Prefeito de Divinópolis rejeita reajustar tarifa do transporte coletivo

Trancid - Transporte Coletivo Cidade de Divinópolis Ltda é a empresa líder do Consórcio Transoeste

Gleidson Azevedo desafiou Consórcio Transoeste, responsável pelo serviço de ônibus municipais, a entrar na justiça

ALEXANDRE PELEGI

Apesar do Conselho Municipal de Trânsito (Comutran) de Divinópolis (MG) votar favoravelmente para a implantação de uma tarifa técnica de R$ 6,09 como remuneração por passageiro transportado no sistema de ônibus na cidade, o prefeito Gleidson Azevedo rejeitou dar qualquer aumento.

Em entrevista a um programa de rádio da cidade (Bom Dia Divinópolis) nessa sexta-feira, 24 de dezembro de 2021, o prefeito afirmou que não haverá reajuste no valor da passagem de ônibus, e caso o Consórcio Transoeste queira reajuste deve entrar na Justiça.

Divinópolis, no interior de Minas, tem hoje 240 mil habitantes.

Pela prefeitura não haverá reajuste nenhum, porque até pelo momento em que estamos vivendo durante essa pandemia, ou seja, nesse ano o empresário e a população sofreu muito. Ter um reajuste de quase 50% é inaceitável. Então cabe ao Consórcio Transoeste se quiser entrar na Justiça”, disse o prefeito.

A tarifa atualmente em Divinópolis está em R$ 4,15 para quem usa o Cartão Divpass, e R$ 4,15 para quem paga em dinheiro direto na catraca. De R$ 4,15 para R$ 6,09 (valor aprovado pelo Comutran), portanto, o reajuste alcançaria quase 47%.

A Trancid – Transporte Coletivo Cidade de Divinópolis Ltda, é a empresa líder do Consórcio Transoeste, que venceu a licitação do transporte público municipal em 2012. O Consórcio é integrado ainda pelas empresas Exdil – Expresso Divinopolitano Ltda, Transpratur, Vidatur e Empresa Braulino.

Como mostrou o Diário do Transporte, os membros do Comutran votaram pela tarifa técnica de R$ 6,09 no dia 16 de dezembro de 2021. O valor pago pelo passageiro é definido pela prefeitura. Relembre:

Comutran aprova tarifa técnica de R$ 6,09 no sistema de ônibus de Divinópolis (MG)

Tarifa-técnica reflete o custo da operação e é o quanto a empresa de ônibus deveria receber por passageiro transportado. Já a tarifa pública é o que o passageiro paga nas catracas.

Se a tarifa-técnica for maior que a tarifa pública, ou seja, se o valor da passagem for menor que o custo para operar os ônibus, a prefeitura deve subsidiar o sistema.

O Consórcio Transoeste é responde pelo transporte coletivo urbano e rural de Divinópolis. Ao todo são 164 veículos à disposição, que transportam cerca de 70.000 pessoas por dia ou o equivalente a 2 milhões de usuários por mês, segundo dados da empresa.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta