Ônibus são atacados em atos de vandalismo na região do Paissandu, no centro da capital paulista nesta terça (06)

Um dos ônibus atracados

Veículos tiveram vidros danificados, pneus esvaziados e correias dos motores rompidas a exemplo de outras ações; Presidente de sindicato diz em assembleia que ações podem ser de responsabilidade de opositores

ADAMO BAZANI

Ônibus urbanos da capital paulista foram alvos de vandalismo na tarde desta terça-feira, 06 de julho de 2021, na região do Largo do Paissandu no centro.

Os veículos tiveram correias de borracha de motor cortadas e, um deles, do tipo articulado, um dos vidros danificados.

Um dos veículos foi atravessado na via.

De acordo com as primeiras informações, um grupo atacou os ônibus e fugiu em seguida.

Os veículos ficaram parados na via atrapalhando o trânsito e a operação das outras linhas.

O Diário do Transporte pediu um posicionamento da SPTrans (São Paulo Transporte) sobre os impactos das ações nas linhas.

A SPTrans informa que dois ônibus foram alvo de atos de vandalismo na tarde desta terça-feira, 6 de julho.

O veículo 81.907 da linha 8700/10 Term Campo Limpo – Pça Ramos de Azevedo, teve sua chave quebrada na ignição e a correia do motor foi cortada, no Largo do Paissandu com a Avenida São João. O veículo permanece no local.

Já o coletivo 11.058, da linha 9501/10 Term Cachoeirinha – Lgo do Paissandu, teve seus vidros quebrados.

A Polícia Militar e a equipe de fiscalização da SPTrans foram acionadas.
 
A SPTrans repudia atos de vandalismo e contata a Polícia Militar em tais circunstâncias.

Já o SPUrbanuss, sindicato das empresas, disse em nota que as empresas registram boletins de ocorrência e que repudia os atos

O SPUrbanuss – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo informa que todas as empresas, sempre, registram Boletins de Ocorrência quando ocorrem atos de vandalismo e depredação dos ônibus urbanos. Lembra que, no caso desses eventos registrados desde a última semana, esses atos ocorrem de surpresa, sem a possibilidade de se adotar quaisquer medidas preventivas.

O SPUrbanuss condena, veementemente, esse tipo de ocorrência. A retirada de ônibus avariado da frota perturba a operação das linhas e contribui para a degradação dos serviços, prejudicando o atendimento dado aos passageiros do sistema de transporte da cidade de São Paulo.

PRESIDENTE DE SINDICATO FALA EM OPOSIÇÃO:

Em assembleia da campanha salarial dos motoristas e cobradores na tarde desta terça-feira (06), o presidente do Sindmotoristas, Valdevan Noventa, insinuou que opositores da direção do sindicato estariam por trás de ações de vandalismo contra coletivos nos terminais Parque Dom Pedro II, Pinheiros e São Mateus que ocorreram em junho, quando pneus de ônibus foram esvaziados e correias de borracha dos motores foram cortadas.

“Aqui não é no grito, aqui é na responsabilidade de cada um de nós aqui. Então companheiros é fácil, é fácil não representar nada, é fácil não ser dirigente, é fácil não ser representante de nada e ficar 24 horas nas redes sociais pensando que contribui. Difamando esse, difamando aquele, induzindo os trabalhadores, furando pneu, cortando borracha para dizer que é o trabalhador revoltado. São esses que não representam nada, que estão fazendo esses atos vandalismo. Porque essa direção, essa direção para parar a cidade de São Paulo não precisa furar um pneu, não precisa cortar uma borracha !”

Ouça aqui:

O Diário do Transporte mostrou que 1º DP (Distrito Policial) da capital paulista intimou a prestar esclarecimentos pelo menos 26 pessoas nas investigações de três atos de vandalismo contra ônibus na cidade de São Paulo.

Outras ainda podem ser chamadas.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/07/01/policia-civil-intima-ao-menos-26-pessoas-em-investigacoes-sobre-vandalismo-contra-onibus-em-terminais-na-capital-paulista/

Os ataques aconteceram no início da manhã dos dias 14 e 28 de junho de 2021.

No dia 14, ônibus foram vandalizados na região do Terminal Parque D. Pedro II, no centro da cidade.

Um grupo parou os coletivos no viaduto Diário Popular e esvaziou os pneus, além de cortar as correrias dos motores.

Alguns ônibus tiveram de ser guinchados.

Já no dia 28, em ação bem semelhante, ônibus e trólebus foram parados na região dos terminais São Mateus, na zona leste, e Pinheiros, na zona Oeste.

Houve também corte de correias de motores e esvaziamentos de pneus. Um coletivo também teve um dos vidros trincados.

No mesmo dia, por volta das 7h, um grupo atacou dois veículos, sendo um na Av. Ragueb Chofhi com a Av. Aricanduva e o outro na mesma avenida com a Av. Jacu Pêssego, na zona Leste. Ambos tiveram os pneus esvaziados.

Em ambas as ocasiões, parte dos envolvidos nos ataques demonstram conhecimento das linhas atacadas e das configurações dos ônibus.

O Sindmotoristas, que é o sindicato dos motoristas e cobradores, nos dois episódios negou por meio de nota qualquer envolvimento e disse ter sido pego de surpresa assim como ter repudiado as ações.

A SPTrans (São Paulo Transporte), que gerencia o sistema, disse nos dias, também por nota, que repudia atos de vandalismo e contata a Polícia Militar em tais circunstâncias.

Já o SPUrbanuss, sindicato que reúne as empresas de ônibus, informou nas ocasiões, que todas as companhias de transportes registram boletins de ocorrência nestes tipos de casos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta