Diário no Sul

Sistema que controla lotação em ônibus entra em operação na Região Metropolitana de Curitiba (PR)

Projeto piloto é fruto de uma parceria entre a Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba) e a ACP (Associação Comercial do Paraná). Foto: Luiz Costa / SMCS.

Início dos testes está previsto para esta semana

JESSICA MARQUES

Um sistema que controla a lotação dos ônibus entra em operação nesta semana na Região Metropolitana de Curitiba, no Paraná. O projeto piloto é fruto de uma parceria entre a Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba) e a ACP (Associação Comercial do Paraná).

O sistema, desenvolvido pela startup paulistana Milênio Bus, integra um hardware, aplicativo e software capaz de controlar a lotação nos ônibus, em tempo real. Assim, o objetivo é oferecer maior controle no número de passageiros sentados e em pé nos veículos.

Inicialmente, foi feita a instalação em dois ônibus da empresa TC Araucária. Segundo a ACP, que patrocina o projeto, o sistema também foi oferecido para que a Urbs avalie a implantação em Curitiba.

COMO FUNCIONA

Denominado Smartflow, o hardware é capaz de identificar a quantidade de celulares presentes dentro de um veículo de transporte coletivo, em um raio de 15 metros, através de sinais wi-fi e Bluetooth emitidos pelos próprios smartphones dos passageiros.

Ainda de acordo com a ACP, os modelos instalados em Curitiba dispõem também de câmeras para informações mais precisas por meio do processamento de imagens.

Desta forma, com o sistema em uso, um sinal vermelho será aceso caso o ônibus ultrapasse o limite de passageiros permitidos.

“Os sensores transformam os dados em informações úteis para os usuários propiciando a oportunidade de escolha, entre pegar um ônibus lotado e esperar mais um pouco e poder ir até sentado. Além de informar melhor o passageiro sobre a lotação, ao retratar de maneira mais fiel o comportamento da demanda, a tecnologia pode ajudar no melhor planejamento de linhas e dimensionamento da frota, além de possibilitar seccionamentos de linhas ou mesmo prolongamentos mais condizentes com a realidade”, explicou o engenheiro Marcel Ogando, fundador da startup.

COMBATE À PANDEMIA

Segundo o presidente da ACP, Camilo Turmina, esta é uma medida de apoio da entidade às ações de combate à pandemia da covid-19.

“É uma forma de educar a população quanto ao limite de pessoas, ajudar o sistema público a não transportar um número excessivo de pessoas e por outro lado será um termômetro para a autoridade pública quanto a eficiência de suas medidas restritivas”, disse.

ÔNIBUS LOTADOS

A lotação nos ônibus da Região Metropolitana de Curitiba vem sendo tema de debate nos últimos meses. Um projeto de lei em tramitação na Câmara prevê que a Prefeitura da capital paranaense possa multar empresas concessionárias do transporte coletivo por ônibus lotados durante a pandemia de covid-19.

Relembre:

PL prevê que Curitiba (PR) possa multar empresas por ônibus lotados durante a pandemia

Além disso, o STF (Supremo Tribunal Federal) começou em 30 de abril o julgamento referente a possível suspensão parcial do transporte coletivo de Curitiba. O processo está previsto para terminar apenas em 07 de maio.

A análise do SFT ocorre após o TCR-PR (Tribunal de Contas Estado do Paraná) entrar com medida cautelar para limitar o acesso aos ônibus somente para trabalhadores da área da saúde, serviços essenciais e assim garantir o distanciamento social no interior dos veículos e terminais.

No mesmo dia, a Prefeitura de Curitiba recorreu junto ao Tribunal de Justiça do Paraná e conseguiu uma liminar que suspendia os efeitos da decisão do TCE. O Tribunal de Contas por sua vez, recorreu ao Supremo, levando a questão à máxima instância jurídica.

Na ocasião, o Ministro Fux negou o pedido do TCE e compreendeu que havia controvérsias nas recomendações sobre o transporte, não constatando grave lesão a ordem de saúde pública.

O Tribunal de Contas sustenta ainda que a superlotação dos ônibus é um fator de alto risco para contágio pelo coronavírus, o que é negado pela administração curitibana que diz não existir evidencias cientificas que comprovem a transmissão do vírus.

Relembre:

STF inicia julgamento de restrições no transporte público de Curitiba nesta sexta (30)

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Interessante este produto.

    Será que já podemos considerar o fim da catraca física no buzão?

    Milênio Bus com a palavra.

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzão e Emoção é a Paixão”

Deixe uma resposta para Paulo Gil Cancelar resposta