Fofão e Flecha Azul se encontram na BBF 2022

Veículos restaurados prometem viagem ao passado. Foto: Divulgação.

Evento será realizado em 27 e 28 de agosto, em Campinas (SP)

JESSICA MARQUES

Duas figuras icônicas da história do transporte por ônibus vão se encontrar na BBF (BusBrasil Fest): o Fofão e o CMA Flecha Azul V. O evento será realizado nos dias 27 e 28 de agosto de 2022, em Campinas, no interior paulista.

O encontro será na Pedreira do Chapadão/Praça Ulisses Guimarães (R. Dr. Alcídes Carvalho, S/n – Jardim Chapadão).

Relembre: BBF em Campinas será realizada em 27 e 28 de agosto de 2022 na “Pedreira do Chapadão”

O Fofão foi comprado pelo empresário Antonio Augusto, que está sendo homenageado nesta edição da BBF. O proprietário do ônibus estava à frente da Viação Caprioli e decidiu preservar a história viva do ônibus, restaurando diversos modelos. Entre eles, o Fofão.

Foi em São Paulo, trazido por Jânio Quadros, que os ônibus de dois andares ganharam as manchetes no Brasil, mas também geraram uma enorme polêmica.

Leia mais: HISTÓRIA: O Fofão além de Jânio Quadros

Por sua vez, o CMA Flecha Azul V, com chassi Scania K113, ano 1996, será trazido por Rodinilson, empresário do setor de transportes. O veículo é o de prefixo 7085.

“Minha paixão por ônibus, em especial o Flecha Azul, é desde minha infância, pois toda vez que eu, meus irmãos, primos, tio e tia íamos para a casa de parentes em Rio Preto e São Paulo, íamos de Cometa e desde criança minha admiração só crescia por estas máquinas. Paixão desde a infância”, conta.

Na vida adulta, conseguiu colocar na garagem um Flecha Azul restaurado, o mais próximo possível da versão original. Rodinilson conta que estava procurando o modelo há anos, que estivesse em boas condições. Entretanto, ele teve investir muito tempo e dinheiro para reavivar as memórias do ônibus que encontrou.

“Meu encontro se deu na minha cidade mesmo (Campinas  depois de procurar por várias cidades, e depois de muita insistência com o antigo proprietário, pois ele não queria vender”, disse.

“O processo foi longo, começando pela funilaria e troca de algumas partes, e pintura dentro do padrão Cometa (cores e letras). Os bancos foram todos removidos e arrumados e trocas de estofamento, no padrão original (couro cereja), iluminação toda recuperada (luz de salão original, com os devidos reatores originais recuperados, iluminação de leitura, painel, externas todas originais (sem nada de luz de LED). Enfim, um clássico com todas suas funções preservadas”, completou.

Assim, Rodinilson decidiu participar da BBF para levar ao público o sentimento de nostalgia, com uma grande viagem ao passado, a bordo de um Flecha Azul que marcou época.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Wilson disse:

    Saudades do Flexa , era imponência , beleza e soberania nas estradas !! Mesmo depois de tanto tempo , nunca mais teve um semelhante .

  2. Nelson Inácio disse:

    Muito bom estas histórias. Quando vem para São Paulo capital

Deixe uma resposta