Diário no Sul

Transporte em cápsula da HyperloopTT poderá ir de Porto Alegre a Caxias do Sul em 17 minutos

Governo do Rio Grande do Sul já assinou contrato de viabilidade para o primeiro hyperloop da América Latina. Foto: Divulgação.

Análise foi realizada junto com a UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

JESSICA MARQUES

O transporte em formato de cápsula que se movimenta por propulsão magnética da HyperloopTT poderá ir de Porto Alegre a Caxias do Sul em 17 minutos. O trajeto de 130 quilômetros atualmente é feito em duas horas de carro.

A análise de tempo foi realizada pela empresa junto com a UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). O transporte também deve passar pelas cidades Novo Hamburgo e Gramado, de acordo com o projeto.

Em um acordo com o Governo do Estado do Rio Grande do Sul, a HyperloopTT se tornou responsável por realizar o primeiro estudo de viabilidade da América Latina, de uma rota que liga a capital do estado, Porto Alegre, à cidade de Caxias do Sul, na Serra Gaúcha.

Relembre:

Governo do Rio Grande do Sul assina contrato de viabilidade para o primeiro hyperloop da América Latina

Parecido com um avião sem asas e turbinas, o hyperloop tem capacidade para até 50 passageiros e funciona em um ambiente de baixa pressão, o que permite que ele opere em alta velocidade com quase zero atrito. A iniciativa, que também conta com o apoio da UFRGS, irá realizar a análise das condições ambientais, socioeconômicas e de retorno financeiro do investimento para a localidade.

A HyperloopTT informou em nota que também já iniciou conversas com empresas do ramo de energia no Brasil, pois planeja ter painéis de energia solar em todo trajeto. A principal parceria é com a Eletrobras, maior empresa brasileira de geração e transmissão de energia, para identificar as possibilidades de construção da infraestrutura.

SUBSÍDIOS

Além disso, a empresa ressaltou, em nota, que os sistemas de transporte atuais no Brasil e do mundo dependem de grandes subsídios governamentais, o que dificulta a expansão, modernização e, por consequência, precariza o atendimento à população. O retorno do investimento muitas vezes nunca se paga.

O hyperloop apresenta a vantagem de ser o único modal de transportes no mundo que não exige subsídios do governo, já que a tecnologia pode ser comprada e implementada por operadores logísticos, além de instituições privadas com papel relevante no segmento de infraestrutura e construção. Além de sustentável no ponto de vista ambiental, essa característica torna o transporte sustentável economicamente”, detalhou a empresa.

Além do Brasil, a HyperloopTT já firmou acordo com dez governos ao redor do mundo. Em Toulouse, na França, tem um sistema full scale de testes em operação, sendo a única empresa do ramo a já realizar experimentos e a implementar um guideline de segurança público do hyperloop, que regula e detalha como é o sistema em questão. O primeiro protótipo comercial será lançado em 2023, nos Emirados Árabes, e  irá conectar Adu Dhabi e Dubai em uma viagem de aproximadamente 10 minutos.

“Os modais atuais têm pouca capacidade ou interesse em desenvolver inovações relevantes contra problemas crônicos como engarrafamento, poluição e experiência do usuário. Além disso, o aumento da população metropolitana traz a necessidade de modelos de transporte com conexão rápida de regiões marginais aos centros das cidades. A tecnologia inovadora, segura e sustentável da HyperloopTT proporciona esse dinamismo crucial para a vida moderna”, afirmou o diretor da HyperloopTT na América Latina, Ricardo Penzin.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    Putz.Tá loko?Ainda mais no país do crime.É phyodhy@.

  2. CESAR ANTONIO DE ROS MASTELLA disse:

    Kkkkkkkkk. Nossos tataranetos talvez andem !

  3. João Pedro disse:

    só veio b0lsominion falando mal

  4. Jeferson da Silva disse:

    Projeto bom já existe em Porto Alegre desde os anos 80, com o aerotrem, projeto de engenharia local. Só fizeram um protótipo e nunca deram nenhum apoio ao projeto. Centenas de engenheiros do mundo todo vieram a Porto Alegre conhecer essa solução para transporte urbano. 45 anos depois, querem nos vender esse projeto sendo maravilhoso e inédito porque é de fora do país. Lamentável

  5. Paulo Roberto Mendes da Silva Sarro disse:

    Seria um março em transporte de massa. A pergunta é: Será que vinga? Em se tratando de Brasil talvez daqui há uns 50 anos talvez.

Deixe uma resposta