Eletromobilidade

Curitiba recebe autorização do Tesouro Nacional para prosseguir com financiamento das obras de corredor BRT elétrico

Serão contratados US$ 75 milhões para a construção do Ligeirão Leste-Oeste

WILLIAN MOREIRA

A prefeitura de Curitiba (PR) obteve semana autorização do Ministério da Economia por meio da STN (Secretaria do Tesouro Nacional), para continuar a processo de um financiamento para as obras do Ligeirão Leste-Oeste.

Um total de US$ 75 milhões deve ser contratado junto ao New Development Bank.

Segundo o ofício publicado pela STN, a cidade de Curitiba atende aos requisitos necessários para contrair essa dívida com as garantidas da União.

Agora a PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional) deve ser a responsável por validar o financiamento do projeto que faz parte do Programa de Mobilidade Urbana Sustentável de Curitiba e busca aumentar a velocidade e atendimento dos ônibus no município.

“O andamento do processo de financiamento, pela STN, faz com que não haja retrocesso e ao mesmo tempo é um reconhecimento ao esforço de Curitiba em honrar os seus compromissos e pela recuperação econômica do município, promovida pelo prefeito Rafael Greca”, disse o presidente do Ippcu (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba), Luiz Fernando Jamur em nota divulgada para a imprensa.

O andamento do processo e sua análise por parte do Governo Federal aconteceu após a cidade de Curitiba obter um mandado de tutela antecipada por meio da 6ª Vara Federal de Curitiba, pela juíza Vera Lúcia Feil Ponciano, que na sua decisão determinou que a União analisasse as garantias de pagamento do financiamento.

O município precisou recorrer à esfera jurídica depois que o Governo Federal suspendeu todos os processos de análises de contratos internacionais para contrair recursos financeiros a serem aplicados nas cidades.

Essa decisão da União aconteceu por meio da Portaria do Ministério da Economia (ME n° 9.365/2021) publicada, em 5 de agosto deste ano.

SOBRE A OBRA DO BRT

Com investimento total de US$ 93,75 milhões, além dos 75 milhões de dólares de recursos internacionais, os outros US$ 18,75 milhões vem da prefeitura como contrapartida.

O prazo previsto de implantação é de cinco anos.

Além do corredor BRT Leste-Oeste, o projeto inclui o trecho Sul do sistema e visa aumentar a velocidade e qualidade do serviço.

No trecho sul estão sendo feitas melhorias em 13 paradas, requalificação de pista em 4 km de extensão e a construção de 15 km de ciclovias.

Já no trecho Leste-Oeste o projeto prevê um corredor entre Pinhais e a estação CIC-Norte operado com ônibus elétricos de alta velocidade, diminuindo em 23 minutos o tempo de viagem, com aumento da capacidade de passageiros transportados e uma menor emissão de poluentes na atmosfera.

Serão 22 km de vias exclusivas e mais 7,5 km de vias complementares com a implantação de 44,8 km de ciclovias ao longo do trajeto.

Outras melhorias estão previstas neste corredor, como a construção de três novas estações de transporte, a reforma do Terminal de integração Centenário e Vila Oficinas e a reconstrução dos terminais Capão da Imbuia e Campina do Siqueira.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Fabio Almeida disse:

    “Cidade-modelo” que não tem metrô 🤡

  2. Felipe disse:

    Acho importante a readequeção! Mas, esse investimento, ou seja, todo eese dinheiro que está sendo cantraído em viad de dívidas mulionárias, será gerido, fiscalizado e monitorado por qual órgão??? Quem irá definir estratégias de gastos e propriamente dita gestão financeira dos gastos desse projeto?
    É muito dinheiro para que fique na mão dessa prefeitura que nos últimis anos realizou gastos em várias obras sem sentido!

  3. Flavio disse:

    Kkkkkkk. Mais uma obra para nossos políticos encherem os bolsos. Uma fortuna dessas rssrs o que não vai rolar de subfaturamento. E nós que pagamos esse absurdo. Exemplo banheiro do parque bacacheri, na época custou mais de 200mil para construções de um banheiro. Achei que teriamos privadas de prata e ouro lá rsrrs..

  4. Jose disse:

    Melhoria para cidade faz bem a população.

  5. Edso disse:

    Pega este dinheiro e termina logo a linha verde Trevo do Atuba que os usuários da localidade não aguentam mais, obra iniciada em 12 de janeiro de 2007 e até hoje não foi concluída!! Não se preocupe é só falar que é culpa do Bolsonaro, o Governador não tem nada a ver…

Deixe uma resposta