ENTREVISTA: Trans-Bus, no ABC, anuncia intenção de encerramento de atividades, diz Sindicato

Empresa de ônibus fundada em 1964 é uma das mais tradicionais do ABC Paulista; Assembleia no Sintetra vai discutir futuro funcionários

ADAMO BAZANI

Ouça:

A Trans-Bus Transportes Coletivos, uma das mais tradicionais empresas de ônibus do ABC Paulista deve encerrar as atividades.

A informação é do presidente do Sintetra, sindicato que representa os trabalhadores em transportes coletivos na região, Leandro Mendes da Silva, em entrevista ao Diário do Transporte na tarde desta terça-feira, 21 de setembro de 2021.

Nesta quarta-feira (22), duas assembleais no sindicato vão discutir os direitos e futuro dos trabalhadores. As assembleias vão ocorrer às 9h e às 16h, na sede do Sintetra, na Rua Santo André, 435, Vila Assunção, em Santo André.

Leandro Mendes da Silva disse que a empresa sempre foi idônea e que os trabalhadores nunca haviam enfrentado grandes problemas com a Trans-Bus, mas que recentemente, por causa da crise gerada pela pandemia de covid-19 que impactou na demanda de passageiros, começaram a ocorrer alguns atrasos nos depósitos.

Segundo o sindicalista, na segunda-feira (21), um dos proprietários da empresa, Luiz Fernando Flogli, relatou que mesmo com a retomada das atividades econômicas, a demanda de passageiros da Trans-Bus ainda está em 65% do que era transportado antes da pandemia.

Segundo Leandro Mendes da Silva, a empresa não quer sair sem honrar os débitos trabalhistas e uma proposta de pagamento será enviada à categoria.

“Na segunda-feira, ele anunciou que está parando com o transporte, que vai fechar as portas e que não aguenta mais. Ele relatou que está vendendo patrimônios para por na empresa, mas que será impossível continuar assim” – disse Leandro.

Além do pagamento de verbas e direitos trabalhistas, o sindicalista disse que a grande preocupação dos trabalhadores é quanto a permanecerem no sistema.

“A gente precisa colocar os funcionários dele para trabalhar. Não sabemos se vai entrar outra empresa, a gente imagina que seja a Next [Mobilidade], só que ela não tem compromisso com os funcionários. O compromisso de pagar é da Trans-Bus” – afirmou.

A Next Mobilidade é uma SPE (Sociedade de Propósito Específico) criada no âmbito da reformulação dos transportes no ABC gerenciados pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), prevista no aditivo de R$ 22,6 bilhões do contrato de 1997 da Metra pelo Corredor ABD de ônibus e trólebus. O contrato foi prolongado por 25 anos e, como contrapartida, a SPE terá de construir um BRT de ônibus elétricos, modernizar o corredor de trólebus e operar as 97 linhas remanescentes da antiga Área 5 da EMTU. O processo se assunção das linhas vai até março de 2022.

O contrato não prevê que a Next Mobilidade assuma passivos trabalhistas ou mesmo contratações referentes às outras empresas.

“Queremos que ao menos 80% dos trabalhadores sejam absorvidos no sistema aqui no ABC. Creio que isso conseguimos” – disse Leandro.

O Diário do Transporte procurou a Trans-Bus por telefone, mas foi informado na garagem que os responsáveis pela empresa que poderiam comentar já tinham ido embora.

Por e-mail, a reportagem também entrou em contato com a diretoria e aguarda retorno.

A Trans-Bus foi criada por Luiz Fogli, em 16 de abril de 1964, e atualmente opera linhas metropolitanas gerenciadas pela EMTU no ABC.

Apesar de todas as discussões a respeito do futuro da empresa, as linhas continuam sendo operadas normalmente.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Tá, mas nem sequer saiu do papel a obra do BRT, que servirá SCS, e já estão debandando???? De certo a Bia vai entrar de sola, mas com seus carros e funcionários,,,,,

  2. alexandrovl disse:

    Nossa estou muito triste, moro no Ferrazópolis em SBC e perto de casa passam as linhas 148 e 149. A 148 era sempre pontual e com vários ônibus, tomara que a Next mantenha os empregos.

  3. William Santos disse:

    O mais curioso (e triste) é ver uma empresa como a Trans-Bus passar por uma situação tão delicada a ponto de praticamente decretar o encerramento das atividades, enquanto isso as empresas do Baltazar continuarem la firmes e fortes como se nada estivesse ocorrendo

  4. Eduardo disse:

    Uma pena, uma das melhores empresas da região vai sucumbir como várias outras país afora. Ainda bem que ao que tudo indica o controlador deseja e vai cumprir com a s obrigações trabalhistas.

  5. ERICK FRANCA RIBEIRO disse:

    Também os preços abusivos (“do quase cartel”) do transporte público.. ônibus mais caro que Uber.. ridículo.. se abaixarem o valor, ia sobrar passageiro..

