Eletromobilidade

ENTREVISTA: Chinesa Higer embarca ônibus elétrico para o Brasil e testes serão em empresas da capital paulista e Ribeirão Preto

Segundo executivo da marca na América do Sul, o veículo vai operar experimentalmente nas companhias Transwolff, Sambaíba e Metrópole Paulista na cidade de São Paulo; Ainda neste ano deve desembarcar no Brasil um ônibus articulado de 18 metros; Também deve ser antecipado o lançamento de um superarticulado de 23 metros a hidrogênio com os padrões SPTrans; Van elétrica deve ser apresentada no País

ADAMO BAZANI

Colaborou Alexandre Pelegi

OUÇA A ENTREVISTA AQUI:

A fabricante chinesa Higer embarcou neste domingo, 18 de julho de 2021, um ônibus 100% elétrico desenvolvido para o mercado brasileiro que, segundo a empresa, será testado em trajetos de linhas da capital paulista e, posteriormente, na cidade de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo.

Ambos os municípios têm intenções de implantar redes de ônibus de baixas emissões sendo que, na cidade de São Paulo, uma lei municipal e os contratos assinados com as operadoras preveem reduções gradativas de poluentes pelos coletivos e uma frota com propulsão alternativa ao diesel.

Nesta segunda-feira, 19 de julho de 2021, o Diário do Transporte conversou com o diretor da Higer Bus para a América do Sul, Marcelo Barella, que disse que as empresas que devem testar o ônibus são a Transwolff Transportes e Turismo (que atua na Zona Sul), a Sambaíba Transportes Urbanos (zona Norte) e a Viação Metrópole Paulista (zonas Leste e zona Sul).

A estimativa é que os testes sejam com passageiros.

O veículo foi produzido na unidade da cidade chinesa de Suzhou da Higer Bus.

O modelo é denominado Azure, sendo que a unidade do projeto para o Brasil foi chamada de Azure A12BR.

O número 12 é uma referência ao comprimento total, de 12,2 metros.

A empresa garante que a autonomia das baterias é de aproximadamente 270 km dependendo das condições operacionais. O ônibus é quase 1,5 tonelada mais leve em comparação aos demais elétricos de mesmas dimensões disponíveis no mercado.

Cada veículo terá 12 jogos de baterias da CATL que, ainda de acordo com a empresa, podem ser carregadas integralmente em menos de três horas.

A capacidade é de 385 Kwh com possibilidade de 411 Kwh.

A configuração é de piso baixo total, sem degraus em nenhuma das portas.

Os testes terão auditoria de uma empresa terceirizada, a Netz, que vai verificar dados como resistência dos componentes elétricos, chassis e carrocerias; desempenho, rendimento, entre outros itens.

A unidade é um conceito de monobloco (ônibus cujo processo produtivo torna o veículo um bloco só com chassi, carroceria e motor formando um conjunto só), mas Barella disse que já há tratativas com encarroçadoras brasileiras para que o Azure receba carrocerias nacionais.

“As encarroçadoras não precisarão fazer grande mudanças em seus produtos. Nós é que vamos nos adaptar a cada carroceria disponível” – disse.

O executivo revelou ainda que neste ano deve desembarcar no Brasil um ônibus articulado de 18 metros já seguindo as exigências de carroceria da SPTrans (São Paulo), gerenciadora das linhas de ônibus da capital paulista.

Também deve ser antecipado o lançamento de um “superarticulado” de 23 metros a hidrogênio com os padrões SPTrans.

O chamado Padrão SPTrans, apesar de ser desenvolvido pela gerenciadora da capital paulista, acaba sendo usado ou baseando as exigências de diversas cidades brasileiras.

A introdução do ônibus no mercado de São Paulo faz parte da Aliança ZEBRA para transportes sustentáveis na América Latina.

Como mostrou o Diário do Transporte, a Aliança ZEBRA apresentou nesta em 10 de dezembro de 2020 a coalisão de 17 novos investidores e fabricantes de ônibus que se propõem a trazer novos produtos e financiamento para a expansão da frota de ônibus zero emissões na América Latina.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/12/10/alianca-zebra-divulga-compromisso-com-fabricantes-e-investidores-para-facilitar-compra-de-onibus-eletricos-na-america-latina/

Marcelo Barella ainda conta que o modelo Azure não foi desenvolvido com componentes chineses apenas e já segue as normas nacionais ABNT 15570 e os manuais da SPTrans. Itens como eixos, freios, amortecedores e ar-condicionado são de marcas internacionais e nacionais usadas pelos empresários de ônibus no Brasil.

A ENGIE fara parte com a HIGER nos testes da SPTrans.

“A ENGIE será responsável por criar a infraestrutura de energia nas garagens e pela gestão dos carregadores, possuindo cerca de 100 unidades já no Chile. A empresa possui experiência na gestão de energia nas garagens” – disse.

VAN

A Higer vai desembarcar no Brasil uma linha de vans de sete metros para cargas e passageiros.

O veículo pode ser usado em diferentes aplicações.

De acordo com Barella, a capacidade é de 1,8 tonelada e 14,8 metros cúbicos.

ESTRATÉGIA COMERCIAL:

Marcelo Barella disse que, inicialmente, os veículos terão de ser importados, sem ainda haver uma produção local, mas o intuito futuramente é montar os ônibus e vans no Brasil em regime de CKD.

A Higer terá bases em São Paulo e no Rio de Janeiro e o importador oficial é a TEVX Motors Group.

IMAGENS:

VAN:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. 1- cópia escarrada das vans Mercedes Sprinter sem dúvida. 2- os retrovisores, será que não podiam substituir por câmeras, mais retrátil, pois quando um veiculo deste dobra esquina lambe postes, ou seja, o condutor teria que ter mais cuidado ao virar a esquina já que em SP há muitas delas sem uma configuração correta de postes, além da velhas árvores(caso da via Coronel Seabra em Santo André-SP) antigas que pendem para a pista estreita do corredor, já até deterioradas por esbarrões..3- será que pensaram nas enchentes de SP??? as baterias estão bem embaladas/protegidas, fora do alcance das águas das chuvas??

  2. carlos souza disse:

    A van pra mim é clone da MB Sprinter antiga.Chinês gosta de copiar dos outros.

    1. André disse:

      Não é apenas cópia, é parceria feita com a própria Mercedes-Benz, o chineses hoje estão mais espertos.

  3. Rodrigo Zika disse:

    Curioso e que a BYD já ta instalada com fábrica, e vão buscar outra empesa na China, ah não ser que o custo seja bem baixo pra testarem.

  4. inline6fan disse:

    sensacional
    na torcida para que veículos elétricos de transporte em massa se proliferem logo pelas ruas.

Deixe uma resposta