ENTREVISTA: Mais um dos intimados nas investigações sobre vandalismos a ônibus em São Paulo fala com reportagem e nega envolvimento nas ações

Ônibus abordados em uma das ações

Polícia ouviu ao menos 26 pessoas no inquérito

(Matéria publicada originalmente sexta-feira (30), às 17h11 e atualizada sábado (31) às 17h07)

ADAMO BAZANI

Ouça na íntegra no botão de áudio abaixo (Luiz Fernando Rodrigues – “Jacky Maluko”:

Ouça na íntegra no botão de áudio abaixo (Marcos Antônio Coutinho, José Ilton Maçal, Jorge Luís de Jesus, Luciana Leal Martins_:

O Diário do Transporte conversou neste sábado, 31 de julho de 2021, com mais um dos 26 intimados pela Polícia Civil de São Paulo nas investigações sobre a série de ataques e ações de vandalismo contra ônibus na capital paulista.

Luiz Fernando Rodrigues, conhecido como “Jacky Maluko” entre os profissionais do sistema de ônibus da capital paulista, disse também que foi pego de surpresa quando recebeu a intimação.

Segundo Rodrigues, que se apresenta como “jornalista independente da categoria”, por fazer vídeos sobre o cotidiano dos transportes de São Paulo, alegou que nos dias em que ocorreram os atos, estava se recuperando de sequelas da covid-19 e cuidando de problemas de saúde na família.

“Eu peguei covid há uns dois, três meses atrás, e, de lá para cá, eu tenho enfrentado dificuldades de locomoção, com problema de circulação em minha perna esquerda, graças a Deus está melhorando, e minha mãe também andou muito doente com problemas de rim” – contou

Jacky disse que não faz oposição política à direção do sindicato e que não faz parte do grupo dos demais entrevistados, mas acredita que sofre perseguição dos diretores atuais da entidade pelo conteúdo do material que produz. (no áudio acima, as entrevistas completas

Integrantes de um grupo que se denomina de oposição à atual diretoria do Sindmotoristas, que representa os motoristas e cobradores de ônibus da cidade de São Paulo, negaram em entrevista ao Diário do Transporte por telefone no fim da tarde desta sexta-feira, 30 de julho de 2021, que tiveram envolvimento na série de ataques e ações de vandalismo contra veículos do transporte coletivo.

Entre os dias 14 de junho de 2021 e 02 de julho de 2021, diversos ônibus tiveram pneus esvaziados, correias de motor cortadas, vidros e latarias danificados em diferentes pontos da cidade entre vias públicas e terminais (Veja mais abaixo os detalhes das ações).

Na quarta-feira, 28 de julho de 2021, o Diário do Transporte conversou com o presidente do Sindmotoristas, José Valdevan de Jesus Santos (Valdevan Noventa), que, além de falar sobre a campanha salarial da categoria, atribui os ataques à opositores.

“É uma oposição formada por ex-dirigentes sindicais, outros foram da categoria, que não representa nada. A justiça e a polícia, as autoridades têm de ficar atentos, para botar na cadeia esses caras que estão fazendo vandalismo na cidade de São Paulo” – afirmou na entrevista.

Relembre e ouça a entrevista de Valdevan Noventa neste link:

https://diariodotransporte.com.br/2021/07/28/audio-motoristas-e-cobradores-aprovam-759-de-aumento-e-cidade-de-sao-paulo-tera-mais-300-onibus-em-circulacao-em-agosto/

Um dos integrantes do grupo que conversou com o Diário do Transporte, nesta sexta-feira (30), Marcos Antônio Coutinho, disse que a categoria está insatisfeita com a direção do sindicato e afirmou que a acusação é sem fundamento.

“Lamento a entrevista da pelo presidente do sindicato, sem fundamento e irresponsável, acusando pai de família. Eu não conheço as pessoas que estavam nestes atos, eu não estava e a acusação é uma injustiça” – afirmou

O Diário do Transporte ainda informou que, no curso das investigações, ao menos 26 pessoas foram chamadas para depor à Polícia Civil.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/07/01/policia-civil-intima-ao-menos-26-pessoas-em-investigacoes-sobre-vandalismo-contra-onibus-em-terminais-na-capital-paulista/

A reportagem do Diário do Transporte conversou com duas destas pessoas.

José Ilton Maçal foi um dos convocados. Aposentado do sistema de ônibus, Maçal disse que estava em casa nos horários das ações.

“Eu estava na minha casa, como estou aposentado, eu durmo tarde e acordo tarde, e vi tudo pela televisão. Eu tenho câmeras de segurança em casa que mostram os horários que eu saio e entro em casa. Foi uma surpresa eu ter convocado” – disse.

Jorge Luís de Jesus, que também prestou depoimento, disse que está aposentado também e que tem como provar que estava em casa no momento das ações.

“Sou aposentado. Tenho uma rotina de vida de sair de casa depois das 10h. Em todos os momentos do ataque estava em casa. Num deles que aconteceu à tarde, eu estava na porta da minha casa conversando com os trabalhadores que passaram por lá” – afirma.

O grupo também questionou pontos do acordo da campanha salarial e da forma como foi feita a assembleia, na madrugada e, na versão dos entrevistados, sem ampla adesão, como conta a cobradora Luciana Leal Martins, que também participa do grupo.

