Eletromobilidade

EMTU divulga resultado de julgamento de propostas técnicas de licitação para auditoria e fiscalização das obras do trecho 2 do VLT da Baixada Santista

Reprodução de imagem de vídeo apresentado pela prefeitura de Santos

De três licitantes, foram classificados dois: Consórcios VLT – Trecho 2 e Pólux-Falcão Bauer-MMP. O Consórcio CTE Baixada Santista foi desclassificado por não atingir pontuação mínima

ALEXANDRE PELEGI

A EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) publicou nesta sexta-feira, 16 de abril de 2021, o resultado do julgamento das propostas técnicas da licitação destinada à contratar empresa ou consórcio que será responsável pela auditoria, acompanhamento e fiscalização das obras do trecho 2 do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) da baixada santista.

A concorrência envolve também o gerenciamento, supervisão, fiscalização das obras complementares de acessibilidade das estações do Trecho Barreiros / Porto, nos municípios de Santos e São Vicente, na Região Metropolitana da Baixada Santista.

A licitação foi lançada no dia 24 de novembro de 2020, com data de entrega das propostas marcada para o 03 de fevereiro de 2021.

De acordo com o resultado do julgamento das propostas técnicas apresentadas por três consórcios, a EMTU desclassificou o Consórcio CTE Baixada Santista, e classificou os Consórcios VLT – Trecho 2 e Pólux-Falcão Bauer-MMP.

O Consórcio VLT Trecho 2 teve a melhor nota técnica, atingindo 94 pontos, seguido pelo Consórcio Pólux-Falcão Bauer-MMP, com nota de 81,7 pontos.

As notas e justificativas para esta decisão podem ser lidas abaixo na publicação do Diário Oficial do Estado.

O Consórcio CTE Baixada Santista é composto pelas empresas Concremat Eng. e Tecnologia S.A., Tekhnites Consultores Associados Ltda. e Encibra S.A. Estudos e Proj. de Eng., e foi desclassificado por obter nota técnica inferior a 60 pontos, isso por desatender a alguns subitens do edital.

Os dois consórcios classificados a prosseguir no certame têm a seguinte constituição:

Consórcio VLT – Trecho 2, melhor classificado, é composto pelas empresas Bureau Veritas do Brasil Sociedade Classificadora e Certificadora Ltda., Future ATP Serv. de Eng. Consultiva Ltda. e LBR Eng. e Consultoria Ltda.

Consórcio Pólux-Falcão Bauer-MMP é composto pelas empresas Pólux Eng. Ltda., L.A. Falcão Bauer Centro Tecnológico de Contr. da Qualidade Ltda. e MMP – Consultoria e Gerenc. de Empreend. Imobiliários Eireli.

SEGUNDO TRECHO DO VLT

Como informou o Diário do Transporte, em 24 de setembro de 2020, o governador João Doria assinou a ordem de serviço para o início das obras, que necessitam agora do trabalho de supervisão externa.

O segundo trecho do VLT vai da avenida Conselheiro Nébias ao bairro do Valongo, em Santos, no litoral Sul paulista, com oito quilômetros e 14 estações acessíveis, passando pelas ruas Campos Mello, Doutor Cochrane, João Pessoa, Visconde de São Leopoldo, São Bento, Amador Bueno, Constituição, Luiz de Camões e a Avenida Conselheiro Nébias.

A expectativa é de uma demanda diária de 35 mil passageiros em dias normais da semana sem os efeitos da pandemia da Covid-19.

Para o novo trecho, serão colocadas mais sete composições em operação.

Por meio de nota em setembro de 2020, o Governo do Estado informou que “o prazo de conclusão do projeto é de 30 meses”. 

Como mostrou o Diário do Transporte, em 06 de julho de 2020, governador de São Paulo, João Doria, assinou contrato de R$ 217,7 milhões com a construtora Queiroz Galvão para o início das obras.

Relembre:

Doria assina contrato de R$ 217,7 milhões com Queiroz Galvão para segundo trecho do VLT da Baixada Santista

O sistema é operado pela BR Mobilidade, do Grupo Comporte, de Constantino Oliveira, que opera os ônibus da Viação Piracicabana em Santos, e gerenciado pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos.

Com a conclusão, o VLT da Baixada terá, segundo o Governo do Estado, 27 quilômetros de extensão, considerando o trecho de 11,5 quilômetros já em operação entre São Vicente (Barreiros) e o Porto de Santos, além das ligações entre Conselheiro Nébias e Valongo e Barreiros a Samaritá, em São Vicente, que está em projeto. O sistema tem previsão de operar com 33 VLTs transportando 95 mil passageiros por dia.

Arte: site prefeitura de Santos

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta