transporte” – disse o presidente da associação, Washington Carvalho de Oliveira.

Foram várias as contribuições da CMTC para os transportes da cidade de São Paulo, que vão desde a organização das linhas acompanhando e induzindo o crescimento urbano, até veículos menos poluentes.

Se atualmente, a ordem é sustentabilidade nos transportes, há décadas a CMTC se debruçava sobre este tema. Exemplos não faltam:

– os primeiros trólebus do Brasil entre 1947 e 1949;

– em 1978; uma geração mais moderna e nacional de trólebus pelo plano Sistran, do então secretário dos transportes, Adriano Branco, na gestão do prefeito Olavo Setúbal

– entre os anos 1980 e 1990, foi a vez da CMTC adotar combustíveis alternativos ao óleo diesel, como gás natural, biometano (combustível obtido pela decomposição de resíduos) e estudos com etanol.

Os papa-filas (grandes carrocerias de passageiros tracionadas por caminhões, em especial os FNM); o Monika (fabricação própria); os ônibus de dois andares urbanos, na época do ex-prefeito Jânio Quadros, e os primeiros articulados da cidade são alguns dos exemplos de modelos marcantes com o DNA da CMTC.

A companhia teve seu braço operacional privatizado entre 1993 e 1994 e seu braço de gerenciamento se tornou SPTrans (São Paulo Transporte), em 1995.

Veja mais fotos do encontro:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Informe Publicitário
   
Assine
     
Comentários

Comentários

  1. TIAGO GARCIA DA SILVA disse:

    Boa noite a todos, meu nome é Tiago, e estou em busca de informações sobre o meu avô. Após algumas tentativas, descobri que ele trabalhou nesta empresa. No entanto, notei que a empresa fechou em 1990, o que pode dificultar minha busca pelo paradeiro do meu avô. Se alguém puder ajudar com fotos ou dados pessoais, como data de nascimento e endereço, que possam me aproximar dele, ficaria imensamente grato. O nome dele é Ramiro da Silva, filho de José da Silva e Elvira da Silva. É possível que a empresa tenha fechado ou mudado de nome? Agradeço pela atenção.

Deixe uma resposta