Ônibus da Trans Oeste voltam a operar em BH nesta sexta (14)

Outras empresas anunciaram quer iam ajudar companhia a comprar diesel, enquanto Kalil tentar liberar R$ 4,3 milhões

ADAMO BAZANI

A empresa de ônibus Trans Oeste, que atende parte do sistema de Belo Horizonte, voltou a operar normalmente nesta sexta-feira, 14 de janeiro de 2022.

A informação é da BHTrans, que gerencia os transportes na capital mineira.

Nesta quinta-feira (13), os 88 ônibus das 28 linhas concedidas à Trans Oeste não saíram às ruas porque a empresa alegou não ter mais condições financeiras e não havia comprado óleo diesel suficiente para as operações. Em torno de 120 mil pessoas foram afetadas.

As linhas afetadas foram: 32 – 35 – 303 – 304 – 305 – 308 – 309 – 310 – 311 – 313 – 314 – 315 – 318 – 319 – 325 – 329 – 330 – 332 – 335 – 336 – 337 – 340 – 3029 – 3055 – 3250 – 3350

Como mostrou o Diário do Transporte, o Setra-BH (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte), informou na noite de quinta-feira, que outras empresas vão custear o diesel da Trans Oeste de forma emergencial.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/01/13/onibus-devem-voltar-a-circular-em-belo-horizonte-nesta-sexta/

Enquanto isso, entrevista, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, disse também na quinta-feira, 13 de janeiro, que pediu ao MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), a liberação de R$ 4,3 milhões, que pertencem às próprias empresas de ônibus, com o objetivo de regularizar a situação.

Segundo Kalil, esta verba “travada” faz parte de um acordo com o MPMG e pertence às próprias empesas de ônibus e deve ser usado em situação de emergência.

“Esse dinheiro não é da prefeitura. Não pode ser usado pela prefeitura. Ele é um caução que as próprias empresas colocam na prefeitura para que, em horas como estas, seja usado”, explicou Kalil.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/01/13/kalil-pede-a-ministerio-publico-liberacao-de-r-43-milhoes-para-onibus-voltarem-as-ruas/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Ricardo A. disse:

    É “um” caução.
    De que vale se as empresas estão perdendo ATÉ as cuecas?

Deixe uma resposta