Testes de CBTC (controle de trens) na linha 1-Azul do Metrô geram transtornos, relatam passageiros e sindicato dos metroviários

Ação ocorreu no domingo (03); trabalhadores dizem que não foram avisados e, em um dos relatos, usuário disse que composição foi para pátio de recolha com passageiros dentro

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

Portas abrindo e fechando em poucos segundos, trens parando em posição errada nas plataformas, portas abrindo do lado errado (o que é chamado de APLOP – Abertura de Portas Lado Oposto da Plataforma) e até um “passeio” que passageiros foram obrigados a dar no pátio porque a composição não parou no fim da linha.

Estes foram os relatos de passageiros sobre a operação da linha 1-Azul do Metrô de São Paulo no último domingo, 03 de julho de 2022.

De acordo com o Sindicato dos Metroviários de São Paulo, neste dia, ocorreram testes de um sistema de controle de trens e sinalização, chamado CBTC, com os passageiros embarcados.

Até então, os testes eram sem passageiros, inclusive com o Metrô interrompendo a linhas e chamando ônibus da operação PAESE (Plano de Atendimento entre Empresas em Situação de Emergência).

Para a entidade, estes testes são a razão de tantos transtornos no último domingo.

E o pior, segundo o Sindicato, uma parte dos funcionários que trabalhou no dia sequer sabia destes testes.

“Neste último domingo (3/7) foram realizados testes como CBTC na linha 1-Azul. A empresa não avisou os Operadores de Trens (OT’s) e nem preparou uma estratégia para os testes. A ação desorganizada do Metrô provocou vários transtornos aos usuários e também aos trabalhadores. Não é possível ocorrer testes sem a comunicação aos OT’s e a elaboração de uma estratégia adequada. A empresa cometeu uma ação desorganizada e irresponsável que não deve ser repetida” – diz o sindicato por meio de nota.

Nas redes sociais, foram várias reclamações sobre as operações na linha 1-Azul do Metrô.

De acordo com uma das usuárias, o trem que foi recolhido com passageiros dentro foi o que tinha o carro L375 em sua composição.

Os demais relatos deram conta de portas se fechando muito rapidamente, trens parados em tempo acima do normal nas plataformas, atrasos e lotação acima do normal para um domingo de manhã.

 

OUTRO LADO:

Desde o início da manhã desta segunda-feira (04), o Diário do Transporte tenta uma resposta do Metrô sobre a realização dos testes.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes e Willian Moreira

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta