EMTU atualiza manual de Inspeções veiculares e número de itens a serem verificados mais que dobra

Foto: Divulgação/EMTU

Ônibus do sistema gerenciado pela estatal atendem a 1,7 milhão de passageiros por dia em cinco regiões metropolitanas do estado

ARTHUR FERRARI

A EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo) realizou uma revisão e atualização em seu manual de inspeção técnica veicular dos ônibus.

Com a nova versão, ao todo, as inspeções preventivas feitas pela gerenciadora nos ônibus e micro-ônibus do sistema regular e de fretamento consideram 938 pontos a serem verificados, mais que o dobro da versão anterior, onde 436 itens eram inspecionados.

De acordo com a estatal, a edição mais recente do manual, implantada no segundo semestre de 2021, considerou readequar as exigências, melhorar a identificação de falhas, aperfeiçoar descrições dos itens avaliados e tornar a comunicação e as intervenções de manutenção mais assertivas. Alguns dos novos itens incluídos englobam exigências relacionadas a extintores de incêndio, ar-condicionado, qualidade dos pneus, plataformas elevatórias para acessibilidade e o dispositivo “anjo da guarda”, que impede a movimentação do veículo com portas abertas.

Ainda segundo a empresa, a frota é inspecionada com periodicidades que variam de seis meses a um ano no sistema regular e de seis a 18 meses no fretamento, dependendo da idade dos veículos. Já para os ônibus dos sistemas Escolar, RTO e Ligado, são programadas manutenções a cada seis meses.

A engenheira civil Alexandra Renata Rodrigues Domingues, chefe do Departamento de Inspeção da Região Metropolitana de São Paulo, explica que as vistorias são feitas por técnicos que passam por treinamentos periódicos, sendo 13 deles divididos em dois turnos somente na região metropolitana.

A profissional ainda esclarece o motivo da atualização do manual.

“O objetivo da revisão e criação do Novo Manual de Inspeção da EMTU foi atualizar o já existente, readequando as novas tecnologias e novas legislações (CONTRAN, de Acessibilidade e Ambientais), melhorando a identificação das falhas, tornando-as mais assertivas para uma melhor intervenção e consequentes correções, visando a segurança dos passageiros no veículo em operação”, explica Alexandra.

Entre os itens verificados nas inspeções periódicas, as equipes avaliam os sistemas de freios e elétricos, suspensão, pneus, carroceria, acessibilidade, emissão de poluentes e outros elementos que conferem a segurança, conservação e o conforto aos passageiros, e quando são diagnosticadas falhas ligadas diretamente à segurança do passageiro, o ônibus fica retido e impedido de operar. Somente após sanar a irregularidade e mediante uma nova inspeção, o veículo é liberado a circular.

Arthur Ferrari, para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Julio Florez disse:

    Onde posso conseguir esse novo manual?

Deixe uma resposta