“Não fomos convocados porque não fazemos parte da turma deles. Foi uma série de cipeiros (membros da Cipa) e delegados que fazem parte do convívio deles, como se fosse uma panelinha. Aquele que se posiciona e é contra este tipo de prática é excluído” – declarou.

Segundo a direção do Sindmotoristas, toda a categoria foi informada sobre a assembleia, mas, que por determinação da Vigilância Sanitária, não pode ser realizado o encontro como ocorre todos os anos em decorrência da covid-19, com a proibição de eventos que gerem aglomerações.

Como mostrou o Diário do Transporte, a Coordenadoria de Vigilância em Saúde da cidade de São Paulo (Covisa) notificou o Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo) citando uma assembleia anterior, realizada em 06 de julho de 2021, quando, no entendimento das autoridades sanitárias, houve aglomeração.  Diante da notificação, o Sindimotoristas não realizou as assembleias como ocorriam antes da pandemia.

Relembre e veja os documentos neste link:

https://diariodotransporte.com.br/2021/07/13/apos-notificacao-da-vigilancia-sanitaria-sindicato-dos-motoristas-de-sao-paulo-nao-fara-assembleia-presencial/

ATAQUES:

– 02 de julho de 2021:

Nove ônibus danificados

RADIAL LESTE:

– Rua Doutor Luiz Ayres (próximo ao acesso Av. Águia de Haia), ambos os sentidos

8h20. Ônibus de prefixo 31.156 (linha 2582/10), teve pneus furados, correia partida, retirada a chave e atravessado na via sentido por grupo de manifestantes. E também no mesmo local, no sentido, o ônibus de prefixo 48.481 (linha 3539/10) teve pneus furados, retirada a chave e atravessado na pista.

SÃO MIGUEL PAULISTA:

– Av. São Miguel, 9.600, São Miguel:
7h15 – Grupo de manifestantes abordou o operador, esvaziou dois pneus do coletivo de prefixo 31.289 (linha 3301/10) e estacionou de forma atravessada, tendo sua chave suprimida. Viário foi obstruído. Desvios em São Miguel foram desativados às 9h05.

ITAQUERA:

– Rua Geraldo Vieira de Castro – Itaquera – B/C:
6h20 – Ônibus de prefixo 31.104 (linha 3686/10) depredado no vidro traseiro por indivíduo. Coletivo levado para a garagem.

SAPOPEMBA:

– Av. Sapopemba, 11.000, B/C, Sapopemba:
5h40. O coletivo de prefixo 52.129 (linha 5142/10) após ter sido depredado, teve sua correia do motor cortada e seus pneus rasgados por um grupo de manifestantes, e estacionado de forma atravessada, obstruindo o viário no sentido centro.

SÃO MATEUS:

– Av. Mateo Bei, 2.500, B/C, São Mateus:
Os coletivos de prefixo 41.477, 41.594 e 41.479 foram depredados por indivíduos. Os veículos foram recolhidos à garagem.

PONTE DO SOCORRO:

– Ponte do Socorro, sentido B/C:

5h15. Grupo de manifestantes abordou o ônibus de prefixo 73.880 (linha 675K-10) e cortou a correia do motor, deixando o coletivo atravessado na via, obstruindo totalmente o viário. Houve a tentativa também pelos indivíduos de atear fogo no coletivo, entretanto os operadores, debelaram as chamas com os extintores de incêndio dos veículos. A operação de 62 linhas ficou prejudicada até as 6h

– 06 de julho de 2021:

LARGO DO PAISSANDU:

Dois ônibus atacados.

O veículo 81.907 da linha 8700/10 Term Campo Limpo – Pça Ramos de Azevedo, teve sua chave quebrada na ignição e a correia do motor foi cortada, no Largo do Paissandu com a Avenida São João.

Já o coletivo 11.058, da linha 9501/10 Term Cachoeirinha – Lgo do Paissandu, teve seus vidros quebrados.

– 1º de julho de 2021:

ZONA LESTE

Os ônibus foram atacados na Estrada do Iguatemi, na Radial Leste e na Avenida Ragueb Chohfi.

– 28 de junho de 2021:

TERMINAL PINHEIROS (zona Oeste)

TERMINAL SÃO MATEUS (zona Leste)

Ao menos três coletivos tiveram os pneus esvaziados, obstruindo totalmente a entrada do Terminal.

VIAS DA ZONA LESTE:

Dois coletivos, sendo um na Av. Ragueb Chohfi x Av. Aricanduva e o outro na mesma avenida com a Av. Jacu Pêssego.

– 14 de junho de 2021:

VIADUTO DIÁRIO POPULAR (PARQUE D. PEDRO II)

A SPTrans informou que a partir das 7h30 de 14 de junho de 2021, indivíduos não identificados estão parando os ônibus no Viaduto Diário Popular, murcham os pneus e cortam a correia do motor, visando prejudicar a operação das linhas na região.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Waltercio disse:

    bom dia eu me chamo waltercio, sou um integrante do transporte coletivo de São Paulo, e estou acompanhando sempre as entrevista no diário do transporte, e ouvir algumas entrevistas e conclusão, gostaria ADAMO de uma oportunidade de poder chutar o pau da barraca, porque até agora só ouvir mercenário dando entrevista. Meu contato é 11947001051.

Deixe uma resposta