Diário no Sul

Estudo da Prefeitura de Curitiba (PR) aponta que ônibus não são foco de covid-19

Levantamento epidemiológico foi feito pela Secretaria Municipal de Saúde. Foto: Divulgação.

Dentre os 300 mil passageiros da cidade, 99,9% tiveram resultados negativos para a doença

JESSICA MARQUES

Um estudo feito pela Prefeitura de Curitiba, no Paraná, mostra que os ônibus não são foco de disseminação da covid-19.

Segundo o levantamento, dos cerca de 300 mil passageiros que diariamente passam pelas catracas do transporte coletivo da cidade, 99,9% não têm diagnóstico de covid-19.

A informação foi divulgada após a realização de um levantamento epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, que analisou o período de março de 2020 a março de 2021.

O estudo foi apresentado nesta quinta-feira, 27 de maio de 2021, durante reunião online dos gestores da Secretaria da Saúde com representantes dos setores econômicos da cidade e diretores de serviços hospitalares.

METODOLOGIA

Segundo a Prefeitura, para o rastreamento, o Centro de Epidemiologia da secretaria cruzou o banco de dados dos testes positivos para covid-19 com os CPFs dos usuários do cartão-transporte da Urbs.

O estudo considerou o intervalo de três dias antes da data de coleta do exame até 14 dias depois, verificando nesse período o uso do cartão nas linhas de ônibus e terminais de transporte.

Além disso, desde março, além do rastreamento, a Prefeitura de Curitiba também começou a bloquear o cartão-transporte dos passageiros com resultado positivo de covid.

Relembre:

Pessoas com covid-19 terão cartão-transporte bloqueado por sete dias em Curitiba (PR)

POSICIONAMENTO DAS EMPRESAS

Em nota, o Setransp (Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba) considerou que o transporte coletivo é parte importante no enfrentamento da covid-19.

“O estudo mostra um cenário bem diferente daquele que vem sendo propagado pelos setores do comércio e dos bares e divulgado pela imprensa”, disse o presidente do Setransp Mauricio Gulin. “É lamentável que se dê tanto espaço para pessoas falarem sem conhecimento, com base em achismos. Pegaram o ônibus como bode expiatório”, afirmou também.

“É um serviço essencial, que permite o funcionamento de outras atividades essenciais, como hospitais, por exemplo. É o ônibus que leva muitas pessoas aos postos de vacinação contra a covid-19”, lembrou Gulin.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Manoel disse:

    Muito conveniente para a prefeitura não é mesmo? Desculpa para manter os ônibus lotados. Como se ninguém que utiliza ônibus possa ser assintomático ou realizar o teste em farmácias e transmitir a outras pessoas. Faça o que eu digo, não faça o que eu faço. Estão obrigando os comerciantes a fechar suas portas.

Deixe uma resposta