Crise fecha mais uma empresa de ônibus: Fretcar encerra atividades no Ceará

Viação tem 5% de participação no transporte de Fortaleza. Foto: David Candéa/Ônibus Brasil

Empresa que opera nos transportes intermunicipal e urbano comunica que chegou o momento de parar “por absoluta falta de condições econômico-financeiras para prosseguir honrando com os compromissos, tanto para com os colaboradores como fornecedores”

ALEXANDRE PELEGI

A Fretcar, uma das empresas vencedoras da licitação pública ocorrida em 2009 para a operacionalização das linhas intermunicipais do interior do Ceará, decidiu encerrar suas atividades. A empresa também atende o transporte urbano de Fortaleza, onde é responsável por 5% do atendimento urbano.

Em comunicado interno, a diretoria da viação ressaltou o prejuízo causado pela pandemia de Covid 19, que trouxe consequências significativas para muitas empresas.

No caso da Fretcar não foi diferente, com a redução drástica e sistemática do número de passageiros, o que nos trouxe enormes prejuízos”, afirma a Fretcar.

Contudo, por absoluta falta de condições econômico-financeiras para prosseguir honrando com os compromissos, tanto para com os colaboradores como fornecedores, chegou o momento de anunciarmos o encerramento das nossas atividades”, conclui.

Em nota pública, o Sindiônibus (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará) lamentou o encerramento das atividades da empresa.

O fim das atividades se deu na última quinta-feira (30), devido ao desequilíbrio econômico-financeiro que assola o sistema de transporte desde o início da pandemia de Covid-19. Essa é a crise mais grave já enfrentada pelo setor. O transporte coletivo já enfrentava grandes dificuldades devido à decrescente no número de passageiros. Mesmo com o retorno da economia, em Fortaleza, o número de passageiros está em 65% se comparado com a demanda registrada em 2019. Além disso, com os sucessivos aumentos do combustível, a situação tem se tornado insustentável”, diz a nota.

Como consequência do fechamento da empresa, será realizada uma reunião nesta sexta-feira com o Sintro-CE (Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Ceará) para encaminhar as rescisões dos contratos de trabalho dos funcionários.

Em entrevista para uma emissora de rádio de Fortaleza, o presidente do Sindiônibus, Dimas Ramalho, descreveu o momento atual como “muito dramático”, classificando-o como a pior crise que o setor já atravessou nacionalmente.

A Fretcar atendia rotas urbanas para municípios cearenses como Redenção, Guaiúba, Pacatuba, Maranguape e São Gonçalo.

Nos trechos intermunicipais, operava nas Rodoviárias de Fortaleza, Itapipoca e Quixadá.

Atendia também as cidades de Fortaleza, Jijoca, Quixadá, Camocim, Itapipoca, Itarema, Acaraú e Quixeramobim.

Além da Fretcar, o Sindiônibus alerta para a situação de outras duas empresas – Santa Cecília e Ceará Grande, que entraram com pedido de recuperação judicial por falta de opção.

Após a publicação da matéria, a Fretcar enviou a seguinte nota ao Diário do Transporte:

Nota da Empresa Fretcar:
 
Prezados Colaboradores,
 
É de conhecimento de todos que a pandemia pela qual estamos passando desde 2020 trouxe consequências significativas para muitas empresas. No caso da Fretcar não foi diferente, com a redução drástica e sistemática do número de passageiros, o que nos trouxe enormes prejuízos.
 
Ainda assim, todos os esforços e sacrifícios foram feitos de forma a manter a continuidade da operação, que foi constituída em 2010, tendo sido participante de  Concorrência Pública em 2012, e que vinha operando até a presente data o sistema de transporte coletivo urbano no Município de Fortaleza.
 
Contudo, por absoluta falta de condições econômico-financeiras para prosseguir honrando com os compromissos, tanto para com os colaboradores como fornecedores, chegou o momento de anunciarmos o encerramento das nossas atividades.
 
Com essa decisão, solicitamos ao sindicato da classe laboral (Sintro) uma reunião nesta sexta-feira (01/07) para tratar sobre as rescisões dos contratos de trabalho de nossos colaboradores.
 
Fretcar Transportes Urbanos Ltda
 
Fretcar urbana até então estava operando nas seguintes linhas:
027 – Siqueira/Papicu via Aeroporto
030 – Siqueira/Papicu/Av. 13 de Maio
041 – Parangaba/Oliveira Paiva/Papicu
049- Siqueira/Oliveira Paiva/Washington Soares
051-Grande Circular 1
055 – Corujão/Grande Circular 1
300 – Siqueira/Centro/Expresso
326 – Miguel Arraes/Tatumundé
329 – Parque Santa Rosa/Siqueira
333 – Bom Jardim/Centro
335 – Bom Jardim 1
336 – Parque Santa Cecília 1
345 – Conjunto Ceará/Siqueira
346 – Jardim Fluminense
351 – Jóquei/Bonsucesso
355 – Siqueira/José Bastos
366 – Bom Jardim 2
370 – Santa Maria/Nova Esperança
376 – Parque Santa Cecília 2
382 – Parque Jerusalém
386 – Planalto Granja Lisboa
388 – Conjunto Tatumundé
392 – Nova Esperança/Siqueira
400 – Osório de Paiva/Siqueira
405 – Parque Dois Irmãos/Expedicionários
406 – Planalto Ayrton Senna/Centro
Antes de ser Fretcar, ela se chamou Cidade Luz e através dela comprou a Fretcar que Rodava no Rodoviario e Metropolitano. Já no Ano de 2019 na area do Rodoviario Intermunicipal ela não concorrer a Licitação do Lote 2 e deixou de operar nas linhas que faziam parte desta licitação no mesmo ano. No ano de  2020 foi a vez dela deixar de operar no Lote 5, sendo assim ficou apenas no Urbano e algumas linhas do Metropolitano. Hoje justamente na qual ha 10 anos atrás outras empresas deixavam também de operar no SIT-FOR. Até agora não se sabe como ficara o Metropolitano.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Agnaldo Pinheiro dos Santos disse:

    Boa tarde,aos que compõe o site diário dos transportes,soube por amigos meus, que são motoristas de ônibus, que o Grupo Mauá,em parceria com a Coesa Transportes,adquiriram todo o Grupo Rio Ita (Rio Ita, Fagundes Rio de Janeiro, Rio Minho Tanguá,Tanguaeense),toda a região metropolitana que vai de Niterói, São Gonçalo, Magé, Rio Bonito,Tangua, Itaboraí e Cachoeiras de Macacu),passa a ser um dos maiores grupos de transportes de ônibus do Estado do Rio de Janeiro, vcs, que tem mais acesso a essas notícias,podem averiguar essa informação

  2. Francisco eldo Firmino da cruz disse:

    Lembra do fica em casa a economia a gente vê depois,pois é o depois chego

  3. carlos souza disse:

    APOCALIPSE ÉTICO E MORAL GENERALIZADO E TERMINAL DESSE UNIVERSO CRIMINOSO E ILEGAL JÁ CONSUMADO EM DEFINITIVÍSSIMO PELA PANDEMIA.

  4. israel gonçalves Da Silva disse:

    Hora de cobrar e culpar o petista Camilo santana pelo fecha tudo e pelo fique em casa que a economia a gente vê depois… O depois chegou…

  5. fernando rocha de miranda pereira disse:

    As consequencias do fique em casa foram desagradáveis, aumento do desemprego, empresas falindo, coisas subindo de preço, a volta da fome e da miséria. Voltou a ser com antigamente e pior. O desemprego diminui mas as pessoas estao tendo que se contentar em trabalhar e receber menos

  6. Evanildo disse:

    Se não mudar essa política econômica da petrobras, vai falir todas e todos caminhoneiros autônomos !!

  7. ALBERTO CRISTIANO disse:

    Alguém pode explicar como uma empresa que só vende avista pode falir?
    Eu sei….

    Roubo, Corrupção dentro da empresa.
    Aliada com o Governo Estadual do Ceará que suga dos empresários o resultado é FALENCIA.

    Esse é o futuro do Socialismo no Brasil.
    Quebrar todas as empresas, e igualar todos pela miséria e derrota.

    Depois eles culpam o Bolsonaro e seus jumentinhos vão acreditar na mentira que contam.

  8. Paulo Henrique de Almeida Braga disse:

    Com a falta de geração de emprego, muitas empresas encerrando as atividades, a corrupção ( com a ganância de uns pouco) e a falta de humanidade reinando não sairemos desta situação

  9. Urbano disse:

    Discordo totalmente.
    A pandemia e a crise foram apenas a gota d’água para ela fechar. A empresa sempre teve um serviço ruim, veículos ruins e atendimento ruim.
    Já fiz uma viagem de Fortaleza a Itapipoca, 3 horas, num ônibus sem banheiro.
    Já fiz uma viagem de Itapipoca a Sobral, também 3 horas, num ônibus com fedor de vômito.
    Já fiquei mais de hora parado na estrada, no meio do nada, por problemas no ônibus.
    Pode questionar a qualquer pessoa que usou de seus serviços. Todos vão ter alguma história ruim sobre ela.
    Quem não trata bem os clientes, não consegue perdurar.
    Lembro que já é a terceira empresa viária que encerra na região. Primeiro Horizonte, depois Redenção e agora FretCar.

  10. Crise econômica ? Não mais do que falta de política econômica adequada e insegurança. É fácil botar a culpa na pandemia ou em Deus ou seja la quem for. Difícil e admitir e aceitar os próprios erros. É preciso uma consciência social e ambiental antes de tomar qualquer decisão importante meus amigos. Demitiram os cobradores e acharam que estava tudo certo… Olha ai o que deu a ganacia desenfreada dos empresários.

Deixe uma resposta