  6. Ademir. disse:

    Esses empresários são aqueles que nunca deixaram o metrô vir para o ABC. Agora dão no pé e deixam o ABC sem metrô e sem ônibus. Se não fosse a contrapartida exigida quando a Metra assinou o contrato com o governo de SP o ABC estaria sem transporte coletivo.
    Sem metrô o transporte de massa não vira. Haja vista os sistemas de metrô em Londres e em NY. Aqui mais cedo ou mais tarde a fatura também vai chegar para a família do seu Baltazar. E mais uma vez os pobres dos funcionários e os passageiros ficarão mo prejuízo.
    Metrô para o ABC já!

  7. João Eduardo Portilho Encide disse:

    Sou totalmente leigo no assunto, mas quantas vezes vi aqueles ônibus do maior porte, rodando vazio….
    A rigras aqui de Ribeirão Pires já foi pro brejo, tanta gente depende de condução e os “grandes” empresários não são capazes nem de fazer dar lucro mesmo com todo apoio possível do setor público. Esses tempos atrás vi a suzantur processando a prefs de Mauá por que eles tiveram preju por causa da pandemia ….. Não é piada não, é nesse nível de safadeza….
    Esses merdas nem lucro deveriam ter! A ADM pública seria capaz de oferecer um serviço muito mais decente!

    1. Adriano disse:

      Esses ônibus Intermunicipais, estão condenados a decadência faz tempo….. linhas extremamente longas, com tarifas mais baixas que as do sistema municipal (que não opera entre munícipios).
      Como exemplo, quem pega o ônibus em Ribeirão Pires com destino a são Caetano do Sul, se pode embarcar no trem da CPTM e fazer o mesmo percurso em 20, 25 minutos? Essas linhas com itinerários e programações arcaicas, funcionavam bem antes da expansão de trem e metrô, antes do UBER e da 99…. tudo evoluiu muito e essas linhas , bem como seus itinerários ficaram estagnados, elas acabam transportando passageiros que os ônibus municipais já o fazem praticamente, apenas entre bairros ou ate o centro, porem tem um intervalo maior de frequência e perde usuários para o sistema municipal de cada cidade onde ele trafega.
      Agora, com todo respeito, minha opinião, não creio que a Administração publica tenha condições de manter um sistema de transportes sem ser através das empresas que operam, a exemplo disso, que todos os locais , principalmente no ABC passaram por essa “privatização”, devido ao sucateamento do sistema e as dividas governamentais para manter um sistema, com funcionários, manutenção, operacional… em fim …. manter uma empresa de transportes precisa de conhecimento. A pouco tivemos o exemplo da Cidade de São Carlos, onde a prefeitura interviu e assumiu as linhas do munícipio, tirando da prestadora…. durou 3 meses…depreciou toda frota, e não conseguiu cumprir o seu próprio contrato de exigências feito as empresas operadoras do sistema.
      O Governo sim, teria condições de manter um transporte publico de qualidade, se la contassem com profissionais para isso, verba para investir em frota nova, com sustentabilidade e moderna ( a exemplo de muita que já o fazem), bancar funcionários com todos seus direitos…. o que creio, hoje não estar ao alcance de nenhuma prefeitura.

  8. Avenida Senador Ricardo Batista, 292 Carvalho disse:

    Com esse Desprefeito Orlando, São Bernardo do Campo SP vai virar uma Cidade fantasma.

  9. Gleidson disse:

    Leandro e cia sindicato…são uma piada
    Vê pelas empresas do Baltazar
    São Camilo riacho eaosa e cia ngm recebe nada

    FGTS pergunta pra qualquer funcionário do grupo se tem FGTS depositado

    Rescisão paga quando sair da empresa esquece
    E vc procura o sindicato (leandro) não podemos fazer nada e oque vc escuta

    Sindicato do transporte no ABC e uma vergonha
    As empresas do Baltazar faz oque quer

  10. Juliano Vukojević disse:

    Esses sindicalistas não passam de pelegos, nunca representam os interesses dos trabalhadores mas sim de partidos políticos e ainda tem quem os defenda. Esses sindicatos pra fazerem greve e prejudicar o povo que precisa do transporte são uns leão, mas pra tentar salvar a empresa e os empregos não fazem nada, tá na cara que eles torcem pra falência das empresas de transporte.

  11. Claudio Roberto da luz crepalde Crepalde disse:

    É uma pena uma ótima empresa uma das melhores

  12. Claudio Roberto da luz crepalde Crepalde disse:

    E quando vão pegar motorista

  13. miguel disse:

    Conhecendo um pouco o funcionamento de algumas empresa da região, o empresário vem e fala que vai encerrar as atividades pelo fato de ter baixa no número de passageiros , pandemia etc…..me poupe né?!…..Já deve ter vendido a fatia para essa tal Nex Mobilidade. Agora fala que vai pagar os trabalhadores de forma parcelada. Tá cheirando clorifila , o fechamento da empresa. Empresário de ônibus , dizendo que tem prejuízo hahahahaahahahahahaha

  14. Izaias José disse:

    Fico muito triste em saber que mais uma empresa vai fechar,são Bernardo tá deixando de ser são Bernardo!!!

  15. Francisco de sales de Figueiredo disse:

    Eu passei por essa situação, pela empresa Benfica Diadema. Meus direitos parcelado em 18 mês.

Deixe uma resposta